BlackRock doa 100 milhões a programa publico-privado de energias limpas fundado por Bill Gates

O foco inicial do programa será ajudar a acelerar o desenvolvimento e comercialização de quatro tecnologias ligadas à energia limpa: captação direta de ar, hidrogénio verde, armazenamento de energia de longa duração e combustível de aviação sustentável.

Eduardo Munoz/Reuters

A BlackRock Foundation doou 100 milhões de dólares (cerca de 85,4 milhões de euros) à Breakthrough Energy’s Catalyst Program com o objetivo de investir em tecnologias que pretendem alcançar a neutralidade carbónica até 2050.

O Breakthrough Energy Catalyst é um novo programa dentro da rede Breakthrough Energy, fundada por Bill Gates, que promove parcerias no sector público-privado para ajudar a construir a base de uma nova economia neutra em carbono.

O Catalyst reúne empresas, governos, instituições filantrópicas e indivíduos para investir em tecnologias climáticas que possibilitarão atingir a meta de zero emissões líquidas até 2050, explica o comunicado divulgado esta segunda-feira. Uma delas é a Boston Consulting Group (BCG) que anunciou que se juntou a outras seis empresas para se tornar num dos parceiros fundadores do Breakthrough Energy Catalyst.

O foco inicial do programa será ajudar a acelerar o desenvolvimento e comercialização de quatro tecnologias ligadas à energia limpa: captação direta de ar, hidrogénio verde, armazenamento de energia de longa duração e combustível de aviação sustentável.

“A transição para um mundo neutro em carbono e a criação de um futuro mais sustentável é uma responsabilidade partilhada por cada cidadão, empresa ou governo. Mobilizar 50 biliões de dólares [trillion em inglês] de capital necessário para financiar a transição energética global vai requerer parcerias inovadoras entre os setores público, privado e sem fins lucrativos”, disse Larry Fink, presidente e CEO da BlackRock. De acordo com o responsável, o investimento prolongar-se-á por cinco anos.

No início deste ano, a BlackRock arrecadou 250 milhões de dólares (cerca de 213 milhões de euros) para a Climate Finance Partnership (CFP), um consórcio de governos, instituições filantrópicas e investidores institucionais, para investir em geração de energia renovável, soluções de armazenamento de energia e transporte eletrificado serviços em mercados emergentes.

Desde que o Catalyst foi apresentado, no início deste ano, já foram anunciadas parcerias em grande escala com a União Europeia e com o Departamento de Energia dos Estados Unidos. O anúncio desta segunda-feira representa o primeiro grupo de organizações do setor privado a juntar-se formalmente à comunidade de parceiros do Catalyst.

“Evitar um desastre climático vai exigir uma nova revolução industrial”, cita o comunicado as declrações do fundador, Bill Gates. “Metade da tecnologia necessária para chegar às zero emissões ainda não existe ou é muito cara para grande parte do mundo. O Catalyst foi projetado para mudar isso e fornecer uma forma mais eficaz de investir no nosso futuro com tecnologia limpa”.

Recomendadas

Ibersol avança com aumento de capital que propicia encaixe até 40 milhões

A empresa que detém a Pizza Hut, KFC, Taco Bell e Burger King anunciou um aumento de capital num montante máximo de 40 milhões de euros. A empresa quer ainda distribuir 20% dos lucros anuais consolidados.

Galp entra no solar no Brasil com a compra de dois projetos de 594 megawatts

A Galp vai entrar nas renováveis no Brasil. A empresa portuguesa acordou a aquisição de dois projetos solares, com uma capacidade total de 594 megawatts de potência.

Goldman Sachs vê EDP a fechar terceiro trimestre com lucros de 505 milhões

Resultados da elétrica nos primeiros nove meses do ano ficariam acima dos 420 milhões do período homólogo de 2020, estima a Goldman Sachs. Mas com o EBITDA a descer, para os 2,48 mil milhões de euros.
Comentários