BCP avança com ‘roadshow’ para emissão de obrigações sustentáveis elegíveis para MREL

Segundo a Bloomberg, a emissão de dívida sénior preferencial será feita ao abrigo do Euro Note Program do banco. A dívida será emitida em breve e contará para os requisitos mínimos para fundos próprios e passivos elegíveis.

A Bloomberg noticiou esta segunda-feira que o BCP mandatou o Barclays, o Credit Agricole CIB (Sustainability Structuring Advisor), o JP Morgan, o Millennium BCP, o Natixis e o UniCredit como joint bookrunners para organizar uma série de reuniões de investidores na Europa com início já em 27 de setembro.

O “roadshow” tem como objetivo auscultar o mercado para uma emissão de obrigações sustentáveis (social sénior preferencial) à semelhança do que fez a Caixa Geral de Depósitos, que emitiu 500 milhões em dívida verde, com um juro de 0,4%.

A emissão do BCP, sendo dívida sénior preferencial, será elegível para Minimum Requirement for own funds and Eligible Liabilities (MREL). O MREL inclui fundos próprios e passivos que podem ser abatidos ou convertidos em capital de forma a absorverem perdas ou recapitalizarem o banco num evento de resolução.

Segundo a Bloomberg, a emissão será feita ao abrigo do Euro Note Program do banco e o prazo a partir do qual não pode ser amortizada é 5,5 a 6,5 anos [6,5 NC (no-call, que não é conversível ou não pode ser amortizada após determinado período) 5,5-year Senior Preferred transaction].

Os novos títulos do BCP, segundo a Bloomberg, terão rating de Ba1, BB e BBBL pela Moody’s, Fitch e DBRS, respetivamente.

“Um montante equivalente ao produto líquido das notes será usado para financiar e/ou refinanciar ativos sociais elegíveis, conforme definido no enquadramento ESG (environmental, social governance)”, ou seja ativos verdes sustentáveis e sociais do emitente.

Recomendadas

Hélder Rosalino reconduzido no Banco de Portugal com efeitos retroativos a 2019

Hélder Rosalino tem menos de três anos pela frente na administração do Banco de Portugal porque o Governo reconduziu o ex-governante social democrata, mas com efeitos retroativos a setembro de 2019. O mandato dos administradores do banco central são de cinco anos.

Fitch admite que o malparado dos bancos portugueses vai aumentar em 2022

Rafael Quina antevê que o malparado decorrente de 18 meses de moratória se vai fazer sentir especialmente em 2022. O analista disse ainda que há espaço para aumentar a consolidação bancária o que “ajudaria a melhorar os modelos de negócio da banca portuguesa, no sentido de  aumentar a resiliência e a rentabilidade”. Mas ainda há barreiras a derrubar.

Banco CTT vai recolher e reciclar cartões de débito inutilizados através de envelope RSF

“O Banco CTT tem neste momento uma base com mais de 600 mil clientes, pelo que acreditamos que juntarmo-nos a este movimento terá um impacto a prazo relevante na fomentação de hábitos de sustentabilidade ecológicos”, afirma no comunicado Luís Pereira Coutinho, Presidente Executivo do Banco CTT.
Comentários