Bolsonaro quer explorar Amazónia com os Estados Unidos

Em entrevista à emissora de rádio, o presidente contou que propôs a Donald Trump uma parceria para exploração da floresta brasileira. Bolsonaro promete ainda rever a desmarcação de terras indígenas.

O presidente do Brasil Jair Bolsonaro anunciou ter convidado o presidente dos Estados Unidos Donald Trump a participar num programa de desenvolvimento conjunto para a região amazónica brasileira, apesar de não fornecer detalhes.

Em entrevista à rádio “Jovem Pan”, Jair Bolsonaro voltou a criticar as desmarcações de reservas indígenas na Amazónia, que abrigam a maior floresta tropical do mundo, afirmando que estas tribos dificultam o desenvolvimento da região, que abriga cerca de 25 milhões de pessoas.

“Quando eu conheci Trump, eu disse-lhe, entre outras coisas, que eu quero abrir um caminho para eles explorarem a Amazónia em parceria”, disse Jair Bolsonaro na entrevista.

A visão do presidente brasileiro em relação à Amazónia contrasta fortemente com a da maioria das organizações ambientais no país e no mundo. Alguns grupos verdes, como a Greenpeace, defendem a proibição total de qualquer nova desflorestação na região, incluindo a parte do território que pode ser legalmente desflorestada de acordo com a legislação brasileira.

Na região amazónica, por exemplo, um proprietário de terra tem o direito de cortar árvores em 20% da área, com a obrigação de deixar 80% da vegetação intacta.

 

Ler mais
Recomendadas
donald_trump_irão

Donald Trump diz que pagou “muitos milhões de dólares em impostos”

“Tenho muito pouca dívida em comparação com o valor dos ativos”, escreveu o presidente norte-americano, na rede social Twitter.

Impostos pagos por Trump não parecem alterar o rumo das presidenciais

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pagou apenas 750 dólares (645 euros) em impostos federais em 2016, ano em que foi eleito, mas as repercussões da notícia não foram as esperadas. Os democratas estão a acionar um plano B.

Lira turca afunda para mínimos históricos com conflito azeri-arménio

A Turquia, cuja divisa tem desvalorizado fortemente ao longo do último ano, poderá estar prestes a entrar noutra frente para a qual lhe falta capacidade económica e política de resolução, alertam os especialistas.
Comentários