BNA não concede licença ao banco digital angolano Dubank

O banco central de Angola informou que “não foi atribuída qualquer licença, nem está em apreciação formal” junto do regulador bancário.

O Banco Nacional de Angola (BNA) emitiu esta terça-feira um comunicado para esclarecer sobre atribuição de licença ao “BANCO DUBANK, S.A”. No documento, o banco central angolano conta que tomou conhecimento através da imprensa local de que teria atribuído respetiva licença a essa instituição financeira.

“Sobre este assunto, cumpre-nos o dever de informar o público em geral que não foi atribuída qualquer licença, nem está em apreciação formal junto do Banco Nacional de Angola qualquer processo de constituição da supramencionada “entidade”, esclarece o banco central de Angolana, acautelando às instituições financeiras bancárias “que se abstenham de estabelecer qualquer relação de negócio com a mesma, bem como aos promotores de se absterem de praticar qualquer ato passível de ser qualificado como prática ilegal de atividade bancária”.

Por fim, o BNA informa que as entidades autorizadas a exercerem a atividade bancária, podem ser consultadas na página institucional do mesmo.e

Em meados de janeiro, o CEO do Dubank Angola, Sérgio Hirose, disse que os requisitos legais, exigidos pelo BNA (desde o capital social, estrutura, balanço, transparência, entre outros) para abertura de um banco convencional, já foram cumpridos, aguardando-se apenas o aval do órgão regulador da atividade bancária neste país africano.

O gestor explicou que o investimento está a ser feito desde abril de 2019, com a instalação de plataforma, sistemas tecnológicos. A ideia é ter um serviço de apoio ao cliente e, como é digital, poderá chegar a toda parte de Angola, onde tenha internet, e a partir de 2G pode ser feita a transação bancária.

Recomendadas

Chineses desistem de comprar o BNI Europa

O contexto de incerteza na economia global causada pela pandemia da Covid-19 levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. Negócio estava alinhavado desde dezembro de 2017.

Empresas vão receber 150 milhões de euros do Novo Banco nos próximos dias ao abrigo da linha capitalizar Covid-19

O banco liderado por António Ramalho referiu, em comunicado, que os primeiros 150 milhões de euros que serão concedidos às empresas que são clientes da instituição financeira já têm os respectivos processos “em fase final de assinatura digital”.

Fidelidade vai manter serviço de esclarecimento jurídico após críticas de advogados

O Conselho Regional da Ordem dos Advogados disse que a oferta era ilícita, mas a companhia de seguros considera a posição precipitada e esclarece que se insere “no âmbito da cobertura de proteção jurídica disponibilizada por inúmeras seguradoras, em Portugal e no estrangeiro, a milhões de clientes”.
Comentários