BMW acredita nos elétricos mas avisa: “Motores de combustão interna ainda têm décadas de vida”

O representante da BMW considerou que o foco para o futuro deverá estar nos carros elétricos, sem esquecer o investimento nos automóveis com motor a combustão que em 2025 ainda vão representar 70% das vendas.

Cristina Bernardo

O diretor-geral da BMW, Massimo Senatore, avançou esta quarta-feira, 23 de agosto, que a marca automóvel esta atenta a um crescimento “muito significativo” do segmento dos elétricos e que esta opção poderá sair valorizada desta pandemia, declarações proferidas durante o “Portugal Smart Cities 2020”, evento que conta com o “Jornal Económico” como media partner. No entanto, este responsável acredita que os modelos com motores de combustão interna ainda “têm décadas de vida”.

“A cada mês estamos a ver um crescimento muito significativo das vendas dos carros elétricos, esta é a verdade. Estamos confiantes que também a consciencialização dos consumidores para as questões ambientais irá sair reforçada desta pandemia”, apontou o diretor-geral da BMW sublinhando que “esta paragem mundial mostrou-nos o efeito positivo no meio ambiente com um visível redução das emissões”.

No entanto, “apesar do compromisso reforçado com quantificação dos veículos seja híbridos ou totalmente elétrico, estes podem parecer estar a dominar o mercado , é verdade, mas os tradicionais motores de combustão interna ainda têm décadas de vida”, contou Massimo Senatore.

“Esta mudança para a eletrificação vai demorar algum tempo, quando assumimos que o melhor cenário no futuro corresponde a 25-30% de venda de veículos elétricos no ano de 2025 temos 70% dos carros com motor a combustão”, apontou o responsável pela BMW. “Mais um motivo para continuar a também a investir em tecnologias de combustão”, acrescentou.

Segundo Massimo Senatore o foco, no futuro, deverá estar nos carros elétricos, mas não descurar os automóveis com motor a combustão, onde a BMW continua a investir tendo melhorado ao longo dos anos “a eficiência dos motores de combustão interna” que têm menos emissões de gases poluentes do que tinham há uns anos.

Relacionadas

“É obrigatório insistir nos objetivos do Pacto Ecológico Europeu”, diz secretária de Estado do Ambiente

Inês dos Santos Costa referiu esta quarta-feira que os decisores políticos e empresariais, cientistas e estudantes têm a responsabilidade de defender um modelo económico ambientalmente responsável e socialmente inclusivo. Declarações proferidas na ‘Portugal Smart Cities Summit 2020, que decorre até quinta-feira no Centro de Congressos de Lisboa e que conta com o Jornal Económico como media partner.

João Galamba: “Introdução do hidrogénio aumenta o valor económico de cada euro investido em eletricidade”

O secretário de Estado Adjunto e da Energia considera que existe uma relação simbiótica entre a eletrificação e o hidrogénio verde. “Se fossemos a Polónia, a República Checa ou Arábia Saudita provavelmente as decisões não seriam tão simples, mas Portugal não produz carvão e não extrai petróleo nem gás. É mais fácil”, disse, na abertura do segundo dia da Portugal Smart Cities Summit.
Recomendadas

Logística e inovação. Como a pandemia está a transformar o sector farmacêutico? Veja a web conference com a presença de Adalberto Campos Fernandes

Logística, inovação e lições para o futuro. A pandemia transformou todos os sectores de atividade e está a ter especial incidência no setor farmacêutico. Veja a web conference do setor farmacêutico com a participação especial de Adalberto Campos Fernandes, ex-ministro da Saúde.

Logística e inovação. Como a pandemia está a transformar o setor farmacêutico? Veja a webconference esta sexta-feira às 15h00

Logística, inovação e lições para o futuro. A pandemia transformou todos os setores de atividade e está a ter especial incidência no setor farmacêutico. Esta sexta-feira, a partir das 15h00, veja a webconference do setor farmacêutico no site e nas redes sociais do Jornal Económico.

“Direito de desconexão poderá ser um mecanismo interessante”, defende coordenador da área laboral da PLMJ

As refeições e o trabalho são feitos no mesmo espaço físico, mas é necessário existir uma separação e equilíbrio entre a vida pessoal e profissional para evitar um burnout. A advogada Carmo Sousa Machado defende que no futuro se vão verificar “consequências inevitáveis” do teletrabalho.
Comentários