Bolsa portuguesa encerra em baixa após três sessões no verde. Queda superior a 2% dos CTT penalizou PSI 20

A bolsa nacional não escapou à conjuntura externa dos mercados bolsistas e acabou por interromper um ciclo de três sessões consecutivas fechadas em terreno positivo.

O principal índice bolsista português (PSI 20) fechou a sessão desta quinta-feira no vermelho, desvalorizando 0,56% para os 4.378,27 pontos, em linha com as principais congéneres europeias. A bolsa nacional não escapou à conjuntura externa dos mercados bolsistas e acabou por interromper um ciclo de três sessões consecutivas fechadas em terreno positivo. Os investidores europeus mostraram-se hoje receosos com a nova escalada de tensões entre Estados Unidos e China e as praças europeias saíram penalizadas.

Na manhã desta quinta-feira, o principal diplomata da China afirmou que os EUA tentaram iniciar uma “nova Guerra Fria” entre as duas maiores economias do mundo. De acordo com os comentários do Mtrader do Millennium BCP, Ramiro Loureiro,  o  também conselheiro de Estado chinês e ministro das Relações Estrangeiras “afirmou também que as relações entre os dois países enfrentam o maior desafio desde o estabelecimento de laços diplomáticos, culpando os EUA por essa deterioração”.

Já na quarta-feira, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, afirmou que Washington está preparada para banir mais aplicações de origem chinesa além da rede social Tik Tok, devido a questões de segurança nacional dos EUA. China e EUA vão voltar à mesa de negociações no dia 15 de agosto para debater novamente a primeira fase do acordo comercial.

Perante a troca de argumentos, os investidores seguem cautelosos. Acrescem as expetativas em torno de um novo pacote de estímulos para a economia norte-americana, que estará a ser preparado pela Casa Branca, mas que dependerá de um acordo entre Republicanos e Democratas no congresso.

Dos EUA chegaram, ainda, notícias de que houve menos pedidos de subsídio de desemprego do que o esperado, na última semana.

Os dados sobre as encomendas às fábricas alemãs, divulgados esta quinta-feira, também terão tido influencia junto dos investidores. As encomendas contraíram menos do que o esperado no mês de junho. Assim, as encomendas às fábricas alemãs contraíram 11,3% em termos homólogos, no mês de junho, quando os analistas estimavam uma quebra de 18,5%.

Em Portugal, das 18 empresas cotadas apenas cinco não encerraram a sessão em terreno negativo no PSI 20. Os títulos dos CTT e do BCP foram os que mais penalizaram o PSI 20.

Os CTT fecharam a perder 2,33%, para 2,51 euros, naquele que foi o primeiro dia de reações aos resultados da operadora postal no primeiro semestre. A empresa liderada por João Bento revelou na quarta-feira, depois do fecho da sessão, que obteve um prejuízo de dois milhões de euros nas contas do primeiro semestre de 2020. Em igual período de 2019, os CTT tinham registado um lucro de nove milhões de euros. Os CTT afundam 2,72%, para 2,50 euros.

Já o BCP caiu 1,36%, para 0,10 euros. Também as quebras das ações da Jerónimo Martins (-1,08%), da Mota-Engil (-1,26%) e da NOS (-1,23%) contribuíram para o mau desempenho do PSI 20.

Ler mais

Recomendadas

Bolsas europeias em correção. BCP e Galp pressionam PSI-20

Praças europeias fecham em correcção esta terça-feira, com perdas. PSI-20 recuou 1,35%, pressionado pelo BCP e pela energia. Queda do Brent penalizou a Galp.

Investidores indecisos em Wall Street aguardam primeiro debate entre Biden e Trump

Em Wall Street, o industrial Dow Jones desce 0,29% para 27,505.21 pontos, o generalista S&P recua 0,04% para 3,350.06 pontos e o tecnológico Nasdaq ganha 0,07% para 11,125.46 pontos.

BCP e Altri continuam a manter PSI 20 no ‘vermelho’

Praça lisboeta está agora a cair 0,57%, para 4.064,71 pontos nesta terça-feira, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.
Comentários