BNU assina acordo em Macau para aumentar negócios entre China e países lusófonos

Carlos Álvares explicou que “o grande objetivo é aumentar o volume de negócios e de investimento entre os países de expressão portuguesa e a China, utilizando Macau como uma plataforma”, falando à margem da Feira Internacional de Macau e da Exposição de Produtos e Serviços dos Países de Língua Portuguesa, que hoje começou.

O BNU e o Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM) assinaram hoje um acordo para aumentar os negócios entre a China e os países lusófonos, disse à Lusa o presidente da instituição bancária.

Carlos Álvares explicou que “o grande objetivo é aumentar o volume de negócios e de investimento entre os países de expressão portuguesa e a China, utilizando Macau como uma plataforma”, falando à margem da Feira Internacional de Macau e da Exposição de Produtos e Serviços dos Países de Língua Portuguesa, que hoje começou.

“Já celebrámos protocolos com outras entidades, com entidades bancárias e achamos que celebrar este entendimento com o IPIM pode ser uma mais-valia para as empresas portuguesas, para as empresas de expressão portuguesa e para as empresas, fundamentalmente, das nove cidades da Grande Baía que estão aqui mais próximas em termos de possibilidade de concretização e realização de negócios”, acrescentou.

O responsável frisou que “o BNU faz parte de um grupo, a Caixa Geral de Depósitos [CGD], o maior banco em Portugal, e que (…) está em primeiro em cinco dos países de expressão portuguesa”.

“Congregando estes esforços entre a CGD em países de expressão portuguesa e em Portugal, BNU (…), IPIM aqui em Macau e outros bancos chineses (…) será possível com certeza aumentar o volume de negócios entre estes países”, bem como “o volume de investimento”, garantiu.

“O que nós sentimos é que se trabalharmos em conjunto com outras entidades que têm objetivos semelhantes é possível fazer mais”, concluiu.

O projeto da Grande Baía pretende criar uma metrópole mundial que integra Hong Kong, Macau e nove cidades da província chinesa de Guangdong, numa região com cerca de 70 milhões de habitantes e com um Produto Interno Bruto (PIB) que ronda os 1,2 biliões de euros.

O BNU em Macau registou, no primeiro semestre deste ano, lucros de 366,8 milhões de patacas (cerca de 40,5 milhões de euros), indicam dados oficiais hoje divulgados.

Em relação a igual período de 2018, os lucros do BNU subiram 18% nos primeiros seis meses de 2019. No primeiro semestre do ano passado, os lucros do banco foram de 311 milhões de patacas (33 milhões de euros).

De acordo com o balancete de 30 de junho passado, publicado no Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau, o BNU registou proveitos de 865 milhões de patacas (cerca de 96 milhões de euros) e custos de 498 milhões de patacas (55 milhões de euros).

O banco fechou 2018 com lucros de 585 milhões de patacas (65 milhões de euros), proveitos de 1,7 mil milhões de patacas (189 milhões de euros) e custos de 1,1 mil milhões de patacas (122 milhões de euros).

O BNU é, juntamente com o Banco da China, banco emissor de moeda em Macau, e conta atualmente com 20 agências, incluindo uma em Zhuhai, cidade chinesa adjacente ao território.

Ler mais
Recomendadas

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

“Aquisições devem aportar valor para os acionistas”. CEO do Deutsche Bank trava expectativas sobre compra de negócios da Wirecard

Christian Sewing, CEO do banco alemão, revelou que a “a tecnologia de pagamentos é interessante para o Deutsche Bank, que é um dos bancos líderes no serviço de pagamentos em todo o mundo”, mas alertou que qualquer aquisição “deve sempre aportar valor para os acionistas.

Mediadora de seguros contrata 100 pessoas em plena crise de pandemia

“O aconselhamento em seguros, considerando a pandemia que assolou Portugal, é agora mais importante do que nunca e a Certezza pretende expandir a sua rede de agentes no mercado português”, destaca a mediadora. Para atingir esse objetivo, a Certezza promete pagar valores acima da média do mercado de modo a contratar os melhores recursos e investir na formação.
Comentários