BES Miami ajudou oligarca venezuelano a retirar milhões de dólares da Venezuela

Relatórios do departamento de compliance do BES Miami defendem que o magnata venezuelano conseguiu transferir para fora da Venezuela 116 milhões de dólares pagos pelo governo venezuelano através deste banco por serviços pouco fundamentados e relacionados com projetos habitacionais.

A filial do Banco Espírito Santo (BES) nos Estados Unidos, o Espirito Santo Bank, em Miami, ajudou Alejando Ceballos Jiménez, uma magnata venezuelano ligado à construção, a retirar milhões de dólares da Venezuela, segundo o “Expresso“.

Segundo este jornal, que faz parte do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, os relatórios confidenciais dos FinCEN Files, uma investigação deste consórcio, demonstram que o BES Miami participava em esquemas fraudulentos que envolviam transferências de elevados fundos.

O artigo explica que o departamento de compliance do BES Miami, encarregue de detectar esquemas de lavagem de dinheiro, entregou à FinCEN, a autoridade norte-americana responsável por investigar este tipo de crimes de colarinho branco, dois relatórios segundo os quais Alejando Ceballos Jiménez estaria por trás da movimentação de mais de uma centena de milhões de dólares em 2013.

Os relatórios do departamento de compliance defendem que o magnata venezuelano conseguiu transferir para fora da Venezuela 116 milhões de dólares pagos pelo governo venezuelano através do BES Miami por serviços pouco fundamentados e relacionados com projetos habitacionais.

Alejando Ceballos Jiménez constituiu uma empresa, registada em Londres, a Sarleaf Limited, que tinha como supostos acionistas advogados na Suíça ligados a esquemas com branqueamento de capitais, anterioromente já divulgados pela imprensa. A Sarleaf abriu uma conta no BES Miami e o departamento de compliance apercebeu-se de que os verdadeiros beneficiários eram o próprio Alejandro Ceballos Jiménez, a sua mãe e irmãos.

Ora, foi à Sarleaf que a Venezuela pagou, ente abril de 2013 e janeiro de 2014, 146 milhões de dólares. O departamento de compliance do BES Miami apercebeu-se que saíram da conta da Sarleaf 116 milhões de dólares para outras contas no próprio BES Miami e para outros bancos de outros países em poucos meses.

Destes 116 milhões de dólares, 52,6 milhões foram transferidos para outras contas no BES Miami e 63,8 milhões foram transferidos para outros bancos. O filho do magnata venezuelano, Alejandro Andres Ceballos, recebeu 44 milhões de dólares. Deste dinheiro, metade foi para uma conta na Suíça detida pela empresa Wexford Services, registada no Panamá.

 

Relacionadas

Ricardo Salgado condenado a pagar 290 mil euros

Além do ex-presidente do BES, Amílcar Morais Pires foi condenado a pagar 100 mil euros também por violação de normas de prevenção de branqueamento de capitais.

Julgamento do BES: Defesa de Ricardo Salgado acusa BdP de “desleal e desonesto”

O juiz Sérgio Sousa marcou a leitura da sentença para o próximo dia 2 de setembro, dada a extensão do processo e a “necessidade de revisitar a prova documental e testemunhal”, tendo em conta a paragem imposta pela pandemia da covid-19 (desde o início de março) e a quantidade de serviço atualmente distribuído ao TCRS.

Ricardo Salgado insiste na parcialidade de Carlos Costa com parecer que pede nulidade de coimas

O parecer do ex-Provedor de Justiça (entre julho de 2013 e novembro de 2017) considera que as declarações feitas por Carlos Costa na conferência de imprensa da resolução do Banco Espírito Santo (BES), em agosto de 2014, e nas entrevistas ao Expresso (em fevereiro e março de 2016) e ao Público (em março de 2017) não lhe dão a “equidistância exigida entre o julgador e o arguido” e “destroem a aparência de imparcialidade que deve ter o julgador”.
Recomendadas

Governo lança Linha Retomar de mil milhões para crédito a empresas pós-moratórias

A medida pode beneficiar 23,8 mil empresas dos sectores mais afetados pela pandemia e que têm créditos em regime de moratória. Em montante estes créditos somam 8,4 mil milhões de euros, segundo os últimos dados do Banco de Portugal.

BPI emite 700 milhões de dívida para MREL e CaixaBank compra tudo

No final de junho, o BPI tinha um rácio MREL em percentagem dos RWA de 19,8% e cumpria com o requisito intermédio de MREL estabelecido para 1 de janeiro 2022, de 19,05%, sendo que após esta emissão o rácio MREL proforma em junho ascende a 23,6%.

Banco de Portugal não renova recomendação aos bancos sobre distribuição de dividendos

O BdP acaba com a suspensão de dividendos ou de prémios aos gestores, mas pede aos bancos que assegurarem que são retidos capitais próprios suficientes para fazer face a uma possível deterioração da qualidade dos ativos.
Comentários