BCP substitui “Investor Relations”. Rui Coimbra assume “Private Banking”

Rui Coimbra passa a liderar o private banking que é uma área do administrador João Nuno Palma.

O Banco Comercial Português informa na sexta-feira o mercado que a função de representante para as relações com o mercado
e com a CMVM passará, a partir do próximo dia 15 de abril, a ser desempenhada por Bernardo Roquette de Aragão de Portugal Collaço, que assumirá, também a partir dessa data, a responsabilidade pela DRI – Direção de Relações com os Investidores.

Esta função é atualmente desempenhada por Rui Coimbra.

O banco, questionado pelo Jornal Económico, revelou que emblemático investor relations do BCP, deixa a função para ir liderar o private banking do banco. Esta área é tutelada pelo administrador  João Nuno Palma e a área de private banking inclui a banca de empresas, com a área de corporate de empresas e grandes empresas.

João Nuno Palma é também o administrador  com a responsabilidade a sucursal de Macau; fica com a presidência do Millennium bcp Bank & Trust (nas ilhas Cayman); e com a presidência do Banque Privée Suíça.

O novo investor relations, Bernardo Collaço, vem da Direção de Marketing, do Departamento de  Poupanças e Investimento do Millennium bcp.

Miguel Maya anunciou ainda que quer multiplicar por três a quota de clientes affluent (de alto rendimento) com aconselhamento remoto e quer 51 mil novos clientes affluent, mas isso são os chamados “clientes prestige” que estão fora do private banking.

Ler mais
Recomendadas

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Bundesbank alerta que economia alemã pode estar a entrar em recessão

O Bundesbank, banco central alemão, alertou esta segunda-feira que a economia alemã, a maior da Europa, pode estar a recuar durante os meses de verão, depois da contração já registada no segundo trimestre, aumentando a possibilidade de entrar em recessão.

PremiumBanco ‘português’ na Costa do Marfim quer disputar liderança

O grupo BDK, que detém o Banque d´Abidjan, emprega na África do Oeste 532 pessoas, a que se juntam 28 em Lisboa. O banco tem quase metade da rede de balcões do líder no mercado, o Sociéte Generale.
Comentários