BNI vai financiar cursos de programação tecnológica dados pela Academia do Código

A parceria pretende para responder à elevada taxa de desemprego qualificado e à considerável oferta de emprego nas áreas de Tecnologias de Informação com a missão de, até 2020, requalificar e alocar 10.000 candidatos ao mercado de trabalho.

Foto cedida

O BNI lançou uma parceria com uma start-up da área da formação, a Academia do Código.

Esta parceria é para formar programadores de Tecnologias de Informação. Este projecto pretende converter desempregados ou profissionais de outras áreas em programadores.

O papel do banco é o de financiador dos cursos.

“Esta parceria permitirá oferecer um curso intensivo de código de 14 semanas, associado a uma solução de crédito com condições especiais de pagamento, e tornar possível o ingresso nesta formação a todos os interessados que, por limitações financeiras, não têm oportunidade de o fazer”, diz o banco em comunicado.

“Neste momento, estão abertas inscrições para 60 vagas distribuídas pelos 3 novos bootcamps a decorrer em Lisboa, no Fundão e na Ilha Terceira”, avança ao BNI.

Segundo João Magalhães, cofundador da <Academia de Código_>, “A parceria com a Puzzle, por enquanto apenas aplicável ao curso de Lisboa, vem permitir, que as portas do bootcamp se abram a qualquer pessoa que tenha vontade de se converter num programador, com um emprego garantido.”

O banco acordou a disponibilização de uma solução de financiamento Puzzle com taxas bonificadas, maturidades longas e um período de carência de capital que permite que os formandos só iniciem a liquidação do crédito após o terem terminado o curso, que tem a duração de 4 meses, e quando já estiverem no mercado de trabalho.

O Puzzle é a marca de um crédito totalmente online de aprovação quase imediata, que abrange valores entre 300 euros a 3.000 euros.

Segundo a <Academia de Código_> a taxa de empregabilidade dos seus cursos situa-se já nos 96%.

A parceria pretende para responder à elevada taxa de desemprego qualificado e à considerável oferta de emprego nas áreas de Tecnologias de Informação com a missão de, até 2020, requalificar e alocar 10.000 candidatos ao mercado de trabalho e combater a iliteracia digital em Portugal.

Pedro Pinto Coelho, Presidente Executivo do Banco BNI Europa, refere no comunicado que “o banco tem apostado firmemente no desenvolvimento de parcerias com start-ups focadas no apoio à inovação e esta colaboração com a <Academia de Código_> permite, não só continuar a seguir esta linha estratégica, como aliar uma vertente de apoio social, facilitando o acesso a este curso intensivo e contribuindo para o desenvolvimento do conhecimento digital em Portugal.”.

O BNI Europa sofreu um recente revés. O Banco de Portugal travou o crédito Cereja do Banco BNI Europa, um crédito que foi desenhado para ser destinado a clientes com mais de 65 anos, com casa paga (hipoteca), que era dada como garantia do empréstimo.  A notícia foi avançada pelo Público. Era o chamado crédito inverso (ou hipoteca inversa) que permitia que a pessoa conseguisse aceder a alguma liquidez por conta da hipoteca do imóvel sem ter, forçosamente, de se desfazer dele. Era um crédito hipotecário de longo prazo em que o cliente recebe em vez de pagar. “A comercialização deste produto foi suspensa dado o Banco de Portugal ter exigido que o mesmo tivesse legislação própria”, disse ao jornal diário o BNI Europa.

O banco esclarece, no entanto, que “o produto não chegou à fase de comercialização pelo que não há clientes lesados”.

Ler mais

Recomendadas

Vice-governador do BdP diz que orçamento comum é fundamental ao euro

O vice-governador do Banco de Portugal (BdP) Luís Máximo dos Santos defendeu esta sexta-feira que a existência de um orçamento comum a nível europeu é fundamental ao reforço da união monetária europeia.

Novo Banco confirma que a venda da carteira de malparado Nata II foi autorizada pelo Fundo de Resolução

O banco confirma assim a notícia avançada hoje pelo Jornal Económico. O Novo Banco já registou nas contas a venda da carteira de malparado ao fundo Davidson Kempner.

Portugueses recorrem cada vez mais ao crédito. 635 milhões em setembro

Os portugueses recorreram mais ao crédito no mês de setembro num total de 635 milhões de créditos contraídos. De acordo com uma nota publicada pelo Banco de Portugal esta sexta-feira, 15 de novembro, relativa à evolução dos novos créditos aos consumidores, os portugueses pediram um total de 295 milhões de euros em crédito pessoal, num […]
Comentários