BdP mais otimista do que o Governo: Economia portuguesa deverá crescer 2% este ano

Banco de Portugal projecta uma expansão da economia nacional de 1,9% nos último semestre, com todas as componentes do PIB a manterem o desempenho, à excepção da Formação Bruta de Capital Fixo. No total do ano, procura externa e consumo diminuem o contributo.

A economia portuguesa deverá crescer 2% este ano, apesar do menor contributo das exportações e do consumo. A previsão é do Banco de Portugal (BdP), que coloca Portugal a crescer ligeiramente acima do que a meta do Governo, justificada pela revisão metodológica do Instituto Nacional de Estatística (INE).

No “Boletim Económico de outubro”, divulgado esta quinta-feira, a entidade liderada por Carlos Costa explica que o maior crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) face às projeções de 1,7% em junho, “decorre essencialmente da incorporação da nova série de contas nacionais publicada recentemente pelo INE”. Em setembro, com a nova metodologia do organismo de estatística nacional, a expansão da economia nacional foi revista em alta para 1,9% em 2016, para 3,5% em 2017 e para 2,4% em 2018.

“A incorporação desta nova informação tem implicações significativas sobre o nível de crescimento e o perfil intra-anual dos principais agregados macroeconómicos, pelo que a projeção não é diretamente comparável com a publicada em junho”, explica o BdP. Em junho, o regulador projectava um crescimento de 1,7%, com todas as componentes do PIB, à excepção do consumo público, a terem um maior desempenho do que no relatório de outubro.

No cenário atualmente projectado pelo regulador, apesar da expansão da economia portuguesa registar um ritmo inferior ao dos últimos anos, cresce uma décima acima da meta de 1,9% inscrita pelo Governo no Programa de Estabilidade, enviado para Bruxelas em abril.

Depois de crescer 2% no primeiro semestre do ano, o BdP estima uma expansão da economia nacional de 1,9% nos últimos seis meses do ano, com todas as componentes do PIB a manterem o desempenho, à excepção da Formação Bruta de Capital Fixo que deverá cair de 9,5% para 5%.

Contributo das exportações e do consumo cai

Reconhecendo a deterioração da atividade e comércio mundial, o BdP estima que as exportações de bens e serviços cresçam 2,3% este ano, menos 1,5 pontos percentuais do que no ano passado. No entanto, há setores nos quais “os exportadores portugueses deverão continuar a registar ganhos de quota nos mercados externos”, nomeadamente o turismo e a produção automóvel. Já as importações deverão crescer 4,6% este ano, menos 1,2 p.p. do que no ano passado.

Relativamente ao contributo da procura interna, o aumento do investimento deverá permitir compensar a ligeira redução do consumo.O BdP estima um aumento do investimento de 7,2% este ano, mais 1,4 p.p. do que em 2018, impulsionado pela construção. Esta deverá ser influenciada “pela execução de alguns projetos de infraestruturas de grande dimensão, nalguns casos associados a investimento público e beneficiando do financiamento europeu”.

No entanto, por outro lado, o contributo do consumo deverá cair, com o consumo privado a aumentar 2,3%, abaixo dos 3,1% registados no ano passado, enquanto o consumo público deverá cair de 0,9% para 0,5%.

Ameaças são sobretudo externas 

O BdP considera que os riscos descendentes para a atividade económica são maioritariamente de origem externa, nomeadamente uma “desaceleração cíclica da atividade económica nos principais mercados de exportação”, a intensificação das tendências protecionistas, um Brexit sem acordo e um agravamento das tensões geopolíticas.

Ler mais

Relacionadas

Meta do défice para este ano “parece claramente alcançável”, diz BdP

Banco de Portugal considera que meta de 0,2% do défice para este ano parece concretizáveis, mas reconhece “alguns factores de incerteza relativamente à evolução orçamental até ao final do ano”.

Nova vaga de estrangeiros traz dinâmica positiva ao mercado de trabalho

Fluxo de imigração que se verifica desde 2017 traz trabalhadores mais jovens e com mais qualificações do que os portugueses, aponta estudo do Banco de Portugal publicado no Boletim Económico.
Recomendadas

Falta de liquidez é o principal fator que leva cotadas a abandonar a bolsa portuguesa, diz a OCDE

A OCDE sublinha que, nas últimas duas décadas, o número de empresas cotadas na bolsa de valores portuguesa diminuiu em dois terços, de 148 para 55, resultado de uma queda no número de novas listagens e um grande número de empresas que deixaram o mercado de ações através de cancelamentos de registo.

Bruxelas diz que exclusão de viajantes europeus na União Europeia é inaceitável

“Se isto estiver a acontecer, teremos de analisar o que poderá ser feito. São claras situações discriminatórias que, por princípio, não são aceitáveis”, declarou em entrevista à agência Lusa, em Bruxelas, o comissário europeu dos Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

Comissão Europeia “otimista” sobre rápida retoma económica em Portugal

A Comissão Europeia diz estar “razoavelmente otimista” sobre uma “rápida recuperação” económica de Portugal após a crise gerada pela covid-19 e considera que a forma como o país “controlou” a pandemia beneficiará a retoma do turismo este verão.
Comentários