PremiumBernardo Meyrelles: “Portugal deve ser firme na defesa dos Vistos Gold”

‘Private bank’ suiço quer atrair clientes detentores de Vistos Gold. Responsável diz que medida ajuda a cortar dependência de Bruxelas.

Bernardo Meyrelles, Country Head do EFG International em Portugal, realçou ao Jornal Económico a importância dos países da União Europeia (UE) manterem a capacidade de garantir a rentabilidade e solvibilidade. A apreciação enquadra-se no facto da mais recente entidade de ‘private banking’ do país (arrancou operações em setembro) também ter como clientes-alvo detentores de vistos Gold. Apesar da ‘diabolização’ que surge muitas vezes associada a esta medida, Bernardo Meyrelles sublinha que “Portugal deve ser firme a defender os seus interesses” e que “é melhor que países encontrem formas naturais de aumentar a sua rentabilidade e solvibilidade do que estarem apenas dependentes de subsídios e de transferências de fundos e de políticas centrais europeias de compensação”.

No entender do antigo responsável máximo do Deutsche Bank em Portugal, “seria muito bom que todos os países encontrassem uma forma de reduzir a subsídio dependência” e é importante que num contexto europeu não se limite a capacidade dos países em angariar receitas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Carlos Tavares: “Política monetária em vigor não tem qualquer efeito positivo na economia”

“Não gosto de ver esta situação de taxas baixas. É um desincentivo poderoso à poupança”, disse o presidente do Banco Empresas Montepio, acrescentando que, por outro lado, “pode incentivar mau investimento”.

Miguel Maya: “BCP já tem cinco mil operações por dia feitas por robôs”

“O BCP aprendeu com os erros do passado”, reconheceu o banqueiro. Miguel Maya disse que era preciso a tecnologia com a relação humana já que “a tecnologia é para servir a relação”, referiu.

N26 quer chegar aos 100 mil clientes em Portugal até ao final do ano

Em julho de 2019 o N26 chegou ao mercado norte-americano e os planos de expansão passam por entrar no mercado australiano, brasileiro e canadiano.
Comentários