BCP diz que Sonangol não mudou de posição em relação à sua participação acionista

Miguel Maya, CEO do Millennium bcp disse ao Jornal Económico que “o BCP tem contacto permanente com os representantes do acionista Sonangol e pode confirmar que não há qualquer alteração à posição que oportunamente foi dada a conhecer por fontes oficiais ao mercado”.

Miguel A. Lopes/Lusa

Miguel Maya, CEO do Millennium bcp disse ao Jornal Económico que “o plano de desinvestimentos da Sonangol no setor financeiro não é novidade”. Mas que  “o BCP tem contacto permanente com os representantes do acionista Sonangol e pode confirmar que não há qualquer alteração à posição que oportunamente foi dada a conhecer por fontes oficiais ao mercado”.

Em dezembro do ano passado, o então presidente da petrolífera, Carlos Saturnino disse publicamente que “a participação da Sonangol no Millennium BCP é um investimento estratégico“.

Isto é, o BCP quer com isto dizer que a notícia da Expansão não tem fundamento e que a Sonangol não mudou de estratégia em relação à participação de 19,5% no capital do banco português.

Recorde-se que João Lourenço já disse publicamente que não ia desinvestir no BCP. “Posso dizer que há uma empresa portuguesa que me procurou ontem [sexta-feira], muito preocupada, para saber se a Sonangol ia sair ou não. Em princípio, nós sossegamos essa empresa, dizendo que pode dormir descansada“, disse o presidente angolano, no encerramento da visita oficial de três dias a Portugal que decorreu entre 22 e 24 de novembro. Mais tarde, em março, João Lourenço reforçou a ideia em entrevista à RTP: “em relação ao BCP, reitero o que disse na minha visita a Portugal, que é que, em princípio, vamos manter-nos”.

A notícia do possível desinvestimento no BCP foi noticiado pelo jornal angolano Expansão, que revelava que a Sonangol estaria a finalizar a estratégia para alienar a participação no setor financeiro e que incluia a participação no capital do BCP.

Fonte oficial da Sonangol desmentiu depois ao Negócios esta intenção.

Além da posição no BCP, a Sonangol tem participações no capital de outros bancos com operação em Angola. São eles o BAI (8,5%), o BFA (13% de participação indireta por via da Unitel), a Caixa Angola (25%) e o Banco Económico (31,5%).

 

Ler mais
Relacionadas

Sonangol está a concluir plano estratégico que passa por vender participação no BCP

A Sonangol tem ações em bancos a operar em Angola: no BAI 8,5%; no BFA 13%, através da Unitel; no Caixa Angola 25%; no Banco Económico 31,5% e em Portugal no BCP 19,5%.
Recomendadas

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.

BdP: empréstimos às empresas cresceram em outubro

Já quanto aos empréstimos a particulares, o BdP diz ter registado uma variação de 6,9% em outubro, quando em setembro registara uma taxa de variação de 7,2%.

BCE mantém as exigências de capital ao BPI para 2020

Aí estão os requisitos de capital que o BCE impõe ao BPI para 2020 em função da qualidade do seu balanço. Estes requisitos implicam que o patamar mínimo de CET1 a partir do qual o Banco BPI teria restrições, em 2020, às distribuições de dividendos, é de 9.38%. O BPI tem um rácio de capital core de 12,7% a 30 de setembro deste ano.
Comentários