BdP: setor público agrava endividamento total da economia em 900 milhões

A nota estatística do Banco de Portugal indica que, entre fevereiro e março, o endividamento da economia a operar em Portugal agravou 1,4 mil milhões de euros, para 724,4 mil milhões de euros.

O endividamento da economia nacional agravou 1,4 mil milhões de euros, para 724,4 mil milhões de euros, face ao mês de fevereiro, sobretudo pelo aumento do peso do setor público, segundo a nota de informação estatística relativa ao endividamento do setor não financeiro em março, divulgada esta quarta-feira, 22 de maio, pelo Banco de Portugal (BdP).

“Em março de 2019, o endividamento do setor não financeiro situava-se em 724,4 mil milhões de euros, dos quais 323,3 mil milhões de euros respeitavam ao setor público e 401,1 mil milhões de euros ao setor privado”, lê-se. Mas ainda que o maior volume de dívida se situe no setor privado, foi o setor público que registou o maior aumento de divida em março.

“Este aumento foi distribuído em incrementos de 0,9 e de 0,5 mil milhões de euros nos endividamentos do setor público e do setor privado, respetivamente. A subida do endividamento do setor público refletiu-se, sobretudo, no aumento do endividamento face ao setor não residente em 1,4 mil milhões de euros, parcialmente compensado pela diminuição do financiamento concedido pelo setor financeiro e pelas próprias administrações públicas”, apontou o BdP.

Recomendadas

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.

Cabral dos Santos revela carta onde Berardo pede à CGD crédito de 350 milhões para comprar ações do BCP

“A carta de Joe Berardo a Carlos Santos Ferreira de 10 de novembro de 2016 evidencia que foi a Fundação Berardo tomou a iniciativa de consultar a Caixa” [para o empréstimo de 350 milhões de euros]. A operação ou era feita com rácio de cobertura por garantias de 105% ou não se fazia. Essa era condição do cliente. A operação fez-se apesar de o parecer do risco ter inicialmente exigido uma cobertura de 120%.
Comentários