BE quer comissão de inquérito ao Novo Banco

Bloco de Esquerda revela que pediu ao novo governador Mário Centeno relatório de auditoria interna na resolução do BES e que o BdP voltou a recusar a sua entrega. Um documento que serve para escrutinar a atuação do supervisor no caso BES/GES, numa altura em que auditoria da Deloitte diz que grande fatia de perdas do Novo Banco ficou a dever-se aos ativos do BES, BE quer comissão de inquérito por considerar que auditoria é insuficiente para avaliar atual gestão do Novo Banco.

Cristina Bernardo

O Bloco de Esquerda revela que quer comissão de Inquérito sobre Novo Banco por considerar que auditoria da Deloitte é insuficiente para avaliar atual gestão do banco liderado por António Ramalho. Relatório não terá indicado grandes problemas pós-resolução, concluindo que as perdas de mais de quatro mil milhões de euros no Novo Banco se deveram “fundamentalmente” à exposição a ativos “que tiveram origem no período de atividade do Banco Espírito Santo”.

“E por entendermos que a auditoria não vai tão longe quanto devia no escrutínio da atual administração do Novo Banco que queremos a comissão de inquérito. O que é preciso descobrir não é o volume das perdas, essas são publicadas nos relatórios e contas. O que queremos saber é se havia negócios ruinosos por que é que foram transferidos para o Novo Banco. E a razão porque foram vendidas carteiras de ativos, nomeadamente de imóveis com enorme desconto – é uma questão que não tem resposta ainda”, avançou Mariana Mortágua, deputada do BE nesta quarta-feira, 2 de setembro, numa comunicação aos jornalistas depois da conferência de imprensa do Novo Banco, onde o seu presidente voltou a sinalizar que vieram do BES 70% das perdas e 95% dos ativos que geraram perdas.

Mariana Mortágua volta a defender que o processo de venda do Novo Banco à Lone Star “foi ruinoso”, considerando que deram “demasiado poder” ao fundo norte-americano e que “os mecanismos de fiscalização do Banco de Portugal não funcionam”.

“A auditoria da Deloitte, tendo algumas informações, não nos permite apurar a gestão atual do Novo Banco, nomeadamente a venda de carteiras de crédito que foram feitas com desconto”, explica a deputada do BE, realçando que “o Parlamento não tem elementos essenciais para fazer a avaliação adequada” dado que a auditoria agora entregue ao Governo “não explica a gestão que António Ramalho está a fazer”.

Mariana Mortágua recorda que o Novo Banco custo oito mil milhões ao Estado português e aos contribuintes. “Não e uma brincadeira, é preciso apurar responsabilidades. É, por isso, que o BE decidiu pedir uma comissão de inquérito. Procuramos transparência e também os seus responsáveis. Devemos isso a todos os contribuintes que com os seus impostos estão a pagar o enorme buraco do BES”, explica.

A deputada bloquista revela ainda que pediu ao novo governador Mário Centeno relatório de auditoria interna na resolução do BES e que o BdP voltou a recusar a sua entrega. Um documento que serve para escrutinar a atuação do supervisor no caso BES/GES, numa altura em que auditoria da Deloitte diz que grande fatia de perdas do Novo Banco ficou a dever-se aos ativos do BES, BE quer comissão de Inquérito por considerar que auditoria é insuficiente para avaliar atual gestão do Novo Banco e diz que o objeto desta comissão ainda “vai ser definido”.

“Recebemos hoje a resposta do Banco de Portugal. O governador Mário Centeno recusa-se a enviar a auditoria à resolução do BES, contrariando a resolução da Assembleia da República e até a posição do Governo quando era ministro das Finanças”, afirmou Mariana Mortágua, acrescentando que quando o BE pediu novamente esta auditoria, no final de julho, foi na primeira semana de Mário Centeno como governador do BdP e com base em indicações do Governo que tinha pedido também ao BdP esta auditoria.

