Beirute: desastre provocou mais de 50 mortos e de 2.700 feridos

Duas fortes explosões sucessivas sacudiram hoje o porto de Beirute, semeando o pânico e causando um enorme cogumelo de fumo no céu da capital libanesa, disseram as autoridades.

REUTERS/Mohamed Azakir

Mais de 50 pessoas morreram e pelo menos 2.700 ficaram feridas, segundo os números mais recentes do balanço das duas violentas explosões que hoje sacudiram o porto de Beirute, capital do Líbano.

Duas fortes explosões sucessivas sacudiram hoje o porto de Beirute, semeando o pânico e causando um enorme cogumelo de fumo no céu da capital libanesa, disseram as autoridades.

Horas depois, ambulâncias ainda continuam a transportar os feridos, enquanto helicópteros do exército ajudam a combater os incêndios provocados pelas explosões, que se fizeram sentir por toda a cidade, destruindo casas e lojas.

As violentas explosões podem ter tido origem em materiais explosivos confiscados e armazenados há vários anos, disse um oficial de segurança libanês.

Segundo um canal televisivo do país, o material armazenado era nitrato de sódio, um composto químico muito inflamável.

Testemunhas relataram ter visto uma estranha nuvem cor de laranja sobre o local da explosão, o que coincide com a versão da existência de nitrato de sódio entre os materiais que explodiram.

“O que aconteceu hoje não ficará impune. Os responsáveis por esse desastre terão de pagar pelo que fizeram”, disse o primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, numa comunicação ao país pelas televisões.

Diab já prometeu mais esclarecimentos sobre “esse armazém perigoso que existe há seis anos” e pediu ajuda aos “países amigos e irmãos”, para curar as “feridas profundas” do país.

O Presidente libanês, Michel Aoun, convocou uma “reunião urgente” do Conselho Supremo de Defesa e Hassan Diab declarou um dia de luto nacional, na quarta-feira, “pelas vítimas da explosão”.

Ler mais
Recomendadas
tik tok

Tik Tok lança guia para combater ‘fake news’ nas presidenciais norte-americanas

A empresa admite que “não é a aplicação ideal para notícias de última hora ou política” mas explica que sabe que “um lar onde os norte-americanos se expressam”. O objetivo é apoiar os utilizadores com informações credíveis sobre questões públicas dos Estados Unidos.

Biden e Trump defrontam-se pela primeira vez. Pandemia, tensão racial e impostos do presidente são os temas quentes

Com o aproximar das eleições presidenciais norte-americana, o primeiro debate realiza-se no meio de uma grande tensão política e social nos EUA, dada a pandemia e os protestos raciais que se seguiram à morte de George Floyd.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.
Comentários