Bloco de Esquerda acusa Governo de travar apoios sociais enquanto aceita “esquema fraudulento” da EDP

Catarina Martins também recordou que o Executivo entregou um Programa de Estabilidade no Parlamento com mais de 400 milhões de euros para o Novo Banco, “apesar do que foi aprovado no Orçamento do Estado, porque aí os formalismos já não contam”.

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, acusou neste domingo o Governo de aceitar o “esquema fraudulento” para a EDP não pagar impostos e a injeção de dinheiro no Novo Banco, mas depois tentar “travar” o reforço dos apoios sociais no Tribunal Constitucional.

“Aceitou o esquema fraudulento para a EDP não pagar impostos, aceita injetar dinheiro no Novo Banco, mesmo quando as regras do Banco Central Europeu não o obrigam – e o Orçamento do Estado aprovado no Parlamento diz que não o deve fazer -, mas vai ao Tribunal Constitucional para tentar travar o reforço dos apoios sociais àqueles trabalhadores que perderam tudo com a pandemia”, afirmou Catarina Martins.

Falando na apresentação do deputado Luís Monteiro como candidato bloquista à Câmara de Vila Nova de Gaia, no Porto, a líder partidária referiu “não ser aceitável que o Governo seja tão forte na exigência quando corta nos apoios aos mais frágeis e seja tão distraído quando é tempo de fazer frente ao poder económico e fazer os que mais podem pagar aquilo que devem”.

“Ficamos hoje a saber que o mesmo Governo que não cobrou o imposto de selo à EDP – 110 milhões de euros na venda de seis barragens em Trás-os-Montes -, também não avaliou o valor da concessão e, portanto, não sabe sequer se poderia ter cobrado à EDP pelo lucro que fez com a passagem desta concessão”, criticou.

Catarina Martins sublinhou que o Governo não fez nenhuma das coisas que a lei obrigava no momento de cobrar o imposto à EDP e de perceber se tinha alguma coisa a haver com a concessão: “Disse que ia avaliar e não avaliou, já lá vai ano e meio”, reforçou.

Argumentando que num país “em que tanta gente vive com tanta dificuldade, não se pode aceitar que os mais poderosos possam fazer tudo”, considerou que esta forma de atuação “está no oposto da resposta justa” à crise.

“Este é o mesmo Governo que ficou tão zangado com o BE por dizer que o Novo Banco não devia receber mais injeções sem se conhecer a fatura e como as contas estavam a ser feitas, e que decidiu recorrer ao Tribunal Constitucional para tentar travar o alargamento dos apoios sociais que o Parlamento conseguiu por proposta do BE”, insistiu.

A coordenadora do BE recordou que, na quinta-feira, soube-se que o Governo tinha entregado no Tribunal Constitucional um pedido para se verificar a constitucionalidade da lei que alargou os apoios sociais porque “os formalismos são tudo”. Mas, nesse dia, “esse mesmo Governo entregou um Programa de Estabilidade no Parlamento com mais de 400 milhões de euros para o Novo Banco, apesar do que foi aprovado no Orçamento do Estado, porque aí os formalismos já não contam”, vincou Catarina Martins, concluindo que “a fatura não é para ser vista e ao Novo Banco paga-se sempre”.

Ler mais
Recomendadas

António Costa regressa hoje ao Parlamento para um novo debate sobre política geral

O quarto debate sobre política geral no Parlamento acontece numa altura em que a atualidade política tem sido marcada pela situação dos imigrantes em Odemira e os sucessivos pedidos de demissão do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita. As contas do Novo Banco e a pandemia são outras questões que poderão vir a ser levantadas pelos deputados ao primeiro-ministro.

Da amnésia nas CPIs à dimensão do movimento #MeToo em Portugal. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Costa diz serão retiradas as “devidas consequências políticas” se vir trabalho feito em Odemira

O primeiro-ministro considerou, esta quarta-feira, que se, no início do próximo ano, regressar a Odemira e já observar trabalho feito para “habitação condigna” de trabalhadores agrícolas, isso significará que o Governo retirou “as devidas consequências políticas” da atual situação.
Comentários