“Na sua audição de nomeação para governador, Mário Centeno disse que não pretendia ficar numa torre de marfim. Por isso, é com enorme surpresa que vimos esta recusa de hoje”, frisou, assegurando que o BE vai utilizar “todos os meios jurídicos e políticos para que esta auditoria seja entregue na Assembleia da República”.

Ler mais
Relacionadas

Deloitte recomendou que o Novo Banco fizesse o contraponto da avaliação dos imóveis

O Novo Banco diz que está totalmente empenhado em continuar o caminho traçado para cumprir na íntegra as indicações referidas no Relatório.

Houve 107 interessados em comprar créditos do Novo Banco. Nove apresentaram ofertas vinculativas

As quatro grandes operações de venda de créditos incobráveis pelo Novo Banco — “Nata I”, “Nata II”, “Albatros” e “Cannas” — atraíram nove ofertas vinculativas. Todas foram vendidas abaixo do valor contabilístico líquido e estavam parcialmente cobertas pelo mecanismo de capital contingente.

Novo Banco: Mecanismo de capital contingente antecipava perdas de 50% com ativos tóxicos

Acordo que criou o mecanismo de capital contingente, fixado em 3,89 mil milhões de euros, definiu o perímetro de ativos tóxicos por cujas perdas responderia e que tinham um valor líquido de 7,9 mil milhões de euros.

Novo Banco aponta que do universo de 70% de perdas 95% vieram do BES

“Não há novas operações, só há reestruturações de operações antigas”, disse António Ramalho. “Após a resolução e após a venda não existem problemas relevantes identificados na auditoria”, garantiu. A auditoria especial ao BES e ao Novo Banco revelou perdas líquidas de 4.042 milhões de euros no Novo Banco e, segundo o Governo, o “relatório descreve um conjunto de insuficiências e deficiências graves” até 2014.

Novo Banco atinge rácio de crédito malparado abaixo de 10% pela primeira vez

António Ramalho, CEO do Novo Banco, referiu esta manhã, em conferência de imprensa, que o banco foi de todas as instituições de crédito supervisionadas pelo Banco Central Europeu aquela que mais reduziu o NPL, passando de um rácio 33,4% em 2017 para 9,97%.

Rui Rio considera “censurável” que Novo Banco já conheça a auditoria

Depois de ter referido que a auditoria continha mais informações sobre o Banco Espírito Santo, Rui Rio estranhou o Novo Banco ter informações sobre o documento elaborado pela Deloitte, tendo em conta que os deputados não tiveram acesso a todos os dados
catarina_martins_oe_2020

Catarina Martins diz que auditoria ao Novo Banco “falha três vezes”

“No imediato, devem ser entregues ao parlamento os dados em falta e a auditoria deve ser tornada pública”, apontou a coordenadora do Bloco de Esquerda depois de o partido já ter requerido ao Governo a versão completa da auditoria ao Novo Banco
Recomendadas

Lucros do Bankinter afundam 50% para 220 milhões

Bankinter justifica recuo nos lucros com a realização de provisões devido à pandemia. Já o Bankinter Portugal viu os resultados antes de impostos recuarem 36% para 33 milhões de euros.

Conselho Geral do Novo Banco aprova hoje redução da administração executiva e continuidade de Ramalho

É hoje que é decidida a renovação do mandato para António Ramalho que se mantém presidente executivo do Novo Banco no próximo mandato de 2021-2024. O Conselho Geral de Supervisão vai reduzir o Conselho de Administração Executivo para seis membros e aprovar o novo plano de negócios.

Tribunal da Concorrência declara prescrição de coimas do BdP a ex-administrador do Montepio

Tribunal da Concorrência declarou a prescrição das contraordenações imputadas pelo supervisor ao ex-administrador do Montepio Rui Amaral, num processo que já teve sentença anulada pelo Tribunal da Relação e que tem novo início agendado para a semana.
Comentários