Bolsonaro quer explorar Amazónia com os Estados Unidos

Em entrevista à emissora de rádio, o presidente contou que propôs a Donald Trump uma parceria para exploração da floresta brasileira. Bolsonaro promete ainda rever a desmarcação de terras indígenas.

O presidente do Brasil Jair Bolsonaro anunciou ter convidado o presidente dos Estados Unidos Donald Trump a participar num programa de desenvolvimento conjunto para a região amazónica brasileira, apesar de não fornecer detalhes.

Em entrevista à rádio “Jovem Pan”, Jair Bolsonaro voltou a criticar as desmarcações de reservas indígenas na Amazónia, que abrigam a maior floresta tropical do mundo, afirmando que estas tribos dificultam o desenvolvimento da região, que abriga cerca de 25 milhões de pessoas.

“Quando eu conheci Trump, eu disse-lhe, entre outras coisas, que eu quero abrir um caminho para eles explorarem a Amazónia em parceria”, disse Jair Bolsonaro na entrevista.

A visão do presidente brasileiro em relação à Amazónia contrasta fortemente com a da maioria das organizações ambientais no país e no mundo. Alguns grupos verdes, como a Greenpeace, defendem a proibição total de qualquer nova desflorestação na região, incluindo a parte do território que pode ser legalmente desflorestada de acordo com a legislação brasileira.

Na região amazónica, por exemplo, um proprietário de terra tem o direito de cortar árvores em 20% da área, com a obrigação de deixar 80% da vegetação intacta.

 

Ler mais
Recomendadas

“O sol nasceu duas vezes”. De Londres a Sidney são 19 horas e 16 minutos de distância

O recente Boeing 787-9 Dreamliner, apelidado de ‘Longreach’ devido ao propósito das viagens, levantou voo do Reino Unido na manhã desta quinta-feira e aterrou em Sidney à hora de almoço de sexta.

Notre Dame: General diz para arquiteto “calar a boca”

Jean-Louis Georgelin gritou com Philippe Villeneuve, o arquiteto-chefe, devido à substituição da torre, que desabou no incêndio de abril. A discussão prende-se sobre se a torre deve ser substituída por uma réplica exata ou por uma alternativa mais moderna da mesma, como as projeções apontam.

‘Acqua Alta’. Veneza está a afogar-se

Depois de milhares de cidadãos e turistas terem ficado com a água pelos joelhos, muitos se perguntam o que vai acontecer depois das inundações
Comentários