Bolsa portuguesa arranca em alta acompanhando a tendência europeia

O principal índice bolsista português cresce 0,38%, para 3.957,68 pontos.

O principal índice bolsista português (PSI 20) arrancou a crescer 0,38%, para 3.957,68 pontos, em linha com as principais congéneres europeias esta segunda-feira, 30 de março, numa altura em que empresas cotadas por todo o mundo suspendem a distribuição de dividendos. “Na fase atual, os investidores estão focados na evolução da conjuntura internacional quer ao nível económico como também ao nível sanitário”, indicam os analistas do BPI. Outro destaque da sessão é que o petróleo continua a negociar em queda, devido à paralisação de grande parte da economia global.

À medida que a época de resultados termina, as empresas entram numa época de assembleias gerais de acionistas para distribuir acionistas. Contudo, face ao atual momento da economia mundial, devido à pandemia da Covid-19, e, por todo o mundo, já várias empresas decidiram suspender os dividendos.

O dividendo continua a ser uma importante variável nas decisões dos investidores e, por isso, os analistas do BPI defendem que uma “empresa que mantenha a distribuição de dividendo neste enquadramento desafiante está a enviar um importante sinal ao mercado sobre a confiança que tem na sua atividade em superar este momento”.

A este contexto acrescem os estímulos do Banco Central da China, que reduziu as taxas de financiamento de curto prazo e injetou dinheiro no sistema financeiro. Na Autrália, o governo daquele país a Austrália anunciou um programa de apoio ao emprego e Singapura apresentou uma modesta flexibilização nas políticas.

Apesar dos esforços dos bancos centrais e governos para conter o impacto económico da Covid-19, as notícias quanto à sua propagação não são animadoras. Os Estados Unidos da América são atualmente o país do mundo com o maior número de pessoas infetadas com o novo coronavírus, prevendo-se que o número de mortes possam chegar às 200 mil.

A este cenário, acresce a queda dos preços do petróleo perante a quebra acentuada na procura devido à paralisação de grande parte da economia global, numa altura em que a oferta deverá aumentar em força. Em Londres, o Brent, que é referência para Portugal, afunda 5,62%, para 26,39 dólares. Já o WTI, em Nova Iorque, tomba 4,97%, para 20,43 dólares.

Na bolsa portuguesa, dez empresas negoceiam em alta, sete desvalorizam e uma negoceia sem variação. O PSI 20 é impulsionado pela NOS (5,83%), pelas retalhista Jerónimo Martins (0,37%), pelo BCP (0,38) e pela Navigator (0,29%).

Entre estas, destaca-se a NOS que na sexta-feira, 27 de março, anunciou ter acordado os termos para a celebração de três contratos de financiamento no valor global de 280 milhões de euros com três instituições bancárias, o que garante o refinanciamento das linhas com maturidade em 2020.

Ler mais

Recomendadas

Trump corta laço com a OMS mas não sobe tarifas à China e Wall Street fecha mista

Os Estados Unidos vão aumentar o escrutínio das empresas chinesas cotadas em Nova Iorque, algo que a Tencent se prepara para fazer já na próxima semana. “As empresas de investimento não devem sujeitar os clientes aos riscos escondidos e impróprios associados ao financiamento de empresas chinesas que não seguem as mesmas regras”, disse esta sexta-feira Donald Trump.

Bolsas europeias acabam semana com perdas. Papeleiras abalam PSI-20

Já EDP Renováveis subiu 1,71%, para 11,92 euros, um dia depois de ter informado que assegurou um contrato de 20 anos num leilão de energia eólica em Itália.

Wall Street abre mista à espera da conferência de imprensa de Donald Trump

A pressão vendedora começou a sentir-se logo ontem à noite, quando o presidente norte-americano informou que iria falar aos jornalistas sobre a China. “O governo dos Estados Unidos está… Vou usar a palavra furioso com o que a China fez nos últimos dias, semanas e meses”, disse esta sexta-feira o assessor económico da Casa Branca.
Comentários