BNI Europa e Raisin assinam acordo comercial

O Banco BNI Europa e a Raisin, celebraram um novo acordo para permitir que os portugueses tenham acesso a produtos de poupança europeus fornecidos pela Raisin, entidade líder no fornecimento de produtos simples de poupança.

Foto cedida

“A partir de hoje, os aforradores portugueses podem diversificar as suas poupanças abrindo e gerindo depósitos a prazo em toda a Europa, com a possibilidade de constituírem depósitos a prazo com taxas de juro atrativas, uma ótima alternativa para administrar sua liquidez ”, diz o Presidente da Comissão Executiva do Banco BNI Europa, Pedro Pinto Coelho.

Assim, através do site do Banco BNI Europa, os aforradores portugueses terão acesso à Raisin e aos seus bancos parceiros em toda a Europa.

“Esta colaboração é a primeira do género a entrar em funcionamento no mercado português”, diz o banco em comunicado.

Pedro Pinto Coelho diz que  os clientes do banco “na plataforma Raisin, têm a possibilidade de pesquisar o país, o banco e o produto onde pretendem aplicar as suas poupanças cumprindo simultaneamente os diversos procedimentos de abertura de conta em países estrangeiros. Essa cooperação é um passo à frente em nossa estratégia do Challenger Bank de oferecer produtos inovadores, rápidos e fáceis de usar para os particulares residentes em Portugal”.

Já Tamaz Georgadze, CEO e co-fundador da Raisin afirmou na mesma nota que “estamos muito satisfeitos por aprofundar ainda mais a nossa cooperação com o Banco BNI Europa e com as novas possibilidades que se abrem para os aforradores em Portugal, permitindo-lhes uma escolha mais ampla de onde depositar o seu dinheiro.”

“A integração do serviço da Raisin com o Banco BNI Europa vem na sequência de uma série de outras parcerias estabelecidas em toda a Europa, como o lançamento bem-sucedido no início de 2018 com o BinckBank da Holanda e com o N26, em 2017”,

Ler mais
Recomendadas

Prolongado regime especial para pagamento de seguros

Este regime, que permite alterações aos pagamentos mas também o alargamento de seguros obrigatórios, foi alargado pelo Governo, tal como foi estendido o prazo das moratórias, até 30 de setembro de 2021.

BCE quer vender crédito malparado através de um ‘site’ e evitar grandes descontos

O ‘site’ será configurado ao estilo das plataformas da Amazon ou do e-Bay e objetivo O objetivo passa por abrir o mercado a outros interessados que não os grandes fundos a nível mundial e também por evitar que estes ativos sejam vendidos com desconto.

CEO da JP Morgan diz que criação de imposto sobre fortuna é “quase impossível”

“Não sou contra impostos mais elevados para os ricos. Mas acho que fazê-lo através dos rendimentos, em vez de calcular a riqueza, torna-se extremamente complicado, legalista, burocrático e regulatório, e as pessoas encontram um milhão de formas para escapar a essa situação”, explica Jamie Dimon.
Comentários