BCP manteve-se como o título com maior peso nas carteiras dos fundos

O BCP manteve-se como o título com maior peso nas carteiras dos fundos, representando 11,3% do total investido, com uma descida mensal de 11,2%. Seguiram-se a NOS, cujo valor nas carteiras dos fundos recuou 6,6%, e a Jerónimo Martins, cujo valor recuou 2,6% face a novembro. No que respeita ao investimento em títulos da União Europeia, os mais representativos nas carteiras dos fundos de investimento foram a LVMH, a Siemens e a Diageo.

Em dezembro de 2018, o valor sob gestão dos organismos de investimento coletivo em valores mobiliários (OICVM), vulgarmente conhecidos por Fundos de Investimento Mobiliário, totalizou 10.469,5 milhões de euros, menos 191,3 milhões euros do que em novembro. Nos organismos de investimento alternativo (OIA), o valor mensal sob gestão decresceu 4,1% para 751,5 milhões de euros.

A CMVM divulgou os indicadores Mensais dos Fundos de Investimento Mobiliário de dezembro.

O valor das aplicações em ações de emitentes nacionais registou uma descida de 5,9% em relação ao mês anterior, enquanto nas de emitentes estrangeiros decresceu 6,0%.

No que respeita à dívida pública, o valor das aplicações caiu 1,9% nbcpa nacional, tendo aumentado 3,7% na dívida estrangeira. O valor aplicado em obrigações ficou praticamente inalterado nas de emitentes nacionais e recuou 3,3% nas de estrangeiros.

O BCP manteve-se como o título com maior peso nas carteiras dos fundos, representando 11,3% do total investido, com uma descida mensal de 11,2%. Seguiram-se a NOS, cujo valor nas carteiras dos fundos recuou 6,6%, e a Jerónimo Martins, cujo valor recuou 2,6% face a novembro.

No que respeita ao investimento em títulos da União Europeia, os mais representativos nas carteiras dos fundos de investimento foram a LVMH, a Siemens e a Diageo. Fora da União Europeia destacaram-se a Microsoft, a Nestlé e a Procter & Gamble.

O Luxemburgo continuou a ser o principal destino de investimento dos OICVM em dezembro, ao absorver 14,4% do total das aplicações dos fundos, seguido da Alemanha (14,0%) e do Reino Unido (13,7%). Portugal absorveu 8,4% do investimento.

As sociedades gestoras com as maiores quotas de mercado foram a Caixagest (33,4%), a BPI Gestão de Activos (24,5%) e a IM Gestão de Ativos (17,0%).

Em dezembro foram constituídos três fundos de investimento mobiliário geridos pela Caixagest, concretamente, o “Caixa Wealth Moderado – Fundo de Investimento Mobiliário Aberto”, o “Caixa  Wealth Defensivo – Fundo de Investimento Mobiliário Aberto” e o “Caixa Wealth Arrojado – Fundo de Investimento Mobiliário Aberto”. No mesmo mês foi também constituído o fundo de poupança reforma “Optimize Capital Reforma PPR/OICVM Agressivo – Fundo de Investimento Aberto Harmonizado de Poupança Reforma”.

Ler mais
Recomendadas

Petróleo a caminho de acumular um aumento de quase 20% desde o início do ano

Depois de fechar 2018 em queda livre devido a receios de um excesso de oferta global e de uma desaceleração económica, os preços do petróleo nos EUA não param de subir desde início do ano. E atingiu o maior pico nos primeiros 13 dias úteis, desde janeiro de 2001, segundo dados compilados pela Bloomberg e citados pelo El Economista.

CMVM limita a venda do derivado CFD a investidores não profissionais

A CMVM segue a recomendação da ESMA e pôs um projeto de regulamento a consulta pública até 27 de fevereiro. Esta legislação surge porque segundo dados recolhidos em vários Estados-Membros há cerca de 74% a 89% dos investidores não profissionais que investem em CFDs perdem dinheiro. Sendo que em média, perdem entre 1.600 euros e 29.000 euros.

Contenção nos mercados, com olhos no ‘Brexit’ e nos EUA, pedem analistas

Especialistas consideram que 2019 será um ano melhor que 2018, mas é preciso cautela porque um ‘hard Brexit’ pode agitar os mercados e ter consequências que podem assemelhar-se às da falência do Lehman Brothers em 2008.
Comentários