Bolsa de Lisboa e praças europeias negoceiam em terreno positivo

Em Lisboa, a Pharol lidera os ganhos com uma subida de 1,43%, com destaque para uma subida de 1,24% do BCP.

Justin Lane/EPA via Lusa

O PSI 20 está a valorizar 0,33% para 4.313,41 pontos na sessão desta quarta-feira.

Lá fora, Paris segue a ganhar 0,44%, Frankfurt sobe 0,37%, e Madrid valoriza 0,82%.

Em Lisboa, a Pharol lidera os ganhos com uma subida de 1,43% para 0,07 euros, seguida da Mota-Engil que valoriza 1,27% para 1,28 euros.

Segue-se o BCP com um ganho de 1,24% para 0,10 euros, seguido da Corticeira Amorim que sobe 1,18 euros para 9,44 euros.

Já a Navigator ganha 0,97% para 2,29 euros.

Do lado das perdas, a Novabase lidera as perdas com uma descida de 5,33% para 3,02 euros, seguida da Ibersol que recua 2,07% para 6,62 euros. Já os CTT descem 0,48% para 2,07 euros.

Tanto a EDP Renováveis como a EDP negoceiam em terreno negativo ao perderem 0,17% para 11,70 euros e 0,05% para 4,24 euros, respetivamente.

O BCP é a cotada com mais ações negociadas, mais de 601 mil, seguida da Galp com 343 mil, e da Jerónimo Martins com 310 mil.

Seguem-se a EDP Renováveis com 309 mil ações negociadas, e a REN com 137 mil.

Hoje nas notícias, a Comissão Europeia vai apresentar a sua proposta de um fundo de recuperação para a recuperação da União Europeia devido à pandemia da Covid-19.

Von der Leyen apresenta hoje proposta de fundo de recuperação da UE

 

Ler mais

Recomendadas

Novos dados sobre o remdesivir acalmam investidores. Wall Street fecha no ‘verde’

Os três principais índices norte-americanos acabaram a sessão no ‘verde’. A Gilead Sciences está subiu mais de 2%, depois de informar que o seu medicamento remdesivir está associado a uma percentagem significativa de melhorias dos doentes com Covid-19.

Tesla pode entrar no S&P 500, estima Reuters

A empresa gerida por Musk conta com uma capitalização de mercado de 250 mil milhões de dólares, maior do que 95% das empresas já pertencentes ao índice norte-americano.

Portugal regressa ao mercado na quarta-feira para financiar-se até 1.750 milhões de euros

Os dois leilões das linhas de bilhetes do tesouro têm maturidades a seis meses e um ano, segundo o IGCP – Agência da Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública
Comentários