BCP dispara mais de 3%. Bolsa de Lisboa sobe em linha com as congéneres Europeias

Os CTT e o BCP lideraram as subidas em Lisboa. Na Europa, o Brexit foi o tema da sessão. As bolsas fecharam em alta na primeira sessão da semana.

John Gress/Reuters

O mercado nacional fechou em terreno positivo. O PSI-20 valorizou 0,73% para 5.013,5 pontos, o que compara com um índice global EuroStoxx 50 que avançou 0,68% para 3.603,74 pontos e o Stoxx 600 ganhou 0,67%.

O destaque no PSI-20 vai para o único banco do índice. O BCP subiu 3,96% para 0,2020 euros depois dos jornais económicos terem noticiado que o presidente do Conselho de Administração, Nuno Amado, e o CEO, Miguel Maya vieram de Luanda com a garantia da Sonangol de que se manterá acionista de referência do BCP.

Numa reunião entre o BCP e a Sonangol, que teve lugar em Luanda na quarta-feira passada, dia 16 de outubro, foram analisados os resultados e a atividade desenvolvida no primeiro semestre de 2019, bem como as metas definidas no Plano Estratégico do Millennium bcp para o período 2018-2021, e a petrolífera angolana “reafirmou o interesse do acionista no investimento realizado e na permanência como acionista de referência” do banco liderado por Miguel Maya, segundo uma nota do BCP divulgada esta segunda-feira.

Outra grande subida do PSI-20 foi o título dos CTT que subiu 4,50% para 2,460 euros.

As papeleiras também brilharam. A Navigator disparou 1,89% para 3,336 euros; a Semapa ganhou 1,91% para 12,820 euros; e a Altri valorizou 2,89% para 5,510 euros.

A Mota-Engil avançou 2,12% para 1,978 euros e a EDP Renováveis ganhou 1,34% para 9,840 euros; já a EDP subiu 0,85% para 3,550 euros. O grupo EDP que foi alvo de uma revisão em alta por parte do JP Morgan.

A Jerónimo Martins limitou valorizações superiores no índice nacional ao cair -1,97% para 14,670 euros. Já a Galp também sofreu uma queda (-0,15% para 13,510 euros), apesar do preço do petróleo nos mercados internacionais ter apresentado uma desvalorização.

Os mercados europeus encerraram em alta, com os investidores a olharem para os últimos desenvolvimentos do Brexit, bem como as notícias relativas às conversações entre os EUA e a China.

O Brexit dominou as atenções da manhã depois do parlamento britânico ter aprovado uma emenda que suspendeu a votação do acordo assinado entre Boris Johnson e a União Europeia no passado sábado.  Em consequência, o governo teve de cumprir a lei e pedir a Bruxelas um adiamento do ‘Brexit’ por três meses, até 31 de janeiro.

O governo britânico agendou para esta tarde a votação na câmara dos Comuns do Acordo de Brexit, da Declaração Política e do Protocolo sobre a Irlanda do Norte, ou seja, do novo acordo do Brexit conforme revisto após negociações entre o Executivo de Boris Johnson e a UE a 27. O gabinete do primeiro-ministro avisou desde logo que só submeterá o acordo a votação de não houver emendas. Mas John Bercow, presidente da Câmara dos Comuns, recusou esta segunda-feira a possibilidade de o Parlamento britânico debater e votar hoje o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia.

A legislação que implementa o acordo deverá agora ser votada esta semana.

A bolsa londrina encerrou hoje a subir 0,18% para 7.163,64 pontos.

Em termos setoriais, os produtores de matérias-primas, o setor automóvel e os bancos estiveram entre os melhores performers, segundo o analista do BPI.

Em plena earnings season, a SAP valorizou-se cerca de 2%, no dia em que a empresa alemã reportou um forte aumento no lucro e nas receitas do 3º trimestre, tendo ainda reiterado as suas perspetivas para o ano. O resultado líquido aumentou 28% para os 1,250 mil milhões, face aos 971  milhões no ano passado.

O CAC 40 subiu 0,21% para 5.648,3 pontos; o DAX ganhou 0,91% para 12.747,96 pontos; o FTSE MIB valoriza 0,70% para 22.478,19 pontos; e o IBEX ganha 0,78% para 9.402,3 pontos.

Em termos macroeconómicos, o Eurostat policou a segunda notificação do Défice e Dívida Geral das Administrações Públicas .

Segundo a segunda notificação do Eurostat, em 2018, Portugal apresentou um défice de 0,4% do PIB e uma dívida pública de 122,2% do PIB, sendo o terceiro país mais endividado da União Europeia.

Segundo a segunda notificação do Eurostat, em 2018, Portugal apresentou um défice de 0,4% do PIB e uma dívida pública de 122,2% do PIB (249.143 milhões de euros), sendo o terceiro país mais endividado da União Europeia (atrás da Grécia e Itália).

Para o mesmo período, dois Estados-Membros registaram um défice igual ou superior a 3% do PIB: Roménia (-3,0%) e Chipre (-4,4%). Catorze Estados-Membros registaram superavits, com Luxemburgo (2,7%), Alemanha e Malta (ambos 1,9%) e Bulgária (1,8%) com os maiores valores.

Relativamente à dívida pública, catorze Estados-Membros registaram valores acima de 60% do PIB, sendo que os mais elevados ocorreram na Grécia (181,2%), Itália (134,8%), Portugal (122,2%), Chipre (100,6%), Bélgica (100,0%), França (98,4%) e Espanha (97,6%). Os mais baixos foram registados na Estónia (8,4%), Luxemburgo (21,0%), Bulgária (22,3%), República Checa (32,6%), Lituânia (34,1%) e Dinamarca (34,2%).

A Zona Euro registou, em 2018, um défice de 0,5% e uma dívida pública de 85,9% do PIB. A UE a 28 registou, no mesmo período, um défice de 0,7% e uma dívida pública de 80,4% do PIB.

A dívida pública alemã agravou 3,8 pontos base para -0,344%. A dívida nacional subiu 3,7 pontos base para 0,237% no dia em que se ficou a conhecer o elenco de secretários de Estado e Espanha também os juros da dívida a 10 anos subirem 4,1 pontos base para 0,286%. Itália tem os juros a agravarem 5,8 pontos base para 0,984%.

O euro cai 0,11% para 1,1155 dólares.

Noutros mercados o petróleo em Londres cai 1,31% para 58,64 dólares.

 

 

Ler mais

Recomendadas

BCP, Jerónimo Martins e Mota-Engil penalizam bolsa de Lisboa

O banco liderado por Miguel Maya perdeu 1,87%, negociando nos 0,21 euros por ação. A retalhista liderada por Pedro Soares dos Santos desvalorizou 1,75%, para 15,15 euros e a construtora cedeu 0,67%, para 2,07 euros.

Quer vender a sua casa rapidamente? Tenha atenção a estes quatro pontos

O BCE indica que os juros dos novos créditos de habitação estão abaixo de 1% e a Housefy sustenta que este é um “período historicamente favorável” para o financiamento. Quais são os truques para vender a sua habitação?

Confrontos em Hong Hong e receios sobre a guerra comercial abalam Wall Street

Os três principais índices abriram no ‘vermelho, invertendo os ganhos ligeiros registados no fecho da sessão de ontem. Depois das palavras de Donald Trump, os investidores aguardam agora o discurso de Jerome Powell, que intervirá no Comité Económico do Congresso às 16h00 e amanhã no Comité Bancário do Senado.
Comentários