BCP e FEI assinam acordo para reforçar apoio às PME em 1,65 mil milhões

O FEI dará ao Millennium bcp uma garantia de até 1,155 mil milhões de euros, com o objetivo de canalizar mais 1,650 mil milhões de euros para a economia. Isto é, do financiamento às PME feito pelo BCP, 70% será garantido por este fundo do BEI. É o maior acordo assinado até hoje com um banco comercial.

Miguel Maya
Miguel A. Lopes/Lusa

O Millennium bcp e o Fundo Europeu de Investimento (FEI) assinaram esta quinta-feira dois novos acordos para proporcionar liquidez adicional às Pequenas e Médias Empresas portuguesas (PME) afetadas economicamente pela pandemia. O FEI assumirá até 70% do risco dos empréstimos que o Millennium bcp concede às PME.

Trata-se de uma renovação de parceria assinada em abril. O que significa que, no total, Millennium bcp e FEI disponibilizarão cerca de 2,8 mil milhões de euros em novos financiamentos às PME portuguesas.

O FEI dará ao Millennium bcp uma garantia de até 1,155 mil milhões de euros, com o objetivo de canalizar 1,65 mil milhões de euros para a economia. Estes acordos são apoiados pelo Fundo Europeu de Garantia, que faz parte do pacote de 540 mil milhões de euros da União Europeia para fazer face ao impacto económico da Covid-19. O BCP concederá assim financiamento “em condições mais favoráveis, assegurando que as PME portuguesas dispõem de liquidez suficiente e continuando a apoiar o seu crescimento e desenvolvimento a médio e longo prazo”.

Este é o maior acordo até hoje assinado pelo FEI com um banco comercial.

O FEI faz parte do Grupo Banco Europeu de Investimento (BEI), que tem como vice-presidente o português Ricardo Mourinho Félix. A sua missão central é apoiar as micro, pequenas e médias empresas da Europa, ajudando-as a aceder ao financiamento. O FEI concebe e desenvolve capital de risco e de crescimento, garantias e instrumentos de microfinanciamento que visam especificamente este segmento de mercado.

Miguel Maya, CEO do BCP, salientou no comunicado que “este acordo reafirma a posição do Millennium bcp enquanto Banco de referência para o tecido empresarial português, conferindo-lhe um papel de destaque no apoio à recuperação da economia e à modernização das empresas”.

“O Millennium bcp, durante o período mais critico da pandemia (2020 e 2021), financiou mais de 40 mil empresas com um total na ordem dos 6 mil milhões de euros. Com o acordo agora estabelecido, o Banco reforça fortemente as capacidades para apoiar o crescimento, contribuindo para que o tecido empresarial se torne mais competitivo e possa efetuar os investimentos e beneficiar das oportunidades que resultam da transição para uma economia mais resiliente, verde e digital”, refere ainda o CEO do BCP.

Por sua vez Ricardo Mourinho Félix, vice-presidente do BEI, diz no mesmo comunicado que “as PME empregam mais de 70% da mão de-obra de Portugal” e que “a parceria entre o FEI e o Millennium bcp, no âmbito do Fundo Europeu de Garantia, disponibilizará 2.850 milhões de euros em novos financiamentos às empresas portuguesas, proporcionando a liquidez necessária para aumentar e investir num futuro sustentável”.

O BCP refere que é hoje o principal banco nacional de empresas e PME, com 18,6% de quota de mercado de crédito e quase 20 mil milhões de euros de crédito a empresas, apoiando mais de 220 mil empresas. Compete assim o lugar com o Novo Banco, considerado também como o banco das empresas.

“O Millennium bcp é o líder de mercado para os segmentos de clientes mais significativos, com 26% de quota de mercado em facoring e confirming, 20% em leasing, 21% dos exportadores, 40% dos fundos europeus e 19% do Sistema Nacional de Garantia”, diz o banco no comunicado.

Recomendadas

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.

Goldman Sachs quer aumentar diversidade étnica e de género nas cotadas do S&P 500 e do FTSE 100

A Goldman Sachs Asset Management diz que quer estar na vanguarda para impulsionar uma maior diversidade e inclusão nos conselhos de administração em todo o mundo.
Comentários