BCP deu 125 mil moratórias num montante total de 8,9 mil milhões

Pelo banco foram concedidas 101.114 mil operações a particulares no valor de 4,2 mil milhões de euros. Deste montante, 91% diz respeito a crédito à habitação. Em relação às empresas, o banco deu 23.909 mil moratórias no valor de 4,7 mil milhões de euros, do qual 88% corresponde a crédito performing.

O Millennium BCP deu 125.023 moratórias entre públicas e privadas e a particulares e empresas. O montante de crédito em moratória no BCP soma 8,9 mil milhões de euros.

O banco concedeu 101.114 mil moratórias a particulares no valor de 4,2 mil milhões de euros. Deste montante, 91% diz respeito a crédito à habitação. Em relação às empresas, o banco deu 23.909 mil moratórias no valor de 4,7 mil milhões de euros, do qual 88% corresponde a crédito performing.

Em termos de moratória pública a particulares o BCP regista 59.560 operações no valor de 3,5 milhões e em termos de moratória da APB, ou moratórias privadas, são 41.554 no valor de 0,7 milhões.

Miguel Maya disse na conferência de imprensa de apresentação dos resultados do terceiro trimestre que “o risco não está nas moratórias” acabarem, o risco está em retirar os apoios aos clientes antes de retomarem a atividade”, referindo-se à necessidade das empresas recuperarem os cash-flows para fazerem face à dívida.

Nas linhas de crédito protocolado, o BCP realizou 16.976 operações na primeira e segunda vaga, assumindo uma posição de “liderança de mercado” com uma quota de 38% do montante aprovado.

O BCP emprestou 2,4 mil milhões de euros às empresas através das linhas de crédito Covid-19.

O CEO do BCP admitiu que alguns destes créditos com garantia do Estado venham a entrar em incumprimento e é por isso que sugere que o Estado crie um Fundo Soberano para poder converter dívida em capital dessas empresas, que sejam economicamente viáveis, mas que estão financeiramente debilitadas.

Questionado sobre se já deu a sugestão ao Governo, Miguel Maya remeteu para o documento de António Costa e Silva.

Ler mais
Relacionadas
Miguel Maya

BCP regista menos valias com vendas de imóveis de 3 milhões nos nove meses

O banco vendeu nos nove meses 1.500 imóveis, dos quais 500 no trimestre. O BCP encaixou 172 milhões de euros em imóveis, com menos valia de 3 milhões face ao valor líquido de imparidades.

Lucros do BCP caem 46% para 146 milhões nos primeiros nove meses do ano

O banco liderado por Miguel Maya teve um resultado líquido consolidado de 146,3 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, penalizado pelo aumento das imparidades e provisões, provocado pela antecipação do impacto económico da Covid-19 e do tema judicial dos francos suíços na operação polaca.
Recomendadas

António Horta Osório vai ser Chairman do Credit Suisse

Horta Osório será eleito Presidente do Conselho de Administração do Credit Suisse em maio. O banco está presente em Portugal. A nomeação será rápida, já que sendo um banco suíço não precisa de passar pela morosa avaliação do BCE.

Eurogrupo chega a acordo sobre reforma do MEE e ‘backstop’ para Fundo Único de Resolução

Os ministros das Finanças da zona euro chegaram hoje a acordo sobre a reforma do Mecanismo Europeu de Estabilidade e a introdução de uma rede de segurança no Fundo Único de Resolução, medidas que permitirão atenuar futuras crises.

BCE autoriza João Pedro Oliveira e Costa como CEO do BPI

Depois de ser autorizado pelo BCE, o CaixaBank aprovou esta segunda-feira por unanimidade a composição dos órgãos sociais do BPI para o mandato de 2020-2022. João Pedro Oliveira e Costa sucede oficialmente a Pablo Forero.
Comentários