BCP e Mota-Engil levam PSI 20 ao ‘vermelho’

Praça lisboeta abriu a sessão a descer 0,30%, para 4.221,74 pontos nesta terça-feira, seguindo a tendências das suas congéneres europeias.

Benoit Tessier / Reuters

O principal índice bolsista português, PSI 20, iniciou a sessão desta terça-feira a desvalorizar 0,30%, para 4.221,74 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

A fazer descer o PSI 20 estão entre as principais cotadas portuguesas o BCP que cai 1,23%, para 0,10 euros, a construtora Mota-Engil que desce 1,34%, para 1,47 euros e a Sonae SGPS que desvaloriza 0,83%, para 0,60 euros.

Em terreno negativo encontram-se também a petrolífera Galp que cai 0,53%, para 9,39 euros, a Altri que deprecia 0,40% para 4,47 euros e a Navigator que desce 0,42%, para 2,36 euros.

A negociar com sinal ‘verde’ estão neste início de sessão a EDP que sobe 0,32%, para 4,37 euros, a Jerónimo Martins que cresce 0,11%, para 13,99 euros e a Ibersol que valoriza 5,30% para 5,56 euros.

Na Europa todas as cotadas arrancaram no ‘vermelho’. Na Alemanha, o DAX desce 0,76%, no Reino Unido, o FTSE 100 cai 0,98%, o francês CAC 40 desvaloriza 0,81%, o holandês AEX desce 0,67%. Em Espanha, o IBEX35 desvaloriza 0,79% e o italiano FTSE MIB tomba 1,04%.

A cotação do barril de Brent desvaloriza 0,31%, com valor de 45,25 dólares, enquanto a cotação do crude WTI desce 0,40%, para 42,72 dólares por barril.

No mercado cambial o euro valoriza 0,26%, para 1,19 dólares.

Ler mais

Recomendadas

Coursera prepara-se para entrar em bolsa. Confinamento fez disparar vendas de cursos online

As receitas da empresa de tecnologia educacional dispararam 59% para cerca de 246,3 milhões de euros no ano passado, perante as necessidades de requalificação dos trabalhadores e o tempo (mais) livre para formações em casa.

PremiumAções recuam com ‘rally’ dos juros da dívida

Nas últimas semanas, os mercados acionistas mundiais colocaram em pausa os ganhos devido à subida dos rendimentos das obrigações.

Secretária do Tesouro norte-americano descarta preocupações com a inflação

“Não vejo que os mercados estejam à espera de que a inflação suba acima da meta de 2% que a Fed tem como taxa média de inflação no longo prazo”, explicou Janet Yellen em entrevista ao programa televisivo “PBS Newshour”.
Comentários