Bolt fecha nova ronda de financiamento de 100 milhões de euros

A Bolt, anteriormente conhecida como Taxify, é a principal plataforma de transporte na Europa e acaba de fechar uma ronda de investimento de 100 milhões de euros, à medida que continua a expansão do seu leque de serviços na Europa e em África.

A principal plataforma de mobilidade europeia contou com o investimento da Naya Capital Management nesta ronda de financiamento.

“A Bolt, a principal plataforma de mobilidade europeia, fecha uma ronda de investimento de 100 milhões de euros, à medida que continua a expansão do seu leque de serviços na Europa e em África, tais como o de ride-hailing, micromobilidade e distribuição de alimentos”, refere a empresa em comunicado.

A Bolt fechou esta ronda com a Naya Capital Management, um fundo de investimento criado em 2012 por Masroor Siddiqui, que permitiu elevar o total de fundos da empresa para mais de 300 milhões de euros.

A Bolt, anteriormente conhecida como Taxify, é a principal plataforma de transporte na Europa, focada na mobilidade urbana. Os seus serviços vão desde ride-hailing, até à micromobilidade e entrega de comida. Fundada por Markus Villig, a Bolt foi lançada em 2013, e é hoje uma das plataformas de mobilidade com o mais rápido crescimento na Europa e em África com um grupo de investidores que inclui a Daimler, Didi Chuxing, Korelya Capital e o cofundador da TransferWise, Taavet Hinrikus. A Bolt tem mais de um milhão de motoristas e 30 milhões de utilizadores presentes em mais de 35 países a nível global.

“Atualmente a operar em mais de 150 cidades na Europa e em África, nos últimos meses a Bolt acelerou a expansão dos vários serviços tais como o Bolt Food, com foco na distribuição de alimentos, o Bolt Business Delivery, um serviço que ajuda os fornecedores que necessitam de um parceiro de distribuição a realizar entregas no próprio dia e ainda o Bolt Protect, um serviço direcionado para deslocações durante o período de pandemia, com carros equipados com proteções em acrílico transparente instaladas entre os assentos dos passageiros e do motorista, limitando o fluxo de ar entre o motorista e os passageiros dentro do veículo”, refere a empresa.

Markus Villig, CEO e Cofundador da Bolt, refere: “Embora a crise tenha mudado temporariamente a forma como nos movemos, as tendências de longo prazo que impulsionam a procura de soluções de mobilidade, como a redução do número de carros pessoais ou a mudança para transportes mais ecológicos, continuam a crescer”, refere o comunicado. O gestor acrescenta que “estamos contentes por receber o apoio de investidores que apoiam a nossa visão de longo prazo e não entram nos gastos irracionais que se tornaram tão comuns em Silicon Valley. Estou mais confiante do que nunca de que a nossa eficiência e localização são uma vantagem fundamental nesta indústria de serviços baseada na demanda. Isto permite-nos continuar a oferecer um transporte acessível a milhões de clientes e mais lucro para os nossos parceiros no mundo pós-COVID-19”.

Ler mais
Recomendadas

Novo Banco diz que “não vende imóveis com desconto”, pois vendeu ao preço de mercado

“A diferença quanto ao valor de avaliação no balanço dos imóveis não é um desconto, é o efeito da diferença entre o preço de mercado e o valor de avaliações que seguem o método de custo ou que assumem diferentes estimativas de capacidade construtiva”, explica o banco liderado por António Ramalho.

PremiumEmpresas nacionais brilham nas tecnologias da educação

JP Inspiring Knowledge, Bi-Bright e ubbu têm uma palavra a dizer na ‘virtualeduca.connect’, que decorre de 21 a 23 de julho, sob o signo do futuro.

Setor dos recursos minerais otimista na recuperação da atividade

A preservativa de evolução da liquidez é mais otimista face ao mês de abril, apesar de 33% estimar um impacto negativo de 20% a 40% na liquidez.
Comentários