Bielorrússia: EUA não reconhecem Lukashenko como presidente “legitimamente eleito”

Os Estados Unidos “não podem considerar Alexander Lukashenko como o presidente legitimamente eleito da Bielorrússia”, declarou hoje o Departamento de Estado norte-americano, noticiou a AFP.

Aleksandr Lukashenko

“As eleições de 9 de agosto não foram nem livres nem justas. Os resultados anunciados foram manipulados e não conferem qualquer legitimidade”, afirmou à AFP um porta-voz da diplomacia norte-americana.

Lukashenko, cuja reeleição é fortemente contestada por milhares de pessoas em manifestações nas ruas do país, foi hoje empossado no cargo numa cerimónia em que prestou juramento em segredo para um sexto mandato e que só foi divulgada depois, o que provocou imediatamente uma nova manifestação da oposição na capital Minsk.

Washington apelou a um “diálogo nacional” que permita aos bielorrussos “usufruir do seu direito de escolher os seus dirigentes em eleições livres e justas sob observação internacional”.

“Libertar os detidos de forma injusta e pôr fim à repressão contra os cidadãos que se manifestam pacificamente deve ser uma primeira etapa em direção a um diálogo nacional sincero”, acrescentou o Departamento de Estado.

Segundo dados oficiais, Lukashenko foi reeleito com 80,1% dos votos nas eleições de 09 de agosto, resultado não reconhecido pela oposição ou pelo Ocidente e que desencadeou a maior vaga de protestos da história pós-soviética na Bielorrússia.

Após a posse, a oposição bielorrussa apelou aos protestos por tempo indeterminado.

“Nunca aceitaremos as fraudes e exigimos novas eleições”, disse Pavel Latushko, um dos líderes da oposição bielorrussa, numa mensagem publicada na rede social Telegram.

Latushko, ex-ministro da Cultura e membro do conselho de coordenação para a transferência pacífica do poder na Bielorrússia (entidade criada pela oposição), acrescentou que esta plataforma da oposição apela a todos a “uma ação de desobediência indefinida”.

A Bielorrússia tem sido palco de várias manifestações desde 09 de agosto.

Nos primeiros dias de protestos, a polícia deteve cerca de 7.000 pessoas e reprimiu centenas, suscitando protestos internacionais e ameaça de sanções.

Os Estados Unidos, a União Europeia (UE) e diversos países vizinhos da Bielorrússia rejeitaram a vitória eleitoral de Lukashenko e condenaram a repressão policial, exortando Minsk a estabelecer diálogo com a oposição.

A Alemanha já reagiu à tomada de posse de Lukashenko e afirmou que não a reconhece por “falta de legitimidade democrática”.

“Não foram preenchidas as exigências mínimas para eleições democráticas”, denunciou em conferência de imprensa o porta-voz do Governo alemão, Steffen Seibert, acrescentando que as contestadas eleições presidenciais de 09 de agosto na Bielorrússia “não foram nem justas nem livres”.

O Governo alemão apelou ainda, através do seu porta-voz, à “libertação de todos os presos políticos” e exortou as autoridades bielorrussas a prescindirem do uso da força contra os manifestantes.

Ler mais
Relacionadas

Lukashenko ordena ao Exército que defenda integridade territorial da Bielorrússia

O presidente bielorrusso visitou hoje as unidades militares destacadas em Grodno, na zona ocidental da Bielorrússia, próxima da fronteira com a Polónia, e local de vários protestos da oposição nas últimas semanas, tendo acusado os países ocidentais de estarem a querer impor “uma presidente alternativa” e de estarem a apoiar a oposição com meios militares.

“Viva ou em pedaços”. Líder dos protestos na Bielorrússia denuncia tentativa de deportação

Maria Kolesnikova conta que no sequestro de 7 de setembro, os três homens encapuzados ameaçaram-na de morte. “Os agentes de segurança proferiram ameaças à minha vida e saúde, que considerei reais”, contou.
Recomendadas

Anthony Fauci critica reação dos EUA à pandemia e politização das máscaras

“Na verdade, as pessoas são ridicularizadas por usarem máscara. Depende do lado particular do espetro político em que se encontram, o que é muito doloroso para mim como médico, cientista e funcionário da saúde pública”, frisou Fauci.

Reconfinamento nacional é ainda uma medida em minoria na Europa

Na Europa, apenas o País de Gales (Reino Unido) e a Irlanda voltaram a confinar toda a sua população antes do anúncio desta quarta-feira do Presidente francês, Emmanuel Macron.

Presidente venezuelano acusa EUA e Europa de atacar refinaria e diz que há gasolina para 20 dias

O Presidente Nicolás Maduro acusou hoje os EUA e a Europa de terem atacado “com uma arma poderosa” a refinaria venezuelana de Amuay e anunciou que a Venezuela conta apenas com reservas de gasolina para 20 dias.
Comentários