BCP baixa participação na Reditus para 14,975%

O BCP, na sequência da alienação em bolsa, no dia 16 de outubro de 2018, de 5.000 ações da Reditus SGPS ao preço médio de 0,0920 euros, “passaram a ser imputáveis” ao banco ações, representativas de 14,975% do capital social da Reditus, a que corresponde 15,241% dos direitos de voto.

Num comunicado intitulado “Redução da participação qualificada no capital social da Reditus –
Sociedade Gestora de Participações Sociais”, a empresa presidida por Francisco Santana Ramos, anunciou que recebeu hoje, 12 de novembro de 2018, do Banco Comercial Português, a comunicação de que reduziram a participação no capital da empresa.

O BCP, na sequência da alienação em bolsa, no dia 16 de outubro de 2018, de 5.000 ações da Reditus SGPS ao preço médio de 0,0920 euros, “passaram a ser imputáveis” ao  banco ações, representativas de 14,975% do capital social da Reditus, a que corresponde 15,241% dos direitos de voto.

Miguel Pais do Amaral tem quase 25% do capital da Reditus, mais do que os 16,5% nas mãos do BCP. A família Moreira Rato tem  uma participação superior a 10%.

A Reditus propôs em julho deste ano uma redução de capital de cerca de 50 milhões, para, na sua grande medida, cobrir os prejuízos passados. O capital desceu de 73,2 milhões para 14,6 milhões de ereditusuros. Uma diminuição de 58,6 milhões que foi votada no Verão. Uma redução em que os acionistas mantiveram a posição relativa.

A Reditus estava já na situação do artigo 35º do Código das Sociedades Comerciais, em que o capital próprio da empresa é já inferior a metade do capital social – depois do prejuízo de 1,6 milhões.

Sem essa operação e sem possibilidade de os acionistas porem mais capital, a dissolução teria de ser ponderada.

Ler mais
Recomendadas

Travão de apoio ao Novo Banco é um “número de circo, mas não viola a Constituição”, diz fiscalista

A anulação da transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco, aprovada no Orçamento do Estado, não é inconstitucional, mas “gerará responsabilidade civil”, disse o antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Rogério Fernandes Ferreira, à Lusa.

Oscar Herencia: “A evolução dos seguros tem de ir para um conceito de personalização”

O futuro passa pelos “seguros à medida” em que o cliente seleciona um produto ‘umbrella’, que pode ser um seguro de vida, e depois tem um extenso leque de objetivos para criar um produto personalizado, avança o diretor geral da MetLife para a Ibéria.

BCP será um agente mobilizador da retoma

“Somos parceiros na missão governamental de operacionalizar o maior pacote de incentivos de sempre”, diz Gonçalo Regalado, do BCP.
Comentários