Black Friday: portugueses deverão gastar menos este ano

A pandemia veio a limitar o orçamento dos portugueses para as festividades deste ano. Em média, o estudo da Deco conclui que, no período da Black Friday, os portugueses preveem gastar 180 euros. Já no Natal, a média do valor que os portugueses preveem gastar é maior: 264 euros.

Com a chegada e o impacto da pandemia, os consumos da Black Friday este ano deverão ser mais moderados.

De acordo com um inquérito conduzido pela Deco Proteste, divulgado esta segunda-feira, apenas 21% dos inquiridos preveem fazer compras no período da Black Friday deste ano (fim de semana de 27 a 29 de novembro), menos 20%, aproximadamente, face a 2019. Quanto ao Natal, os resultados, ainda que tenham diminuído, são mais animadores: 85% — 91% em 2019 — pretendem salvar o espírito natalício das garras da pandemia, dando presentes.

Dos 21% que pretende aproveitar as promoções do final deste mês, cerca de 60% admite ter intenções de gastar menos, enquanto que 10% prevê gastar mais do que em 2019. No entanto, no Natal, as percentagens dividem-se entre manter as despesas semelhantes às do ano anterior (52%) e diminuir os gastos (45%). Regra geral, a tendência é para poupar.

Em média, o estudo da Deco conclui que, no período da Black Friday, os portugueses preveem gastar 180 euros. Cerca de 50% dos inquiridos contam desembolsar até 100 euros, sendo que 29% pretende gastar mais de 200 euros. Já no Natal, a média do valor que os portugueses preveem gastar é maior: 264 euros. 30% preveem gastar até 100 euros e 40% conta gastar mais de 200 euros.

Três em cinco inquiridos admite limitações no orçamento

Questionados sobre até que ponto a crise da covid-19 limita os hábitos de compra, três em cada cinco inquiridos sente alguma ou mesmo uma grande limitação no orçamento disponível para fazer compras na Black Friday, bem como na quantidade de produtos a comprar. Mais de metade (53%) considera que a pandemia veio limitar muito a compra em lojas físicas.

No entanto, os hábitos de consumo de Natal, na ótica dos portugueses que participaram no inquérito, ficam ainda mais comprometidos devido à pandemia. Como tal, 65% considera que o orçamento disponível para fazer compras é mais limitado e, aproximadamente, a mesma percentagem prevê que a quantidade de produtos a comprar tenha limitações. Quanto à compra em lojas físicas, 84% considera que a pandemia veio limitar a visita a estes espaços.

O estudo da Deco verificou que os portugueses estão mais dispostos a abdicar de ir às lojas físicas na Black Friday do que no Natal. Só 9% preferem fazer as compras natalícias apenas a partir do sofá. Já 46% dos consumidores portugueses querem aderir ao formato online no fim de semana de compras mais aguardado do ano, muito por causa da pandemia que assolou o mundo.

De forma a proteger-se e manter o distanciamento físico, opte, sempre que possível, pelas compras online. Nesta altura, é igualmente importante ter em atenção à garantia dos produtos, especialmente eletrodomésticos e aparelhos tecnológicos.

Ler mais
Recomendadas

Maioria dos portugueses prefere produtos que utilizam a menor embalagem possível

O recente estudo, realizado pela DS Smith e Ipsos MORI mostra que, apesar da crise global de saúde, os consumidores continuam a ter em conta o ambiente: 85% dos inquiridos querem comprar produtos que utilizem a menor embalagem possível

Deco alerta para riscos das compras através de redes sociais

Estas “lojas”, na sua maioria, não se encontram registadas como empresas em Portugal, não possuem um endereço físico de contacto, e, por vezes, não se tratam de vendas de comerciantes, mas sim vendas entre particulares, o que torna mais difícil a resolução de um possível conflito. O endereço físico da loja, ou uma morada para contacto, é essencial para reclamar em caso de conflito.

Economia circular: portugueses gastam mais de 140 euros por ano em bens usados

Em média, o consumidor português gasta 142 euros por ano em bens usados. As razões que motivam estas compras são principalmente a relação qualidade/preço e a sustentabilidade.
Comentários