BdP: setor público agrava endividamento total da economia em 900 milhões

A nota estatística do Banco de Portugal indica que, entre fevereiro e março, o endividamento da economia a operar em Portugal agravou 1,4 mil milhões de euros, para 724,4 mil milhões de euros.

O endividamento da economia nacional agravou 1,4 mil milhões de euros, para 724,4 mil milhões de euros, face ao mês de fevereiro, sobretudo pelo aumento do peso do setor público, segundo a nota de informação estatística relativa ao endividamento do setor não financeiro em março, divulgada esta quarta-feira, 22 de maio, pelo Banco de Portugal (BdP).

“Em março de 2019, o endividamento do setor não financeiro situava-se em 724,4 mil milhões de euros, dos quais 323,3 mil milhões de euros respeitavam ao setor público e 401,1 mil milhões de euros ao setor privado”, lê-se. Mas ainda que o maior volume de dívida se situe no setor privado, foi o setor público que registou o maior aumento de divida em março.

“Este aumento foi distribuído em incrementos de 0,9 e de 0,5 mil milhões de euros nos endividamentos do setor público e do setor privado, respetivamente. A subida do endividamento do setor público refletiu-se, sobretudo, no aumento do endividamento face ao setor não residente em 1,4 mil milhões de euros, parcialmente compensado pela diminuição do financiamento concedido pelo setor financeiro e pelas próprias administrações públicas”, apontou o BdP.

Recomendadas

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Bundesbank alerta que economia alemã pode estar a entrar em recessão

O Bundesbank, banco central alemão, alertou esta segunda-feira que a economia alemã, a maior da Europa, pode estar a recuar durante os meses de verão, depois da contração já registada no segundo trimestre, aumentando a possibilidade de entrar em recessão.

PremiumBanco ‘português’ na Costa do Marfim quer disputar liderança

O grupo BDK, que detém o Banque d´Abidjan, emprega na África do Oeste 532 pessoas, a que se juntam 28 em Lisboa. O banco tem quase metade da rede de balcões do líder no mercado, o Sociéte Generale.
Comentários