Bielorrússia. Amnistia Internacional pede investigação a violência sobre manifestantes pacíficos

A Amnistia Internacional veio denunciar a constante violência pós eleitoral por parte da polícia na Bielorrússia, argumentando que “todas as formas de dissidência pacífica são brutalmente reprimidas”. A ONG vem assim pedir a libertação imediata de manifestantes pacíficos e ativistas políticos.

Valery Sharifulin/Getty

Depois da reeleição de Alexander Lukashenko, este domingo, os manifestantes na Bielorrússia saíram às ruas para exigir por um país mais democrático e denunciar os atos de violência e de fraudes no processo eleitoral. Segundo os resultados oficiais finais da votação, o chefe de Estado cessante, Alexander Lukashenko, há 26 anos no poder e que obteve o sexto mandato, recolheu 80,23% dos votos, enquanto a grande rival, a opositora Svetlana Tikhanovskaia, chegou aos 9,9%.

Face aos protestos resultantes desta reeleição, a Amnistia Internacional (AI) veio pedir a libertação imediata de manifestantes pacíficos e ativistas políticos, incluindo aqueles que foram detidos em processos com motivações políticas antes das eleições.

“Os confrontos que resultaram em ferimentos de manifestantes e polícias poderiam ter sido evitados se as forças de segurança tivessem respeitado o direito à liberdade de reunião pacífica e atuado com a devida moderação. A polícia agiu fora da lei e está lá para defendê-la”, aponta a diretora regional para a Europa Oriental e Ásia Central da Amnistia Internacional, Marie Struthers.

“Deve ser realizada uma investigação completa e eficaz sobre os terríveis acontecimentos da noite passada, para que todos os responsáveis ​​por violações de direitos humanos sejam levados à justiça”, defende a mesma responsável.

Nos protestos de domingo à noite, que degeneraram em confrontos com a política, um manifestante morreu e dezenas de outros ficaram feridos, segundo dados avançados pela organização não-governamental bielorrussa de defesa dos direitos humanos Viasca.

“Um jovem foi vítima de um traumatismo craniano depois de ter sido atingido por um veículo” das forças da ordem durante as manifestações no centro da cidade, disse a ONG através de um comunicado.

 

Ler mais
Relacionadas
Bielorrússia Lukashenko Svetlana Tikhanovskaya

Bielorrússia. Candidata da oposição pede a Lukashenko que ceda o poder

A candidata da oposição na Bielorrússia, Svetlana Tikhanovskaia, rejeitou esta segunda-feira os resultados oficiais das presidenciais de domingo e pediu ao Presidente, Alexander Lukashenko, considerado o vencedor, que ceda os comandos do país.

Polónia apela a cimeira extraordinária da UE após os protestos ocorridos na Bielorrússia

A Polónia apelou esta segunda-feira a uma cimeira extraordinária da União Europeia sobre a situação na Bielorrússia, após os protestos ocorridos na noite de domingo em Minsk contra os resultados das presidenciais.

Bielorrússia. Putin felicita Lukashenko pela vitória nas presidenciais

O Presidente russo, Vladimir Putin, enviou esta segunda-feira, felicitações ao homólogo bielorrusso, Alexander Lukashenko, proclamado vencedor das eleições de domingo, cujos resultados estão a ser contestados pela oposição.
Recomendadas

Rússia anuncia que vai cooperar com o Irão

O ministro das Relações Exteriores russo disse que o seu país iniciará imediatamente a cooperação com o Irão assim que o embargo sobre a venda de armas expirar – o que acontecerá em outubro.

Angola: Manuel Vicente denuncia manobra de diversão

O ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente negou ter-se apropriado de 193 milhões de euros da Sonangol, como denunciou o antigo gestor de Isabel dos Santos, e apelida a acusação de “indecorosa manobra de diversão”.

Orçamento da CPLP para 2021 terá “crescimento zero” mas redução de custos

O orçamento da organização, suportado pelas contribuições dos seus nove Estados-membros, foi de 2.734.731,15 euros para o exercício de 2020. O Conselho de Ministros extraordinário deve realizar-se entre 7 e 9 de dezembro.
Comentários