BCP ficou com 18% na Inapa que quer vender no mercado

O BCP ficou diretamente (sem contar com a participação do Fundo de Pensões) com 17,99% da Inapa que quer vender no mercado paulatinamente, para não perturbar a bolsa.

Miguel A. Lopes/Lusa

Neste momento a Inapa já só tem um único tipo de ações, as ordinárias. Deixou de ter ações preferenciais desde segunda-feira dia 21 de outubro, data em que se efetivou a conversão de ações preferenciais em ordinárias.

No âmbito dessa conversão o Grupo BCP que tinha 40,39% de ações preferenciais (com 29,77% dos votos) e 8,47% de ações ordinárias, passou a deter 28,88% de ações ordinárias com voto.

Aqui há que distinguir as ações do BCP, que representam atualmente, 17,99% do capital da Inapa, e as ações detidas pelo Fundo de Pensões do BCP, que totalizam 10,88% do capital.

Antes da conversão o BCP só tinha ações preferenciais (25,17% com 16,8% dos votos), o resto (15,22%) estava no Fundo de Pensões.

Segundo sabe o Jornal Económico, o objetivo do BCP é vender as ações no mercado, paulatinamente, para não perturbar as cotações da papeleira liderada por Diogo Rezende.

(atualizada)

Ler mais
Recomendadas

Parlamento ouve hoje presidente do Fundo de Resolução sobre nova injecção no Novo Banco

Luís Máximo dos Santos vai nesta quarta-feira, 26 de fevereiro, à Assembleia da República esclarecer as questões levantadas pelo Bloco de Esquerda relativas a uma “perspetiva de nova e relevante injeção de dinheiro do Estado”. Bloquistas querem ainda saber o acompanhamento que tem sido feito de todos os processos de venda de crédito malparado.

Acusação a Ricardo Salgado está parada devido a questões processuais

O processo em que o Banco de Portugal investiga o papel de Ricardo Salgado na sociedade criada para financiar o “buraco” no Grupo Espírito Santo está “preso” porque ainda não levantado o sigilo profissional de um advogado. Ordem dos Advogados tem palavra decisiva.

Comissões arrecadadas pelos bancos subiram 40 milhões de euros e superaram 1.500 milhões em 2019

O parlamento debate esta quinta-feira 11 propostas de Bloco de Esquerda, PCP, PS, PAN e PSD sobre comissões bancárias, como limitar as comissões cobradas pelos bancos em meios de pagamento como MB Way, em declarações relacionadas com contratos de créditos e alterações unilaterais de contratos de crédito.
Comentários