BCP substitui “Investor Relations”. Rui Coimbra assume “Private Banking”

Rui Coimbra passa a liderar o private banking que é uma área do administrador João Nuno Palma.

O Banco Comercial Português informa na sexta-feira o mercado que a função de representante para as relações com o mercado
e com a CMVM passará, a partir do próximo dia 15 de abril, a ser desempenhada por Bernardo Roquette de Aragão de Portugal Collaço, que assumirá, também a partir dessa data, a responsabilidade pela DRI – Direção de Relações com os Investidores.

Esta função é atualmente desempenhada por Rui Coimbra.

O banco, questionado pelo Jornal Económico, revelou que emblemático investor relations do BCP, deixa a função para ir liderar o private banking do banco. Esta área é tutelada pelo administrador  João Nuno Palma e a área de private banking inclui a banca de empresas, com a área de corporate de empresas e grandes empresas.

João Nuno Palma é também o administrador  com a responsabilidade a sucursal de Macau; fica com a presidência do Millennium bcp Bank & Trust (nas ilhas Cayman); e com a presidência do Banque Privée Suíça.

O novo investor relations, Bernardo Collaço, vem da Direção de Marketing, do Departamento de  Poupanças e Investimento do Millennium bcp.

Miguel Maya anunciou ainda que quer multiplicar por três a quota de clientes affluent (de alto rendimento) com aconselhamento remoto e quer 51 mil novos clientes affluent, mas isso são os chamados “clientes prestige” que estão fora do private banking.

Ler mais
Recomendadas

CGD aumenta hoje comissões e cobra transferências no MB Way mas com isenções

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) começa hoje a cobrar mais pela manutenção de algumas contas e por transferências na aplicação MB Way, deixando, no entanto, algumas isenções nos aumentos.

Santander abre Work Café em Espinho

O Work café uma inovação em termos de agências bancárias, uma vez que junta no mesmo espaço um balcão de um banco e uma cafetaria.

Luanda Leaks: Autoridade Bancária Europeia já contactou “entidades competentes”

“Temos conhecimento desta situação, que acompanhamos há algum tempo”, afirma a instituição europeia de supervisão numa curta resposta escrita enviada hoje à agência Lusa.
Comentários