BE visa Marcelo: “Não lhe compete definir maiorias parlamentares”

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) criticou hoje o Presidente da República por sugerir que o PSD deve viabilizar o Orçamento do Estado para 2021 se for necessário, defendendo que não lhe compete definir maiorias parlamentares.

Socialista ou social-democrata? A coordenadora do BE protagonizou um dos momentos mais caricatos desta campanha ao definir o programa eleitoral como social-democrata. As críticas não tardaram e tive corrigir publicamente o “lapso”.

Em resposta a questões dos jornalistas, no final de uma visita a uma exposição de fotografia de Alfredo Cunha, na Galeria Municipal Artur Bual, na Amadora, Catarina Martins afirmou “é o parlamento que deve construir as soluções” para a aprovação do Orçamento e que isso “não cabe ao Presidente da República”.

“Não é o Presidente da República que determina maiorias parlamentares”, acrescentou a coordenadora do BE, numa crítica a Marcelo Rebelo de Sousa pelas palavras que dirigiu na sexta-feira à “oposição que ambiciona liderar o Governo”.

Catarina Martins reiterou a mensagem de que “é o parlamento o lugar para encontrar soluções, não é o Presidente da República que determina quais são as soluções que são encontradas”.

“Eu repito: as soluções encontram-se no parlamento, não é o Presidente da República que define. Não foi na última legislatura, não será nesta legislatura”, insistiu.

A coordenadora do BE afirmou a disponibilidade do seu partido para negociar e manifestou-se convicta de que “essas soluções virão do parlamento, queira o Governo”.

Na sexta-feira, à margem de uma visita a São Brás de Alportel, no Algarve, o Presidente da República considerou que, se não for possível uma aprovação do Orçamento do Estado com “apoio à esquerda”, então “a oposição, sobretudo a oposição que ambiciona liderar o Governo” deve viabilizá-lo, como fez quando liderou o PSD.

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que, quando presidiu ao PSD, viabilizou “três orçamentos do primeiro-ministro António Guterres”, com o seu partido “sublevado e parte do eleitorado a protestar” por esse apoio a um Governo do PS.

Interrogado se este era um recado para Rui Rio, o Presidente da República respondeu que estava a “dizer aquilo que é de bom senso meridiano” e que significa que “há um limite para aquilo que é próprio da democracia, que é a livre escolha dos partidos e dos políticos”.

Marcelo Rebelo de Sousa reconheceu que ao PSD pode “custar muito viabilizar o Orçamento”, por “discordar disto ou daquilo”, mas sustentou que “importa aprovar o Orçamento”.

À entrada para uma reunião do Conselho Nacional do PSD, também no Algarve, em Olhão, que viria a aprovar uma moção de apoio à eventual recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa nas presidenciais de 2021, Rui Rio respondeu às palavras do chefe de Estado.

O presidente do PSD recusou hoje sentir-se pressionado pelo Presidente da República e disse que quem está sob pressão são “PCP, BE, PS ou PS só com um”, enquanto o seu partido “está, por assim dizer, na bancada à espera que o jogo se inicie”.

“O líder do PS, neste caso também primeiro-ministro, foi muito claro, não podia ter sido mais claro, quando disse que no dia que precisasse do PSD para aprovar o Orçamento do Estado o seu Governo deixa de fazer sentido”, salientou Rui Rio, referindo-se a declarações doe António Costa em entrevista ao jornal Expresso.

Instado a responder o que fará o PSD se a esquerda não se entender para aprovar o documento, Rui Rio retorquiu: “É um não problema”.

Ler mais
Relacionadas

Apoio do PSD à candidatura presidencial já foi comunicado a Marcelo

O presidente do Conselho Nacional do PSD confirmou hoje que o apoio do partido a uma recandidatura presidencial de Marcelo Rebelo de Sousa já lhe foi comunicada, justificando o ‘timing’ da decisão por ser “a melhor oportunidade política”.

PSD declara apoio à recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa

Conselheiros nacionais reunidos em Olhão aprovaram proposta da Comissão Política Nacional para apoiar o candidato que “dá mais garantias de equilíbrio e de união nacional no quadro de crise que Portugal atravessa”. Apesar de os sociais-democratas reconhecerem que nem sempre concordaram com o atual Chefe de Estado no seu primeiro mandato.
Recomendadas

Parlamento discute hoje e vota referendo sobre a eutanásia na sexta-feira

O parlamento discute hoje e vota na sexta-feira uma proposta de referendo sobre a eutanásia, que divide direita e esquerda, mas em que há um bloco maioritário para a “chumbar”, do PS, BE, PCP, PAN e PEV.

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus na AR para dois por semestre

O Presidente da República promulgou hoje o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por semestre.
Comentários