Lisboa é das piores cidades europeias para andar de trotinete

A Bloomberg escreveu que a deterioração das trotinetes é “inevitável”, sobretudo, pelo desgaste ou avaria das rodas após o uso intensivo destes veículos em calçada.

A cidade de Lisboa está entre as piores da Europa para andar de trotinete por causa das ruas de calçada. Apesar desta dificuldade, a calçada não evitou a expansão das empresas de micromobilidade na capital portuguesa. Para combater isto, as empresas estão a investir mais em modelos de trotinete com materiais mais robustos.

“Lisboa é bastante difícil para andar de trotinete”, disse o diretor executivo da Wind, Eric Wang, citado pela “Bloomberg”. O responsável desta empresa de mobilidade suave frisou que existem ciclovias, mas fora dessas vias o piso é “bastante calcetado e irregular”. Lisboa é uma das cidades europeias mais antigas e, por isso, as ruas da capital preservam uma calçada centenária, compreensivelmente, imprópria para veículos de duas rodas como trotinetes.

As empresas que apostaram na trotinete como meio de transporte alternativo urbano apostaram nas cidades europeias mais turísticas como Lisboa ou Paris. No caso da capital portuguesa, apesar de existir uma ciclovia com uma rede de 90 quilómetros, grande parte dos utilizadores destes novos transportes movimentam-se em zonas de ruas estreitas onde a calçada portuguesa é o piso.

A calçada portuguesa nas ruas de Lisboa não só dificulta a mobilidade em trotinete, como também dificulta a passagem de carrinhas das empresas de mobilidade alternativa para recolha dos veículos.

“Às vezes temos de usar o metro para chegar aos veículos e recolhê-los”, contou o co-fundador da Circ, Carlos Bhola.

O município lisboeta definiu, desde o surgimento da nova tendência de mobilidade, zonas vermelhas onde as trotinetes não podem ser utilizadas, nomeadamente, no Bairro Alto e na zona do Castelo, contudo há muitas mais zonas onde a calçada portuguesa é a razão da degradação destes novos veículos.

A Bloomberg escreveu que a deterioração das trotinetes é “inevitável”, sobretudo, pelo desgaste ou avaria das rodas após o uso intensivo destes veículos em calçada.

A solução encontrada pelas empresas de micromobilidade está no fabrico de modelos próprios para pisos difíceis. A Lime, por exemplo, apostou em trotinetes com rodas maiores e suspensão robusta. A Bird – outro exemplo – tem trotinetes com material mais robusto e resistente, o que resulta em trotinetes mais pesadas.

Também como resposta, as empresas de mobilidade alternativa procuram modelos de trotinetes com uma vida útil de dois anos, pelo menos.

De acordo com plataforma Partilha Lisboa, há nas ruas de Lisboa cinco mil trotinetes.

Ler mais
Relacionadas

Bicicletas e trotinetes podem integrar rede de transportes públicos em Lisboa

Esta é uma ideia que parte da receptividade da cidade de Lisboa às empresas que estão a oferecer novos meios de transportes, apontou o vereador para a Mobilidade e Segurança da Câmara Municipal de Lisboa ao Jornal Económico.

Jump: “Gostaria que houvesse mais ciclovias” em Lisboa

Lisboa atravessa “revolução de mobilidade” que se traduz na aposta das empresas de micromobilidade em bicicletas e trotinetes. Diretor-geral da Jump diz que o “foco do investimento” no setor tem sido a trotinete e pede mais ciclovias na capital.

“As trotinetes são um facto e não se vão embora”

“As trotinetes são um facto e não se vão embora”, sublinhou o diretor-geral, referindo ainda que os carros vão acabar por desaparecer para favorecer a micro-mobilidade que tem surgindo nos últimos tempos.

Trotinetas elétricas já chegaram a nove cidades e vilas portuguesas

Lisboa, Almada, Cascais, Faro, Coimbra, Maia, Gondomar, Figueira da Foz e Matosinhos são os nove municípios que já acolhem esta forma de mobilidade.
Recomendadas

Governo investiu 388 milhões de euros ao abrigo do Fundo Ambiental em 2019

O Fundo Ambiental foi criado em 2016, entrando em vigor em 2017, para apoiar políticas de desenvolvimento sustentável, contribuindo para o cumprimento de compromissos nacionais e internacionais, relativos às alterações climáticas, aos recursos hídricos, aos resíduos, à conservação da natureza e à biodiversidade.

Presidência da Eurorregião Alentejo-Algarve transita para a Andaluzia

O presidente Junta da Andaluzia, Juan Moreno, lidera agora a eurorregião Alentejo-Algarve-Andaluzia – a designada EuroAAA -, defendendo que esta estrutura deve ter maior ambição na Europa. Já anunciou que quer albergar a próxima Cimeira Ibérica Espanha-Portugal

Conferência que começou como acidente quer mudar as cidades

“Depois de anunciarmos, alugámos um espaço onde cabiam 200 pessoas mas nunca pensámos encher. No fim, acabámos com mais de mil pessoas de mais de 30 países”, afirma o fundador do projeto.
Comentários