Bolsas em maré calma

Após oito sessões negativas e uma descida superior a 5%, o PSI 20 encetou uma recuperação no que parece ser apenas uma correção em alta.

Susana Vera / Reuters

Na Europa, o Dax30 e o Cac40 recuperam algum terreno perdido à boleia da banca italiana. Também as praças norte-americanas reconquistaram cerca de metade das perdas do início de setembro, a beneficiar dos bons dados relativos ao emprego, que mostram uma economia robusta que continua a criar mensalmente, de acordo com o mês de agosto, mais de 200 mil postos de trabalho. A taxa de desemprego abaixo dos 4% espelha o pleno emprego.
A 1 de outubro, a Navigator vai voltar a aumentar o preço do papel e liderou as subidas, a par da Semapa e da Altri, a respirar das fortes perdas das últimas sessões, depois de fulgurantes subidas desde março. A Haitong subiu a recomendação para a Navigator de manter para comprar, apesar de ter descido o preço alvo de 5.40 para 5.20€. A Mota Engil perdeu 30% em oito sessões consecutivas e recupera, acompanhando o movimento do PSI20 e das principais praças mundiais. Beneficiou de uma compra de 60 mil ações próprias na quarta-feira a 2.155 €. A Galp tem recuperado com a forte subida do preço do petróleo de quase 5%.
Na quinta-feira, o BCE reviu em baixa as suas previsões para o crescimento da Zona Euro baseando essa revisão na diminuição da procura mundial, penalizada pelas tensões comerciais.
Aliás, os problemas das economias emergentes continuam a agudizar-se e são, atualmente, uma das causas da desestabilização dos mercados, a par dos nacionalismos crescentes na Europa, sendo Itália a maior preocupação.
Passados 10 anos sobre a falência da Lehman Brothers, surgem, nalgumas economias, sinais de bolhas especulativas em setores que vão desde o imobiliário às ações e obrigações, passando pelas dívidas públicas.
As bolhas continuam a ser alimentadas pelas baixas taxas de juro e pelos elevados balanços dos bancos centrais, políticas criadas para, precisamente, debelar as consequências da crise financeira de 2008. Mas há uma grande exceção: a descida da dívida pública alemã nos últimos anos, ao contrário do que acontece nas restantes grandes economias. Em 2012 a dívida pública germânica em relação ao PIB nominal era de 80%, e em 2017 foi de 64%. Nos EUA, nas mesmas datas, a dívida pública foi de 100% e 105% do PIB, respetivamente.
No câmbio, a cada semana que passa aparecem novos mínimos históricos de moedas de países emergentes. Depois do peso argentino, da lira turca, do real brasileiro, entre outras, esta semana foram a rupia indiana e a rupia do Sri Lanka que seguem em mínimos contra o dólar nos 72.91 e 163, respetivamente.

Recomendadas

Wall Street negoceia em alta à espera da Fed

Amanhã, quarta-feira, termina a reunião da Fed, que deverá anunciar o rumo da política monetária norte-americana. O mercado não espera alterações relativamente às taxas de juro.

Grão a grão, enche a galinha o papo em Wall Street

Goldman Sachs e Citigroup beneficiaram da notícia que deu conta que ambos os grupos financeiros estão a colaborar na mega fusão entre o Deutsche Bank e o Commerzbank.

Fusão do Deutsche Bank e Commerzbank animou Wall Street em véspera de reunião da Fed

No Dow, destaque para a Boeing que não acompanhou a tendência de subida. A construtora de aviões norte-americana caiu 2% e desde da queda do voo da Ethiopian Air já acumulou perdas de mais 10%.
Comentários