Bitcoin dispara 170% este ano e renova máximos históricos

A Bitcoin este ano já valorizou mais de 170%, impulsionada pelo apetite dos investidores que procuram ativos mais arriscados no contexto de estímulos económicos.

A criptmoeda Bitcoin atingiu esta segunda-feira uma cotação de 19.864,15 dólares e renovou máximos históricos, que tinham sido atingidos há quase três anos.

A Bitcoin este ano já valorizou mais de 170%, impulsionada pelo apetite dos investidores que procuram ativos mais arriscados no contexto de estímulos económicos.

À agência “Reuters“, Sergey Nazarov, co-fundador da Chainlink, uma rede descentralizada e especializada em tecnologia blockhain, disse que “a Bitcoin é um ativo refúgio natural para aqueles que procurem proteção da emissão do moeda por parte de bancos centrais e da inflação que todos concordam que já está a subir”.

A Bitcoin tem um historia volátil. Em 2017, a criptomeda ganhou mais de 250% em apenas 35 dias, tendo depois desvalorizado 70% em menos de dois meses depois de ter atingindo máximos em dezembro de 2017.

Relacionadas

PremiumCriptomoeda: Bitcoin, a moeda que quer imitar o ouro

Após a ascensão fulgurante seguida de uma espiral de queda em 2017, o valor da bitcoin voltou a disparar este ano mais de 150%. O apetite pelo risco, a entrada de investidores institucionais, a escassez de oferta e a perceção de que poderá tornar-se num ativo de reserva levou o preço para perto de máximos e do patamar 20 mil dólares por cada moeda.
Recomendadas

Wall Street encerra no verde em dia de tomada de posse do novo presidente dos EUA

A tendência de ganhos em Wall Street prossegue no dia de tomada de posse do novo presidente dos EUA, Joe Biden.

Bolsa de Lisboa é a única que cai na Europa

As valorizações da EDP Renováveis e da Galp de mais de 1% não evitaram a queda do índice lisboeta. Europa fecha no verde.

Wall Street abre em alta no dia da tomada de posse de Biden

Resultados da banca acima do esperado e sinal de que Joe Biden vai estimular a economia norte-americana está a animar a bolsa de Nova Iorque.
Comentários