BCP e Semapa ajudam Bolsa de Lisboa a fechar no verde em contraciclo com Europa

A Semapa fechou acima do novo preço da OPA e o BCP valorizou quase 2%. O PSI-20 e o FTSE 100 foram as exceções numa Europa em queda afetada pelos efeitos secundários da vacina da AstraZeneca.

O PSI-20 subiu 0,23% para 5.025,41 pontos, o que é quase uma exceção numa Europa em que a maioria das praças fechou em queda.

A índice da Bolsa de Lisboa deve a sua performance de hoje à subida das ações da Semapa, na sequência da revisão em alta do preço da OPA da Sodim (holding da família Queiroz Pereira), de 11,40 euros para 12,17 euros. As ações subiram +2,84% para 12,30 euros, o que é uma cotação acima do preço da oferta. Isto significa que os investidores estão a considerar ainda baixo o preço da OPA da Sodim. Hoje a Maxyield, por um lado, e o CaixaBank, por outro, vieram dizer que o preço da oferta é baixo.

A Maxyield diz mesmo que a nova Oferta da Sodim é efetivamente de 11,66 euros por ação e não 12,17 euros, pois deve ser deduzido o valor do dividendo proposto. A Semapa aprovou um dividendo por ação de 0,512 euros, correspondendo a 40,9 milhões de euros e a um pay-out de 38,3%.

Já o CaixaBank veio dizer que apesar da nova contrapartida representar um prémio de 20% face à cotação de quinta-feira da Semapa, encontra-se 49% abaixo do preço justo (fair value) e 36% abaixo do preço-alvo (price target) que o banco tem para a Semapa.

A Sodim não tenciona subir mais o preço da OPA, sabe o Jornal Económico.

Outra ação que hoje subiu e se destacou foi a do BCP. O banco fechou a subir +1,96% para 0,1197 euros. Destaque ainda para a subida das ações dos CTT (+0,87% para 3,46 euros).

A contribuir para a subida do PSI-20 estiveram as subidas das ações da Galp e da NOS,  de 0,68% para 10,04 euros e 0,32% para 3,098 euros, respectivamente.

Em queda destacaram-se as ações da Ramada (-1,79% para 5,50 euros); da Altri (-1,62% para 6,39 euros); da Pharol (-1,36%) e as ações da EDP Renováveis que recuaram -0,96% para 18,65 euros.

As praças europeias registaram uma sessão de queda. O EuroStoxx 50 caiu 0,25% para 3.960,38 pontos e o Stoxx 600 recuou 0,14%.

Em Paris o CAC 40 recuou 0,011% para 6.130,66 pontos; o alemão DAX caiu 0,24% para 15.176,36 pontos; o FTSE MIB perdeu 0,082% para 24.740,73 pontos e o IBEX desceu 0,43% para 8.597,40 pontos.

A exceção foi o londrino FTSE 100 que subiu 0,91% para 6.885,32 pontos.

A afectar o comportamento das bolsas europeias estão as conclusões da Agência Europeia do Medicamento, que admite existir uma possível ligação entre a vacina da AstraZeneca e um tipo raro de coágulo no sangue.

Em termos macroeconómicos hoje a Markit revelou que o PMI (Purchasing Managers’ Index) nos Serviços da Zona Euro registou, em março de 2021, um valor de 53,2 pontos, que compara com 48,8 pontos no mês precedente. Este valor é o mais alto registado desde julho de 2020. O Índice encontra-se, assim, acima do limiar da neutralidade (50,0 pontos).

 

 

Ler mais

Recomendadas

Novos impostos sobre capital arruínam o dia em Wall Street

Não é uma notícia confirmada, apenas um rumor: a administração Biden pode estar a preparar novos impostos sobre os grandes salários e sobre os rendimentos do capital. Wall Street tremeu de imediato.

“Mercados em Ação”. “Principal fator para a força do euro é a fraqueza do dólar”

“Penso que os dois fatores contribuem. O principal fator que contribui para a força do euro será a fraqueza do dólar, neste momento. Claro que temos também o aumento do apetite pelo risco”, salientou o analista sénior Ricardo Evangelista no programa da JE TV.

Grupo EDP dispara em bolsa em reação ao compromisso de redução de emissões em 50% dos EUA

O grupo energético português juntou-se a mais 406 empresas que pediram à administração de Joe Biden que assumisse compromissos climáticos mais “ambiciosos” no dia em que decorre a Cimeira para o Clima.
Comentários