BNI Europa com lucros de 2,7 milhões no semestre

O banco liderado por Pedro Pinto Coelho recuperou dos prejuízos de 2016 no primeiro semestre. O produto Bancário cresceu 146,2%, fixando-se em 6,6 milhões, com o resultado líquido a atingir os 2,7 milhões de euros.

Os ativos do Banco BNI Europa cresceram 36,7% no semestre, atingindo quase 500 milhões de euros. O produto Bancário cresceu 146,2%, fixando-se em 6,6 milhões, com o resultado líquido a atingir os 2,7 milhões, permitindo recuperar dos prejuízos de 2016, começa por revelar o banco em comunicado.

O banco que pertence ao grupo angolano BNI, tem-se afirmado como banco digital em Portugal.

Um ano e meio após o início de atividade, e com a equipa de gestão reforçada, o BNI Europa realça que “procedeu a alterações relevantes na sua estratégia, focando-se em negócios e produtos inovadores. Condicionado pela sua estrutura limitada de recursos, o Banco BNI Europa desenvolveu parcerias com Fintech’s, tendo como objetivo acelerar o crescimento e a oferta de produtos e serviços”.

Pedro Pinto Coelho, CEO do Banco BNI Europa diz em comunicado que este resultado “foi um feito assinável pela equipa ter-se alcançado a rentabilidade em tão curto período de tempo. O Banco BNI Europa demonstra assim que é possível alcançar o sucesso abrindo as suas plataformas ao mercado, ao invés de se centrar exclusivamente em soluções construídas internamente”.

O BNI Europa tem vindo a destacar-se por oferecer atrativos produtos de depósito a prazo e conta à ordem remunerada. Em 2017 lançou o “Cereja” com Crédito Inverso, produto destinado ao segmento sénior, assim como, mais recentemente, a plataforma de crédito ao consumo online “Puzzle”.

“O Banco tem também vindo a especializar-se na gestão de soluções alternativas de captação de recursos e de crédito, tendo já estabelecido parcerias com 12 Fintech’s europeias, através das quais disponibiliza depósitos a prazo e financia operações de crédito em diversas jurisdições europeias. As operações de crédito financiadas incluem crédito ao consumo a particulares e estudantes, crédito a PME’s, incluindo-se factoring e financiamento imobiliário”, diz o comunicado da instituição.

“O BNI Europa continuará a focar-se na inovação e parceria com Fintech’s, pretendendo lançar até ao final do ano quatro novos produtos de  crédito ao consumo e crédito a PME’s”, avança o banco.

 

Recomendadas

Commerzbank agrava prejuízos para 394 milhões de euros no primeiro semestre

O Commerzbank, segundo maior banco comercial privado da Alemanha, informou que as receitas totais melhoraram no primeiro semestre para 4.353 milhões de euros (+5,5%).

Novo Banco, BCP, Caixa Geral de Depósitos e Santander recusaram apoio à Dielmar (com áudio)

A administração da Dielmar fez saber a 2 de agosto que pediu a insolvência da empresa de vestuário, ao fim de 56 anos de atividade. A decisão foi justificada com os efeitos da pandemia. Mas antes a empresa procurou ajuda junto da banca nacional, que recusou ajudar por falta de garantias.

HSBC mais do que triplica lucros para 6.129 milhões de euros no primeiro semestre

Na apresentação de resultados que o grupo remeteu à bolsa de Hong Kong, onde está cotado, o presidente executivo, Noel Quinn, afirmou que os resultados refletem que se “regressou ao crescimento” nos principais mercados do banco.
Comentários