BCP convoca assembleia de obrigacionistas para discutir fusão do BII

A assembleia geral de obrigacionistas realizar-se-à no dia 21 de outubro, pelas 9h00, no edifício 5 do Taguspark, onde se situam as instalações do banco. BCP garante que a fusão não terá impacto para os trabalhadores do BII e que a sua incorporação contabilística no banco liderado por Miguel Maya será considerada a partir do dia 1 de janeiro de 2019, se entretanto a operação for autorizada pelo Banco Central Europeu.

O Millennium bcp convocou uma assembleia geral de obrigacionistas para se pronunciarem sobre a fusão do Banco Imobiliário de Investimento (BII) que será, aliás, o único ponto da ordem de trabalhos.

Em comunicado divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o BCP chamou os obrigacionistas a “pronunciarem-se relativamente aos possíveis prejuízos para os senhores obrigacionistas decorrentes da fusão por incorporação, mediante transferência global do património, do Banco de Investimento Imobiliário, no Banco Comercial Português”.

A assembleia geral de obrigacionistas realizar-se-à no dia 21 de outubro, pelas 9h00, no edifício 5 do Taguspark, onde se situam as instalações do banco liderado por Miguel Maya.

O BCP anunciou a fusão do BII na quinta-feira passada, dia 12, depois de as administrações das duas instituições financeiras terem acordado a operação.

O BII, especializado na concessão de crédito hipotecário e constituído em 1993 no âmbito de uma parceria entre o BCP e o italiano Banca Indesa, é desde 2005 detido a 100% pelo BCP.

O BCP, noutro comunicado divulgado pela CMVM esta terça-feira, explicou ainda que o irá prosseguir as atividades desenvolvidas pelo BII e que o negócio bancário será “desenvolvido primordialmente a partir do BCP”.

“A incorporação ora projetada do BII permitirá a eliminação dos custos associados à manutenção de uma instituição de crédito juridicamente autónoma e visará igualmente, tal como todas as restantes incorporações de instituições financeiras protagonizadas pelo BCP, assegurar ganhos de eficiência através da racionalização das áreas operativas, de back office e outras funções de suporte”, lê-se no documento.

Do ponto de vista contabilístico, as operações do BII passarão a considerar-se incorporadas no BCP a partir do dia 1 de janeiro de 2019, “salvo se, por se encontrar ainda pendente a necessária autorização do Banco Central Europeu, não for possível requerer o registo da fusão antes do dia 31 de dezembro de 2019”, explicou o banco liderado por Miguel Maya.

Neste caso, do ponto de vista contabilístico, as operações do BII serão incorporadas no BCP a partir de 1 de janeiro de 2020.

Para os trabalhadores do BII, a “fusão não implicará redundância ou supressão de postos de trabalho” porque a atividade do BII já está “assegurada por prestação de serviços” do BCP, “estando já hoje os trabalhadores [do BII] cedidos ao BCP”, explicou o Millennium bcp.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Conselho de administração do BCP aprova fusão do BII

As administrações de ambos os bancos aprovaram a integração do BII no BCP. O Banco de Investimento Imobiliário foi criado em 1993 no âmbito de uma parceria do BCP com o italiano Banca Intesa, e está sem atividade há vários anos.

BCP vai integrar o seu banco de crédito hipotecário

A operação de integração do BII no BCP é para ser feita até ao fim do ano.
Recomendadas

Apax Partner lança plataforma pan-europeia de seguros vida e gestão de fortunas

Depois da compra da GNB-Vida, a Apax-Partners lança a GamaLife, uma plataforma pan-europeia de seguros de vida e gestão de património. O novo presidente da ex-BES Vida é Matteo Castelvetri.

Novo Banco vende seguradora GNB Vida por 168 milhões de euros

O Novo Banco explicou, em comunicado, que “o preço fixo equivale a 168 milhões de euros para a base comparável de ativos subjacente ao preço de 190 milhões anteriormente comunicado, dado o decurso de tempo e a venda de imóveis da seguradora verificados entretanto”.

Novo Banco com participação qualificada na Cofina

O Novo Banco passou a ter uma participação superior a 2% na Cofina depois do seu Fundo NB Portugal Ações ter comprado títulos no mercado. A Cofina está em processo de aquisição da Media Capital.
Comentários