BNP Paribas em Portugal reforça gestão ambiental em nome da sustentabilidade

O BNP Paribas em Portugal viu renovada a certificação ambiental obtida em 2017. Nos primeiros três anos, entre 2017 a 2019, foi possível obter uma redução de 15% no consumo de energia elétrica por colaborador; uma quebra de 66% no consumo de papel de impressão por colaborador; e menos 37% no consumo de água por colaborador.

Para reduzir a pegada carbónica também em Portugal, “uma vez que globalmente o BNP Paribas é Carbon Neutral desde 2017”, o BNP Paribas em Portugal viu renovada a certificação ambiental obtida em 2017 para dois edifícios onde desenvolve a sua atividade, alargar-se agora a quatro, abrangendo sete Entidades do Grupo.

Esta certificação, atribuída pela APCER, abrange todas as atividades, serviços e produtos do BNP Paribas, Securities Services, Personal Finance (que opera sob a marca Cetelem), Cardif, Leasing Solutions, Factor e ITP, nos edifícios ART’s, Gago Coutinho #26 e Torre Ocidente – Colombo, em Lisboa, e URBO, em Matosinhos.

A implementação do Sistema de Gestão Ambiental no BNP Paribas Securities Services, “a primeira Entidade do Grupo a ser certificada em Portugal, foi, na altura, um importante passo na forma como a organização gere os impactes ambientais diretamente causados pela utilização dos edifícios e cujos impactes têm vindo a diminuir desde então”, diz o banco em comunicado.

Nos primeiros três anos, entre 2017 a 2019, foi possível obter os seguintes resultados: -15% no consumo de energia elétrica por colaborador; -66% no consumo de papel de impressão por colaborador; -37% no consumo de água por colaborador.

“A certificação é o resultado de um forte planeamento estratégico nas áreas de negócio envolvidas, que passou pelo estudo do impacto ambiental sob a perspetiva do ciclo de vida dos produtos financeiros e a identificação dos riscos e oportunidades que as alterações climáticas representam para osseus negócios.”, destaca em comunicado Patrícia Freixo, Gestora de Ambiente do Grupo BNP Paribas Portugal.

Recomendadas

Possibilidade de moratórias de crédito serem prorrogadas é muito escassa, diz APB

Faria de Oliveira disse ainda que as moratórias não “são o fim da linha” e que as informações que lhe chegam dos bancos é de um “impacto muito reduzido” desde que terminaram as primeiras moratórias, o que aconteceu em 31 de março, com cerca de 86 mil famílias a retomarem o pagamento dos seus créditos à habitação este mês de abril.

Novo Banco: valor dos juros gerados pelos ativos do CCA pode compensar parte das injeções do FdR

Os deputados têm levantado a questão de os juros associados aos ativos do mecanismo de capital contingente, quando não são recebidos acrescerem às perdas, mas quando são recebidos não abaterem às perdas. A audição desta terça-feira foi a João Gomes Ferreira, partner da Deloitte, que fez a auditoria especial ao Novo Banco.

Banca apertou critérios de concessão de crédito a empresas e ao consumo no primeiro trimestre

Os critérios de concessão de crédito foram ligeiramente mais restritivos no crédito a empresas, designadamente a PME, e no crédito ao consumo e outros fins. Tendo ficado praticamente inalterados no crédito à habitação. As razões prendem-se com a maior perceção de riscos associados à situação e perspetivas de sectores ou empresas específicos e, em menor grau, de riscos associados à situação e perspetivas económicas e às garantias exigidas.
Comentários