BCP substitui “Investor Relations”. Rui Coimbra assume “Private Banking”

Rui Coimbra passa a liderar o private banking que é uma área do administrador João Nuno Palma.

O Banco Comercial Português informa na sexta-feira o mercado que a função de representante para as relações com o mercado
e com a CMVM passará, a partir do próximo dia 15 de abril, a ser desempenhada por Bernardo Roquette de Aragão de Portugal Collaço, que assumirá, também a partir dessa data, a responsabilidade pela DRI – Direção de Relações com os Investidores.

Esta função é atualmente desempenhada por Rui Coimbra.

O banco, questionado pelo Jornal Económico, revelou que emblemático investor relations do BCP, deixa a função para ir liderar o private banking do banco. Esta área é tutelada pelo administrador  João Nuno Palma e a área de private banking inclui a banca de empresas, com a área de corporate de empresas e grandes empresas.

João Nuno Palma é também o administrador  com a responsabilidade a sucursal de Macau; fica com a presidência do Millennium bcp Bank & Trust (nas ilhas Cayman); e com a presidência do Banque Privée Suíça.

O novo investor relations, Bernardo Collaço, vem da Direção de Marketing, do Departamento de  Poupanças e Investimento do Millennium bcp.

Miguel Maya anunciou ainda que quer multiplicar por três a quota de clientes affluent (de alto rendimento) com aconselhamento remoto e quer 51 mil novos clientes affluent, mas isso são os chamados “clientes prestige” que estão fora do private banking.

Ler mais
Recomendadas

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.

BdP: empréstimos às empresas cresceram em outubro

Já quanto aos empréstimos a particulares, o BdP diz ter registado uma variação de 6,9% em outubro, quando em setembro registara uma taxa de variação de 7,2%.

BCE mantém as exigências de capital ao BPI para 2020

Aí estão os requisitos de capital que o BCE impõe ao BPI para 2020 em função da qualidade do seu balanço. Estes requisitos implicam que o patamar mínimo de CET1 a partir do qual o Banco BPI teria restrições, em 2020, às distribuições de dividendos, é de 9.38%. O BPI tem um rácio de capital core de 12,7% a 30 de setembro deste ano.
Comentários