Bolsa nacional segue sessão a cair. Mota-Engil e BCP registam as maiores perdas

O principal índice bolsista nacional, o PSI 20, tomba agora 0,88%, para 5.357,76 pontos, acompanhando a tendência das principais congéneres europeias.

Benoit Tessier / Reuters

A bolsa portuguesa segue a cair na sessão desta terça-feira, com 14 cotadas a cai, duas a subir e duas inalteráveis. O principal índice bolsista nacional, o PSI 20, tomba agora 0,88%, para 5.357,76 pontos, acompanhando a tendência das principais congéneres europeias.

Com a F. Ramada e a REN inalteradas e apesar da valorização das cotadas EDP (0,71%, para 3,1100 euros) e EDP Renováveis (0,25%, para 7,9800 euros), o PSI 20 confirma a previsão do diário da bolsa do BPI e está a ser “penalizado pela deterioração da envolvente externa”. Mota-Engil e BCP a lideram as perdas.

A empresa de construção civil afunda 3,52%, para 3,1550 euros. Já o banco liderado por Nuno Amado, que é um dos pesos pesados do PSI 20, tomba 2,28%, para 0,2658 euros.

Os CTT também se destacam com uma desvalorização de 2,88%, para 3,0380 euros. A Pharol cai 2,41%, para 0,2225 euros, e a Navigator fecha o top5 das maiores perdas em bolsa, ao recuar 1,50%, para 4,7160 euros.

Nas praças europeias, alemão DAX afunda 1,33 %, o francês CAC 40 desvaloriza 0,78%, o britânico FTSE 100 tomba 0,74% e o italiano FTSE MIB recua 0,78%, o espanhol IBEX 35 cai 0,89%, e o holandês AEX desvaloriza 0,86%.

No mercado petrolífero, o Brent soma 0,81% para os 68,19 dólares por barril e o crude WTI avança 0,73% para os 63,47 dólares.

No mercado cambial, o euro valoriza 0,19% face ao dólar, para 1,2325 dólares.

[Dados das 9h27]

PSI 20 abre sessão a cair, “penalizado pela deterioração da envolvente externa”

Recomendadas

A um mês do Orçamento, Nazaré Cabral deixa recado a Costa: “Controlo da despesa é, mais do que nunca, essencial”

O “esforço de priorização da despesa será, nos próximos anos, um dos maiores desafios da gestão e das finanças públicas”, alertou hoje o Conselho de Finanças Públicas.

Conselho das Finanças Públicas revê em alta crescimento da economia nacional para 4,7% este ano

CFP está agora mais otimista do que o Governo, Bruxelas, FMI e OCDE, mas não atinge os 4,8% previstos pelo Banco de Portugal, a entidade mais otimista sobre o desempenho da economia portuguesa para este ano.

CFP avisa que Novo Banco e TAP são riscos para as contas públicas

O Conselho também considera que existe um “risco potencialmente elevado sobre o saldo orçamental e sobre o rácio da dívida pública nos próximos anos” relacionado com as garantias do Estado às moratórias bancárias.
Comentários