BCP convoca assembleia de obrigacionistas para discutir fusão do BII

A assembleia geral de obrigacionistas realizar-se-à no dia 21 de outubro, pelas 9h00, no edifício 5 do Taguspark, onde se situam as instalações do banco. BCP garante que a fusão não terá impacto para os trabalhadores do BII e que a sua incorporação contabilística no banco liderado por Miguel Maya será considerada a partir do dia 1 de janeiro de 2019, se entretanto a operação for autorizada pelo Banco Central Europeu.

O Millennium bcp convocou uma assembleia geral de obrigacionistas para se pronunciarem sobre a fusão do Banco Imobiliário de Investimento (BII) que será, aliás, o único ponto da ordem de trabalhos.

Em comunicado divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o BCP chamou os obrigacionistas a “pronunciarem-se relativamente aos possíveis prejuízos para os senhores obrigacionistas decorrentes da fusão por incorporação, mediante transferência global do património, do Banco de Investimento Imobiliário, no Banco Comercial Português”.

A assembleia geral de obrigacionistas realizar-se-à no dia 21 de outubro, pelas 9h00, no edifício 5 do Taguspark, onde se situam as instalações do banco liderado por Miguel Maya.

O BCP anunciou a fusão do BII na quinta-feira passada, dia 12, depois de as administrações das duas instituições financeiras terem acordado a operação.

O BII, especializado na concessão de crédito hipotecário e constituído em 1993 no âmbito de uma parceria entre o BCP e o italiano Banca Indesa, é desde 2005 detido a 100% pelo BCP.

O BCP, noutro comunicado divulgado pela CMVM esta terça-feira, explicou ainda que o irá prosseguir as atividades desenvolvidas pelo BII e que o negócio bancário será “desenvolvido primordialmente a partir do BCP”.

“A incorporação ora projetada do BII permitirá a eliminação dos custos associados à manutenção de uma instituição de crédito juridicamente autónoma e visará igualmente, tal como todas as restantes incorporações de instituições financeiras protagonizadas pelo BCP, assegurar ganhos de eficiência através da racionalização das áreas operativas, de back office e outras funções de suporte”, lê-se no documento.

Do ponto de vista contabilístico, as operações do BII passarão a considerar-se incorporadas no BCP a partir do dia 1 de janeiro de 2019, “salvo se, por se encontrar ainda pendente a necessária autorização do Banco Central Europeu, não for possível requerer o registo da fusão antes do dia 31 de dezembro de 2019”, explicou o banco liderado por Miguel Maya.

Neste caso, do ponto de vista contabilístico, as operações do BII serão incorporadas no BCP a partir de 1 de janeiro de 2020.

Para os trabalhadores do BII, a “fusão não implicará redundância ou supressão de postos de trabalho” porque a atividade do BII já está “assegurada por prestação de serviços” do BCP, “estando já hoje os trabalhadores [do BII] cedidos ao BCP”, explicou o Millennium bcp.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Conselho de administração do BCP aprova fusão do BII

As administrações de ambos os bancos aprovaram a integração do BII no BCP. O Banco de Investimento Imobiliário foi criado em 1993 no âmbito de uma parceria do BCP com o italiano Banca Intesa, e está sem atividade há vários anos.

BCP vai integrar o seu banco de crédito hipotecário

A operação de integração do BII no BCP é para ser feita até ao fim do ano.
Recomendadas

Banco de Portugal vai sujeitar diretores do risco, compliance e auditoria ao ‘Fit & Proper’

Está em consulta pública até ao final de março um projeto de alteração de Aviso do Banco de Portugal que vai rever os requisitos aplicáveis em matéria de governo interno dos bancos. Entre as principais novidades introduzidas pelo regulador, destaca-se o alargamento do processo de avaliação e adequação diretores do risco, de compliance e de auditoria interna, e um relatório anual de autoavaliação dos bancos sobre o cumprimento das regras de controlo interno.

PSD junta-se à esquerda para limitar cobrança de comissões bancárias

A medida consta de um projeto de lei entregue pelos social-democratas na Assembleia da República, que prevê que os primeiros cinco movimentos mensais feitos através da MB Way bem como a emissão do distrate no final do contrato de crédito sejam gratuitos.

Carlos Costa quer mais controlo sobre clientes de risco e aperta cerco à gestão dos grandes devedores

O Banco de Portugal definiu que as políticas de cada banco terão de ser entregues até ao dia 30 de junho.
Comentários