BFF Banking Group aumentou lucros em 4% para 60,6 milhões

A rentabilidade dos apitais próprios tangíveis RoTE Ajustado subiu de 31% em setembro de 2018 para 33% em setembro de 2019.

O BFF Banking Group, banco italiano com presença em Portugal, aumentou os lucros em 4% para 60,6 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, o que compara com 58 milhões no mesmo período do ano passado.

Em comunicado enviado hoje às redações, a instituição adianta ainda que a margem financeira aumentou 2% até setembro, quando comparada com o mesmo período do ano passado.

Em termos de crédito a clientes, atingiu os 3.563 milhões de euros nos primeiros três trimestres do ano, “dos quais 37% fora de Itália”, o que compara com 32% no mesmo período em 2018.

“Os mercados internacionais (Espanha, Portugal, Polónia, Eslováquia, República Checa, Grécia, Croácia e França) totalizaram 37% dos empréstimos a clientes nos 9M19 [primeiros nove meses de 2019], uma subida face aos 32% no final de setembro de 2018”, pode também ler-se no comunicado.

Os resultados até setembro são também influenciados pela aquisição da IOS Finance, por um total de 26,4 milhões de euros, “inteiramente financiada por excesso de capital”.

Em termos de volume de negócio, aumentou 3% nos primeiros nove meses do ano face ao mesmo período de 2018, excluindo os dados da IOS Finance, sendo que “Itália e Portugal permaneceram inalterados” entre os dois períodos.

Quanto a ativos depreciados, o grupo registou uma diminuição de 41% nos três primeiros trimestres do ano face ao mesmo período de 2018, e 16% face ao final de 2018.

O banco informa ainda que “80% do total líquido de ativos depreciados estão direcionados ao setor público”.

Os rácios de capital total e CET1 (‘common equity tier 1’) foram de 15,8% e 11,2% até setembro, respetivamente.

Em outubro, a Moody’s atribuiu, pela primeira vez, uma notação de ‘rating’ de longo prazo à Banca Farmafactoring (BFF), de ‘Ba1’, com perspetiva positiva.

O grupo bancário BFF tem em Portugal créditos de 157 milhões de euros sobre entidades públicas, sobretudo na saúde, e quer expandir a atividade para compra de créditos sobre autarquias locais e municípios, disse à Lusa, em 11 de agosto, Nuno Francisco, responsável da entidade para Portugal.

A operar em Portugal desde 2014 e com uma sucursal desde o ano passado, o que o BFF Banking Group faz é comprar faturas (‘factoring’) que empresas privadas tenham sobre a administração pública, ficando a seu cargo cobrar e receber os montantes que o Estado tem em dívida.

Desde que atua em Portugal, segundo a informação disponibilizada, o grupo BFF já adquiriu mais de 300 milhões de euros em créditos sobre entidades da administração pública, sendo dos maiores credores do Estado português na área da saúde.

O BFF nasceu em 1985 em Itália, quando empresas farmacêuticas com elevadas quantias a cobrar sobre o Estado italiano se uniram e criaram um consórcio para fazer a gestão dessas cobranças, ganhando força pela escala.

Ler mais
Recomendadas

Novo Banco confirma que a venda carteira de malparado Nata II foi autorizada pelo Fundo de Resolução

O banco confirma assim a notícia avançada hoje pelo Jornal Económico. O Novo Banco já registou nas contas a venda da carteira de malparado ao fundo Davidson Kempner.

Regras da EBA sobre divulgação de malparado para bancos pequenos entram em vigor a 31 de dezembro

“O Conselho de Administração do Banco de Portugal aprovou a Instrução n.º 20/2019 que introduz no quadro normativo nacional as Orientações da Autoridade Bancária Europeia (EBA) sobre a divulgação de exposições não produtivas e exposições reestruturadas por parte das instituições de crédito menos significativas”, anuncia o supervisor bancário nacional.

PremiumAuditoria deverá deixar de fora venda da Tranquilidade por 40 milhões de euros

Apesar de o perímetro da auditoria da Deloitte ainda não estar concluído, o Jornal Económico sabe que a venda de ativos estará fora do âmbito da análise.
Comentários