BCP baixa participação na Reditus para 14,975%

O BCP, na sequência da alienação em bolsa, no dia 16 de outubro de 2018, de 5.000 ações da Reditus SGPS ao preço médio de 0,0920 euros, “passaram a ser imputáveis” ao banco ações, representativas de 14,975% do capital social da Reditus, a que corresponde 15,241% dos direitos de voto.

Num comunicado intitulado “Redução da participação qualificada no capital social da Reditus –
Sociedade Gestora de Participações Sociais”, a empresa presidida por Francisco Santana Ramos, anunciou que recebeu hoje, 12 de novembro de 2018, do Banco Comercial Português, a comunicação de que reduziram a participação no capital da empresa.

O BCP, na sequência da alienação em bolsa, no dia 16 de outubro de 2018, de 5.000 ações da Reditus SGPS ao preço médio de 0,0920 euros, “passaram a ser imputáveis” ao  banco ações, representativas de 14,975% do capital social da Reditus, a que corresponde 15,241% dos direitos de voto.

Miguel Pais do Amaral tem quase 25% do capital da Reditus, mais do que os 16,5% nas mãos do BCP. A família Moreira Rato tem  uma participação superior a 10%.

A Reditus propôs em julho deste ano uma redução de capital de cerca de 50 milhões, para, na sua grande medida, cobrir os prejuízos passados. O capital desceu de 73,2 milhões para 14,6 milhões de ereditusuros. Uma diminuição de 58,6 milhões que foi votada no Verão. Uma redução em que os acionistas mantiveram a posição relativa.

A Reditus estava já na situação do artigo 35º do Código das Sociedades Comerciais, em que o capital próprio da empresa é já inferior a metade do capital social – depois do prejuízo de 1,6 milhões.

Sem essa operação e sem possibilidade de os acionistas porem mais capital, a dissolução teria de ser ponderada.

Ler mais
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em créditos problemáticos até fim do ano

O Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em crédito malparado até ao final do ano, segundo disse o presidente executivo, António Ramalho, à agência de informação financeira Bloomberg.
Comentários