PremiumBanco de Portugal admite reavaliar idoneidade dos gestores de bancos multados pela AdC

Supervisor admite extrair consequências da condenação da AdC a 14 bancos, por alegada concertação. Gestores podem perder idoneidade bancária.

O Banco de Portugal (BdP) está a avaliar eventuais consequências ao nível de idoneidade de gestores da banca decorrentes da decisão da Autoridade da Concorrência (AdC) que condenou 14 bancos ao pagamento de coimas no valor global de 225 milhões de euros por prática concertada de troca de informação comercial sensível entre 2002 e 2013.

O Jornal Económico sabe que a reflexão do regulador foi aberta depois de analisar decisão da AdC no caso que foi designado como ‘cartel da banca’ e poderá levar à abertura de um processo formal de reavaliação de idoneidade de antigos gestores dos bancos visados que actualmente ocupem cargos de topo caso o BdP conclua que exista matéria para voltar a verificar os requisitos de idoneidade. Em causa está um processo da AdC que concluiu por uma prática concertada que durou mais de dez anos com os bancos a trocarem informação sensível referente à oferta de produtos de crédito na banca de retalho, designadamente crédito à habitação, crédito ao consumo e crédito a empresas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

CaixaBank prevê reduzir 8.291 trabalhadores em Espanha na sequência da fusão com Bankia

É a maior redução do quadro de pessoal da história da banca em Espanha, segundo o El País. Os ajustes afetam o CaixaBank Espanha e não as filiais do grupo no exterior, o que é uma boa notícia para o BPI.

Fitch diz que deterioração da qualidade da carteira de crédito começa a notar-se nos resultados do segundo trimestre

A Fitch aponta para o risco de mais imparidades para crédito à medida que as moratórias  que restam expirem este ano, principalmente em países que fizeram mais uso da moratória, como a Grécia, a Irlanda, Itália e Portugal.

Jaime Antunes diz que o BPP foi o único banco da zona euro onde clientes perderam os depósitos

Houve uma segunda dimensão na crise do BPP que “foi uma dimensão claramente política” porque o Governo de Sócrates não quis salvar “o banco dos ricos”, frisou Jaime Antunes. O gestor lembrou que há processos do BPP parados à espera de despacho do juiz há 10 anos, e fala da falta de transparência da Comissão Liquidatária nomeada pelo Banco de Portugal.
Comentários