Belgas investem 130 milhões em residências de estudantes no Porto e Lisboa

Com esta operação, a investidora belga passa a ter uma carteira de 2.574 camas para estudantes em Portugal.

A empresa belga Xior adquiriu um portefólio de residências de estudantes da U.hub, por 130 milhões de euros, num negócio que engloba um total de 1.900 camas, incluindo quatro ativos em Lisboa e dois no Porto, em diferentes fases de operação e desenvolvimento.

O anuncio foi feito esta quinta-feira através da consultora imobiliária JLL, que assessorou o acordo entre as duas entidades.

Este portefólio integra duas residências em funcionamento, operadas pela U.hub, em Alvalade e na Alameda, em Lisboa, num total de 98 camas. Em construção, está uma residência com 350 camas em Benfica, e uma outra com 450 camas na Asprela, no Porto, cuja a conclusão está prevista para o próximo ano.

Em fase de licenciamento estão dois projetos com 500 camas cada, localizados na zona do Lumiar, em Lisboa, e na zona da Boavista, na cidade do Porto. A conclusão destes empreendimentos está prevista para 2021 e 2022, respetivamente.

Com a concretização desta operação, que ainda está sujeita a certas condições precedentes, a Xior passará a deter uma carteira de 2.574 camas para estudantes em Portugal. A empresa tinha adquirido já este ano duas residências à Promiris operadas pela Odalys (674 camas), num negócio que ascendeu aos 28 milhões de euros.

Fernando Ferreira, head of capital markets da JLL refere que “este é um negócio muito importante pela sua dimensão, mas também porque vem confirmar a crescente atratividade dos segmentos imobiliários alternativos e por envolver um portefólio que conjuga ativos consolidados de rendimento com ativos ainda para desenvolvimento”.

Ler mais
Relacionadas

Belgas investem 55 milhões em três edifícios residenciais em Miraflores

A Krest Real Estate Investments vai começar a construir as três torres em julho de 2020, estando a sua conclusão prevista para 2022.
Recomendadas

Não haverá “eliminação administrativa” de chumbos, diz ministro da Educação

Tiago Brandão Rodrigues considera que “as retenções nunca levam esses alunos a bom porto. Muito provavelmente levam ao abandono escolar ou uma nova repetição de ano”.

Ministério da Educação promete substituição mais rápida de funcionários nas escolas

As escolas vão poder substituir funcionários de forma mais célere, podendo contratar ao fim de 12 dias de ausência do trabalho, anunciou esta terça-feira o Ministério da Educação.

Há 400 docentes no Ensino Superior a dar aulas sem receber salário

Depois de ter sido apresentada uma queixa pelo Sindicato Nacional do Ensino Superior que denunciava “alegadas ilegalidades” nos contratos de vencimento, divulgaram-se dados que informam que no ano passado 400 professores leccionaram nas universidades e politécnicos sem receber salário.
Comentários