BCP manteve-se como o título com maior peso nas carteiras dos fundos

O BCP manteve-se como o título com maior peso nas carteiras dos fundos, representando 11,3% do total investido, com uma descida mensal de 11,2%. Seguiram-se a NOS, cujo valor nas carteiras dos fundos recuou 6,6%, e a Jerónimo Martins, cujo valor recuou 2,6% face a novembro. No que respeita ao investimento em títulos da União Europeia, os mais representativos nas carteiras dos fundos de investimento foram a LVMH, a Siemens e a Diageo.

Em dezembro de 2018, o valor sob gestão dos organismos de investimento coletivo em valores mobiliários (OICVM), vulgarmente conhecidos por Fundos de Investimento Mobiliário, totalizou 10.469,5 milhões de euros, menos 191,3 milhões euros do que em novembro. Nos organismos de investimento alternativo (OIA), o valor mensal sob gestão decresceu 4,1% para 751,5 milhões de euros.

A CMVM divulgou os indicadores Mensais dos Fundos de Investimento Mobiliário de dezembro.

O valor das aplicações em ações de emitentes nacionais registou uma descida de 5,9% em relação ao mês anterior, enquanto nas de emitentes estrangeiros decresceu 6,0%.

No que respeita à dívida pública, o valor das aplicações caiu 1,9% nbcpa nacional, tendo aumentado 3,7% na dívida estrangeira. O valor aplicado em obrigações ficou praticamente inalterado nas de emitentes nacionais e recuou 3,3% nas de estrangeiros.

O BCP manteve-se como o título com maior peso nas carteiras dos fundos, representando 11,3% do total investido, com uma descida mensal de 11,2%. Seguiram-se a NOS, cujo valor nas carteiras dos fundos recuou 6,6%, e a Jerónimo Martins, cujo valor recuou 2,6% face a novembro.

No que respeita ao investimento em títulos da União Europeia, os mais representativos nas carteiras dos fundos de investimento foram a LVMH, a Siemens e a Diageo. Fora da União Europeia destacaram-se a Microsoft, a Nestlé e a Procter & Gamble.

O Luxemburgo continuou a ser o principal destino de investimento dos OICVM em dezembro, ao absorver 14,4% do total das aplicações dos fundos, seguido da Alemanha (14,0%) e do Reino Unido (13,7%). Portugal absorveu 8,4% do investimento.

As sociedades gestoras com as maiores quotas de mercado foram a Caixagest (33,4%), a BPI Gestão de Activos (24,5%) e a IM Gestão de Ativos (17,0%).

Em dezembro foram constituídos três fundos de investimento mobiliário geridos pela Caixagest, concretamente, o “Caixa Wealth Moderado – Fundo de Investimento Mobiliário Aberto”, o “Caixa  Wealth Defensivo – Fundo de Investimento Mobiliário Aberto” e o “Caixa Wealth Arrojado – Fundo de Investimento Mobiliário Aberto”. No mesmo mês foi também constituído o fundo de poupança reforma “Optimize Capital Reforma PPR/OICVM Agressivo – Fundo de Investimento Aberto Harmonizado de Poupança Reforma”.

Ler mais
Recomendadas

PSI 20 cai, penalizado pelo BCP e resultados da Sonae

A praça portuguesa perde 0,23%, para 5,253,56 pontos, esta quinta-feira. Destaque para a Sonae, que apesar de ter apresentado um crescimento de 33,7% dos lucros de 2018, cai quase 1,90%.

Hoje há “Mercados em Ação”: Reserva Federal e Brexit são os temas em debate

Todas as quintas-feiras, Shrikesh Laxmidas (Diretor Adjunto do JE) e Marco Silva (consultor de estratégia e investimento) debatem os acontecimentos mais importantes nos mercados financeiros, com a participação de analistas de topo no estúdio e via Skype.

Wall Street sem tendência definida depois de Fed manter taxas de juro inalteradas

Na frente empresarial, destaque para as quedas da FedEx (-6,5%) depois de ter emitido um profit warning por se estar a ressentir do arrefecimento da economia mundial. A Reserva Federal norte-americana anunciou que não vai aumentar as taxas de juro em 2019
Comentários