Boston Consulting Group investe 400 milhões de dólares para alcançar impacto climático zero até 2030

No ano a que a BCG celebra 25 anos em Portugal, a consultora irá investir 400 milhões de dólares, ao longo da próxima década, para permitir que as suas equipas impulsionem iniciativas de impacto ambiental e climático junto das maiores organizações mundiais.

A Boston Consulting Group (BCG) pretende atingir a neutralidade carbónica até 2030, através de medidas significativas para reduzir a sua pegada ambiental e compensar o seu impacto remanescente, mas também do apoio a clientes com o mesmo objetivo.

Para isso, a consultora irá investir 400 milhões de dólares, ao longo da próxima década, para permitir que as suas equipas impulsionem iniciativas de impacto ambiental e climático junto das maiores organizações mundiais. No ano em que a BCG assinala 25 anos em Portugal, o escritório nacional junta-se ao compromisso.

Para alcançar a neutralidade de carbono, a consultora compromete-se, nos próximos cinco anos, a reduzir as emissões de energia e eletricidade em 90%, em comparação com 2018, por colaborador. Já em 2019, a consultora tinha feito a transição para a utilização de eletricidade 100% renovável e continuará a realizar esforços para aumentar a eficiência energética em todas as suas operações para atingir o remanescente dessa meta.

Para o efeito, as viagens de negócios, que representam mais de 80% da sua pegada total, serão reduzidas em pelo menos 30% por colaborador, até 2025, com a expectativa de contínuo progresso, tirando partido das suas práticas proficientes na colaboração à distância, consolidadas durante a pandemia. O restante impacto climático da BCG será compensado pelo aumento do investimento em projetos e tecnologias de remoção de carbono.

Este investimento permitirá trabalhar em colaboração com organizações líderes no desenvolvimento e implementação das abordagens de remoção mais avançadas, essenciais para cumprir os objetivos do Acordo de Paris. Após 2030, o objetivo da consultora é ter uma pegada positiva para o ambiente e remover mais CO2 do que a quantidade equivalente que emite.

Recomendadas

Pacto Português para os Plásticos quer reiventar o uso deste material

‘Vamos Reinventar o Plástico’ é o mote da campanha do Pacto Português para os Plásticos, que arranca hoje [dia 18 de setembro] e que pretende sensibilizar os consumidores portugueses para uma utilização responsável do plástico.

António Guterres pede aos governos para não apoiarem indústrias de combustíveis fósseis

“Ou podemos investir nas tecnologias do futuro, energia renovável, soluções baseadas na natureza, transporte sustentável e tecnologias verdes”, acrescentou o secretário-geral da ONU, dizendo que apenas este último é o caminho “racional”.

CEOs pedem melhores políticas de ação climática ao Governo e Congresso norte-americanos

CEOs de gigantes como a Amazon, a Apple, Microsoft, Morgan Stanley e Goldman Sachs pedem que seja criado um preço sobre o carbono de modo a que as empresas sejam forçadas a reduzir as emissões de GEE.
Comentários