BCP baixa participação na Reditus para 14,975%

O BCP, na sequência da alienação em bolsa, no dia 16 de outubro de 2018, de 5.000 ações da Reditus SGPS ao preço médio de 0,0920 euros, “passaram a ser imputáveis” ao banco ações, representativas de 14,975% do capital social da Reditus, a que corresponde 15,241% dos direitos de voto.

Num comunicado intitulado “Redução da participação qualificada no capital social da Reditus –
Sociedade Gestora de Participações Sociais”, a empresa presidida por Francisco Santana Ramos, anunciou que recebeu hoje, 12 de novembro de 2018, do Banco Comercial Português, a comunicação de que reduziram a participação no capital da empresa.

O BCP, na sequência da alienação em bolsa, no dia 16 de outubro de 2018, de 5.000 ações da Reditus SGPS ao preço médio de 0,0920 euros, “passaram a ser imputáveis” ao  banco ações, representativas de 14,975% do capital social da Reditus, a que corresponde 15,241% dos direitos de voto.

Miguel Pais do Amaral tem quase 25% do capital da Reditus, mais do que os 16,5% nas mãos do BCP. A família Moreira Rato tem  uma participação superior a 10%.

A Reditus propôs em julho deste ano uma redução de capital de cerca de 50 milhões, para, na sua grande medida, cobrir os prejuízos passados. O capital desceu de 73,2 milhões para 14,6 milhões de ereditusuros. Uma diminuição de 58,6 milhões que foi votada no Verão. Uma redução em que os acionistas mantiveram a posição relativa.

A Reditus estava já na situação do artigo 35º do Código das Sociedades Comerciais, em que o capital próprio da empresa é já inferior a metade do capital social – depois do prejuízo de 1,6 milhões.

Sem essa operação e sem possibilidade de os acionistas porem mais capital, a dissolução teria de ser ponderada.

Ler mais
Recomendadas

“Em crise os riscos de crédito aumentam e o seguro torna-se mais importante”

Nesta crise, há setores que se veem obrigados a reduzir a sua atividade, “mas há outros em que novas oportunidades de negócio se abrem”, afirma a ‘chairman’ da COSEC, Maria Celeste Hagatong.

CGD faz hoje 145 anos e celebra com concerto online de Abrunhosa

Paulo Moita de Macedo, Presidente Executivo da Caixa, assinala a data com uma mensagem dirigida a todos os clientes onde realça a importância de cada cliente na construção destes 145 anos de história. O CEO da CGD coloca a tónica no futuro do Banco, “um caminho que continuará a ser feito lado a lado com os portugueses”.

Malparado do Novo Banco foi vendido ao melhor preço conclui auditoria da Deloitte

“Nos três processos de alienação analisados verificou-se que foi escolhida a proposta de investidores que apresentava o preço mais elevado”, pode ler-se no documento da auditoria da Deloitte.
Comentários