Bolsonaro quer explorar Amazónia com os Estados Unidos

Em entrevista à emissora de rádio, o presidente contou que propôs a Donald Trump uma parceria para exploração da floresta brasileira. Bolsonaro promete ainda rever a desmarcação de terras indígenas.

O presidente do Brasil Jair Bolsonaro anunciou ter convidado o presidente dos Estados Unidos Donald Trump a participar num programa de desenvolvimento conjunto para a região amazónica brasileira, apesar de não fornecer detalhes.

Em entrevista à rádio “Jovem Pan”, Jair Bolsonaro voltou a criticar as desmarcações de reservas indígenas na Amazónia, que abrigam a maior floresta tropical do mundo, afirmando que estas tribos dificultam o desenvolvimento da região, que abriga cerca de 25 milhões de pessoas.

“Quando eu conheci Trump, eu disse-lhe, entre outras coisas, que eu quero abrir um caminho para eles explorarem a Amazónia em parceria”, disse Jair Bolsonaro na entrevista.

A visão do presidente brasileiro em relação à Amazónia contrasta fortemente com a da maioria das organizações ambientais no país e no mundo. Alguns grupos verdes, como a Greenpeace, defendem a proibição total de qualquer nova desflorestação na região, incluindo a parte do território que pode ser legalmente desflorestada de acordo com a legislação brasileira.

Na região amazónica, por exemplo, um proprietário de terra tem o direito de cortar árvores em 20% da área, com a obrigação de deixar 80% da vegetação intacta.

 

Ler mais
Recomendadas

Estados Unidos estão a preparar resposta a “ataque sem precedentes” na Arábia Saudita

O secretário de Defesa norte-americano afirmou que conversou com o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman.

Quem são os houthis, o grupo por trás do ataque ao petróleo saudita?

O conflito no Iémen radica em 14 séculos de afastamento entre sunitas e xiitas – mas é de petróleo que, centenas e centenas de anos depois do início dos desentendimentos com a Arábia Saudita, se está a falar.

Embaixador apela a investimento chinês no setor mineiro de Angola

João dos Santos, embaixador de Angola na China, participou no terceiro ‘roadshow’ para concessões mineiras, em Pequim.
Comentários