BNI Europa com lucros de 2,7 milhões no semestre

O banco liderado por Pedro Pinto Coelho recuperou dos prejuízos de 2016 no primeiro semestre. O produto Bancário cresceu 146,2%, fixando-se em 6,6 milhões, com o resultado líquido a atingir os 2,7 milhões de euros.

Os ativos do Banco BNI Europa cresceram 36,7% no semestre, atingindo quase 500 milhões de euros. O produto Bancário cresceu 146,2%, fixando-se em 6,6 milhões, com o resultado líquido a atingir os 2,7 milhões, permitindo recuperar dos prejuízos de 2016, começa por revelar o banco em comunicado.

O banco que pertence ao grupo angolano BNI, tem-se afirmado como banco digital em Portugal.

Um ano e meio após o início de atividade, e com a equipa de gestão reforçada, o BNI Europa realça que “procedeu a alterações relevantes na sua estratégia, focando-se em negócios e produtos inovadores. Condicionado pela sua estrutura limitada de recursos, o Banco BNI Europa desenvolveu parcerias com Fintech’s, tendo como objetivo acelerar o crescimento e a oferta de produtos e serviços”.

Pedro Pinto Coelho, CEO do Banco BNI Europa diz em comunicado que este resultado “foi um feito assinável pela equipa ter-se alcançado a rentabilidade em tão curto período de tempo. O Banco BNI Europa demonstra assim que é possível alcançar o sucesso abrindo as suas plataformas ao mercado, ao invés de se centrar exclusivamente em soluções construídas internamente”.

O BNI Europa tem vindo a destacar-se por oferecer atrativos produtos de depósito a prazo e conta à ordem remunerada. Em 2017 lançou o “Cereja” com Crédito Inverso, produto destinado ao segmento sénior, assim como, mais recentemente, a plataforma de crédito ao consumo online “Puzzle”.

“O Banco tem também vindo a especializar-se na gestão de soluções alternativas de captação de recursos e de crédito, tendo já estabelecido parcerias com 12 Fintech’s europeias, através das quais disponibiliza depósitos a prazo e financia operações de crédito em diversas jurisdições europeias. As operações de crédito financiadas incluem crédito ao consumo a particulares e estudantes, crédito a PME’s, incluindo-se factoring e financiamento imobiliário”, diz o comunicado da instituição.

“O BNI Europa continuará a focar-se na inovação e parceria com Fintech’s, pretendendo lançar até ao final do ano quatro novos produtos de  crédito ao consumo e crédito a PME’s”, avança o banco.

 

Ler mais
Recomendadas

Prolongado regime especial para pagamento de seguros

Este regime, que permite alterações aos pagamentos mas também o alargamento de seguros obrigatórios, foi alargado pelo Governo, tal como foi estendido o prazo das moratórias, até 30 de setembro de 2021.

BCE quer vender crédito malparado através de um ‘site’ e evitar grandes descontos

O ‘site’ será configurado ao estilo das plataformas da Amazon ou do e-Bay e objetivo O objetivo passa por abrir o mercado a outros interessados que não os grandes fundos a nível mundial e também por evitar que estes ativos sejam vendidos com desconto.

CEO da JP Morgan diz que criação de imposto sobre fortuna é “quase impossível”

“Não sou contra impostos mais elevados para os ricos. Mas acho que fazê-lo através dos rendimentos, em vez de calcular a riqueza, torna-se extremamente complicado, legalista, burocrático e regulatório, e as pessoas encontram um milhão de formas para escapar a essa situação”, explica Jamie Dimon.
Comentários