Benfica: caso dos e-mails junta seis investigações e é agora um “megaprocesso”

Vários responsáveis do clube da Luz são suspeitos de terem montado uma rede de influências para controlar o futebol nacional.

Tiago Petinga/Lusa

O Ministério Público (MP) acredita estar perante um esquema muito bem organizado de influência desportiva e, por isso, os 14 meses previstos na lei não são suficientes para investigar o caso dos e-mails do Benfica, que engloba seis investigações diferentes, segundo o “Jornal de Notícias” desta quinta-feira. O caso dos e-mails é já considerado um “megaprocesso”.

Vários responsáveis do clube da Luz são suspeitos de terem montado uma rede de influências para controlar o futebol nacional, um cenário que ganha força segundo a investigação do MP e, por isso, as seis investigações diferentes que integram o caso dos e-mails estão concentradas numa equipa especial do Departamento de Investigação e Ação Penal e Lisboa, que já pediu mais tempo à Justiça para terminar a investigação.

O MP considera mesmo – escreve o JN – que este é um caso de “excecional complexidade”. Por essa razão o MP pediu mais tempo para a investigação, escudando-se na lei que diz que os 14 meses conferidos para fechar uma investigação não são suficientes para este caso.

O alegado esquema para influenciar resultados de jogos de futebol da primeira liga, nas últimas cinco épocas, envolverá muitas personalidades ligadas ao desporto, que têm de ser ouvidas e confrontadas com os indícios apurados, E a natureza dos alegados crimes em investigação, de corrupção passiva a ativa, levou o MP a pedir mais tempo, uma vez que entre as relações obscuras identificadas, o silêncio é a chave para a investigação.

Mais, indícios de que o Benfica está no centro do esquema de influência desportiva, organizando relações entre dirigentes e agentes desportivos, também justificará o alargamento do prazo.

Recomendadas

“Liga portuguesa é pouco interessante para o mercado estrangeiro”

Clubes portugueses parecem ser os únicos que ainda não se tornaram atrativos para os ‘magnatas’ e fundos de investimento mundiais. Liga francesa é o mais recente ‘chamariz’, com o mercado americano a ser o principal alvo na procura de investidores.

Vichai Srivaddhanaprabha: o ‘rei’ de Leicester

O multimilionário tailandês comprou o clube britânico em 2010, quando este militava na segunda liga inglesa. Em apenas seis anos, conseguiu um título inédito de campeão nacional na Premier League. No último sábado, um desastre de helicóptero vitimou-o aos 60 anos.

FC Porto SAD ‘campeã’ dos salários pagos entre os três ‘grandes’

O Sporting, por sua vez, tem feito uma curva ascendente de investimento neste ponto. O Benfica é nesta altura a SAD que apresenta uma estrutura salarial mais baixa.
Comentários