Bloco de Esquerda pede ao Governo versão integral da auditoria ao Novo Banco

Requerimento da deputada Mariana Mortágua alega que relatório integral da auditoria especial ao Novo Banco é “fundamental para a compreensão dos prejuízos que têm conduzido a avultadas injeções de capitais públicos no antigo BES”.

Cristina Bernardo

O Bloco de Esquerda pediu ao Governo a versão integral da auditoria ao Novo Banco nesta terça-feira através de um requerimento endereçado ao presidente da Comissão de Orçamento e Finanças, Filipe Neto Brandão

“Ao abrigo das disposições regimentais e constitucionais, o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda requer, com caráter de urgência, o envio à Assembleia da República do relatório da auditoria especial ao Novo Banco na sua versão integral, incluindo a lista de entidades codificadas”, lê-se no documento.

No texto assinada pela deputada Mariana Mortágua, o Bloco de Esquerda pede também “a divulgação pública imediata do relatório de auditoria especial ao Novo Banco, na sua versão atual”.

“O relatório da auditoria especial ao Novo Banco é fundamental para a compreensão dos prejuízos que têm conduzido a avultadas injeções de capitais públicos no antigo Banco Espírito Santo (BES)”, garante o Bloco de Esquerda, considerando que os deputados devem “ter acesso a todas as informações relevantes, mas também transparência no processo”.

“Por um lado, o relatório foi expurgado de informações importantes relativas às entidades envolvidas nas operações de crédito do BES e Novo Banco. Por outro, e apesar de não conter nomes ou outras informações de carácter sensível, a sua classificação enquanto “confidencial” impede, de forma injustificada, a sua divulgação”, aponta o Bloco de Esquerda.

A ausência de informação foi destacada, em declarações a jornalistas na Assembleia da República, por Mariana Mortágua nesta terça-feira, garantindo que a auditoria “não tem uma resposta, neste momento, para a gestão privada do Novo Banco, em que os prejuízos são pagos com dinheiro do Estado”.

“O Parlamento continua sem saber, quando analisa operações de crédito efetuadas pelo BES e por Ricardo Salgado, quem foram os clientes que beneficiaram dessas condições de crédito”, disse Mariana Mortágua.

Apesar dessa falta de dados, foi possível à deputada do Bloco de Esquerda concluir que “o negócio foi ruinoso do princípio ao fim, [a auditoria] confirma que foram tomadas más decisões políticas, confirma obviamente a responsabilidade da anterior gestão do BES e de Ricardo Salgado”.

Na madrugada desta terça-feira, a Deloitte divulgou a auditoria que esteve a realizar aos atos de gestão no BES e Novo Banco, que abrange um período de 18 anos. No documento enviado ao Ministério Público, é revelado que entre 4 de agosto de 2014 e 31 de dezembro de 2018 o banco perdeu 4.042 milhões de euros em 283 operações.

Ler mais
Relacionadas

Novo Banco: Deputados querem saber o que podem (e não podem) divulgar da auditoria

Auditoria da Deloitte a 18 anos de gestão do BES/Novo Banco será divulgada depois de serviços jurídicos do Parlamento e Governo indicarem o que é confidencial e as informações que podem ser desclassificadas. Pretende-se tornar público o relatório sem as informações consideradas sigilosas que obrigam os deputados a cumprir as regras do segredo bancário.

Bloco de Esquerda diz que auditoria ao Novo Banco “confirma que foram tomadas más decisões políticas”

Mariana Mortágua afirma que a auditoria não responde a todas as perguntas sobre o banco e refere que a Assembleia da República “tem de ter todos os dados para poder analisar o que se passou”, incluindo “nomes de empresas, nomes de devedores e de empresas que já tiveram as operações reestruturadas e perdoadas”.
Recomendadas

Parlamento discute hoje e vota referendo sobre a eutanásia na sexta-feira

O parlamento discute hoje e vota na sexta-feira uma proposta de referendo sobre a eutanásia, que divide direita e esquerda, mas em que há um bloco maioritário para a “chumbar”, do PS, BE, PCP, PAN e PEV.

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus na AR para dois por semestre

O Presidente da República promulgou hoje o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por semestre.
Comentários