Bolsas em maré calma

Após oito sessões negativas e uma descida superior a 5%, o PSI 20 encetou uma recuperação no que parece ser apenas uma correção em alta.

Na Europa, o Dax30 e o Cac40 recuperam algum terreno perdido à boleia da banca italiana. Também as praças norte-americanas reconquistaram cerca de metade das perdas do início de setembro, a beneficiar dos bons dados relativos ao emprego, que mostram uma economia robusta que continua a criar mensalmente, de acordo com o mês de agosto, mais de 200 mil postos de trabalho. A taxa de desemprego abaixo dos 4% espelha o pleno emprego.
A 1 de outubro, a Navigator vai voltar a aumentar o preço do papel e liderou as subidas, a par da Semapa e da Altri, a respirar das fortes perdas das últimas sessões, depois de fulgurantes subidas desde março. A Haitong subiu a recomendação para a Navigator de manter para comprar, apesar de ter descido o preço alvo de 5.40 para 5.20€. A Mota Engil perdeu 30% em oito sessões consecutivas e recupera, acompanhando o movimento do PSI20 e das principais praças mundiais. Beneficiou de uma compra de 60 mil ações próprias na quarta-feira a 2.155 €. A Galp tem recuperado com a forte subida do preço do petróleo de quase 5%.
Na quinta-feira, o BCE reviu em baixa as suas previsões para o crescimento da Zona Euro baseando essa revisão na diminuição da procura mundial, penalizada pelas tensões comerciais.
Aliás, os problemas das economias emergentes continuam a agudizar-se e são, atualmente, uma das causas da desestabilização dos mercados, a par dos nacionalismos crescentes na Europa, sendo Itália a maior preocupação.
Passados 10 anos sobre a falência da Lehman Brothers, surgem, nalgumas economias, sinais de bolhas especulativas em setores que vão desde o imobiliário às ações e obrigações, passando pelas dívidas públicas.
As bolhas continuam a ser alimentadas pelas baixas taxas de juro e pelos elevados balanços dos bancos centrais, políticas criadas para, precisamente, debelar as consequências da crise financeira de 2008. Mas há uma grande exceção: a descida da dívida pública alemã nos últimos anos, ao contrário do que acontece nas restantes grandes economias. Em 2012 a dívida pública germânica em relação ao PIB nominal era de 80%, e em 2017 foi de 64%. Nos EUA, nas mesmas datas, a dívida pública foi de 100% e 105% do PIB, respetivamente.
No câmbio, a cada semana que passa aparecem novos mínimos históricos de moedas de países emergentes. Depois do peso argentino, da lira turca, do real brasileiro, entre outras, esta semana foram a rupia indiana e a rupia do Sri Lanka que seguem em mínimos contra o dólar nos 72.91 e 163, respetivamente.

Recomendadas

Wall Street fecha mista em dia de Farfetch

O Dow Jones fechou em alta em contra-mão com os Nasdaq e S&P. A estreia de bolsa da Farfetch é um dos destaques em Wall Street, tendo a procura levado a uma subida do preço da ação face ao preço da colocação no IPO (oferta pública inicial).

Farfetch vale 7,02 mil milhões de dólares em bolsa

No lançamento do IPO, as ações da empresa valiam 20 dólares (17,03 euros), mas no final da sessão fecharam com uma cotação de 28,5 dólares. Ao fecho da sessão, a Farfetch tinha uma capitalização bolsista de 7,02 mil milhões de dólares (6,13 mil milhões de euros).

Bolsa de Lisboa fecha em terreno negativo em contra-ciclo com a Europa

A família Sonae, a Mota-Engil e a Pharol estragaram a sessão da bolsa lisboeta ao registarem quedas acima de 3%. A maioria das praças europeias encerrou em alta, com os índices ibéricos a registarem performances inferiores aos pares. O Euro Stoxx 50 registou a décima sessão consecutiva de valorização.
Comentários