BNI Europa e Raisin assinam acordo comercial

O Banco BNI Europa e a Raisin, celebraram um novo acordo para permitir que os portugueses tenham acesso a produtos de poupança europeus fornecidos pela Raisin, entidade líder no fornecimento de produtos simples de poupança.

Foto cedida

“A partir de hoje, os aforradores portugueses podem diversificar as suas poupanças abrindo e gerindo depósitos a prazo em toda a Europa, com a possibilidade de constituírem depósitos a prazo com taxas de juro atrativas, uma ótima alternativa para administrar sua liquidez ”, diz o Presidente da Comissão Executiva do Banco BNI Europa, Pedro Pinto Coelho.

Assim, através do site do Banco BNI Europa, os aforradores portugueses terão acesso à Raisin e aos seus bancos parceiros em toda a Europa.

“Esta colaboração é a primeira do género a entrar em funcionamento no mercado português”, diz o banco em comunicado.

Pedro Pinto Coelho diz que  os clientes do banco “na plataforma Raisin, têm a possibilidade de pesquisar o país, o banco e o produto onde pretendem aplicar as suas poupanças cumprindo simultaneamente os diversos procedimentos de abertura de conta em países estrangeiros. Essa cooperação é um passo à frente em nossa estratégia do Challenger Bank de oferecer produtos inovadores, rápidos e fáceis de usar para os particulares residentes em Portugal”.

Já Tamaz Georgadze, CEO e co-fundador da Raisin afirmou na mesma nota que “estamos muito satisfeitos por aprofundar ainda mais a nossa cooperação com o Banco BNI Europa e com as novas possibilidades que se abrem para os aforradores em Portugal, permitindo-lhes uma escolha mais ampla de onde depositar o seu dinheiro.”

“A integração do serviço da Raisin com o Banco BNI Europa vem na sequência de uma série de outras parcerias estabelecidas em toda a Europa, como o lançamento bem-sucedido no início de 2018 com o BinckBank da Holanda e com o N26, em 2017”,

Recomendadas

Banco italiano Intesa Sanpaolo sobe lucros para 3.023 milhões no primeiro semestre

As receitas ascenderam a 10.674 milhões de euros, mais 1,7% em comparação com os 10.494 milhões de euros obtidos no primeiro semestre de 2020, e os custos foram de 5.255 milhões de euros, menos 2,7%

Banco Angolano de Investimentos aliena participações sociais na Griner e Novinvest por 13 milhões

Estas operações inserem-se na estratégia de separação de atividade financeiras e não financeiras do grupo BAI, permitindo, simultaneamente, a criação e desenvolvimento de grupos não financeiros angolanos que contribuam para o crescimento do país.

Commerzbank agrava prejuízos para 394 milhões de euros no primeiro semestre

O Commerzbank, segundo maior banco comercial privado da Alemanha, informou que as receitas totais melhoraram no primeiro semestre para 4.353 milhões de euros (+5,5%).
Comentários