BE defende reflexão no Governo e PS sobre nomeação de familiares

A coordenadora do BE disse que é preciso pensar sobre estas matérias para que os cargos públicos “não sejam ocupados tendencialmente” por um grupo de pessoas com muitas afinidades.

A coordenadora do BE, Catarina Martins, pediu que o Governo e o PS devem reflectir sobre a prática de ocupação de cargos públicos por pessoas com muitas afinidades.

“Julgo que toda a gente percebe. Eu bem sei que Portugal é um país pequeno, mas todos nós percebemos a necessidade de pensar sobre estas matérias para que os cargos públicos não sejam ocupados tendencialmente por um grupo de pessoas com muitas afinidades”, afirmou Catarina Martins.

A deputada e dirigente do BE falava aos jornalistas à margem de uma iniciativa do partido, em Almada, após questionada sobre as críticas recentes de vários dirigentes do PSD, incluindo do cabeça-de-lista às europeias, Paulo Rangel, aos vários casos de ligações familiares em gabinetes de membros do Governo.

“Como a direita está sem projeto, liga sobretudo a casos”, começou por dizer Catarina Martins, advertindo por outro lado que, sobre a matéria em concreto, “deve haver uma reflexão dentro do Governo e no Partido Socialista”.

Considerando que a questão é de “prática política”, Catarina Martins sublinhou: “a democracia precisa de mais espaço para respirar”.

Em entrevista à agência Lusa, sábado, Paulo Rangel defendeu que o Presidente da República já devia ter avisado o primeiro-ministro, António Costa, para não repetir o que chama de “promiscuidades familiares” no Governo.

Rangel considerou que a existência de vários casos de ligações familiares em gabinetes de governantes “não é normal e constitui um atentado gravíssimo ao princípio republicano”.

“No Conselho de Ministros, tem um marido e mulher, um pai e filha. Tem agora uma chefe de gabinete do sucessor do marido, cuja mulher também gere um fundo…”, criticou, referindo-se respetivamente aos ministros Eduardo Cabrita e Ana Paula Vitorino, José Vieira da Silva e Mariana Vieira da Silva, Pedro Nuno Santos e ao secretário de Estado Duarte Cordeiro.

O candidato do PSD elencou ainda a recente eleição de Francisco César para liderar a bancada socialista nos Açores, filho de Carlos César, que dirige o grupo parlamentar do PS na Assembleia da República, ou o facto de o irmão da secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, também integrar o Governo, como secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, entre outros casos “de primos e cunhados”.

“Que as pessoas em Portugal não rasguem as vestes e não se escandalizem com isto é sinal de uma certa doença e de um adormecimento da democracia”, afirmou.

Ler mais
Relacionadas

Poiares Maduro: Relações familiares no Governo constitui “conflito de interesses”

Em entrevista à Antena1/Jornal de Negócios, o professor de Direito Miguel Poiares Maduro fala sobre a proteção dos denunciantes, a independência dos reguladores e a nomeação de ministros que são familiares uns dos outros para o governo.

Ministro e a nomeação da mulher para o Governo: “Não merece ser menorizada no seu percurso profissional”

O ministro reconhece que os portugueses têm o direito de questionar a escolha, mas garante que Catarina Gamboa “não merece ser menorizada no seu percurso profissional”.
Recomendadas

PremiumMarcelo vai à China captar investimento e desafiar ordem global

Presidente da República vai ao Fórum “Faixa e Rota”, depois de ter apoiado formalmente a iniciativa chinesa de unir a Ásia à Europa. EUA e potências ocidentais temem intenção expansionista do rival.

Presidente do Supremo Tribunal pode receber mais 600 euros mensais do que o primeiro-ministro

Os salários dos magistrados têm um limite salarial máximo que os impede de ganhar mais do que o primeiro-ministro, mas, caso a revisão do estatuto proposta pelo PS venha a ser aprovada, termina este impedimento salarial.

Parlamento vota hoje projetos de resolução sobre Programa de Estabilidade

No debate do Programa de Estabilidade, na quarta-feira, os partidos de esquerda criticaram duramente o plano orçamental para o período 2019-2023, mas é esperado que ajudem a chumbar a rejeição do PSD e CDS aos programas.
Comentários