BPI discutiu desafios do Turismo Sustentável com empresários nos Açores

O BPI quer ser o banco para o Turismo. O BPI reuniu em Ponta Delgada uma centena de gestores e empresários dos Açores para debater os desafios do Turismo, no âmbito dos “Encontros BPI com empresas”

O BPI reuniu em Ponta Delgada uma centena de gestores e empresários dos Açores para debater os desafios do Turismo, no âmbito dos “Encontros BPI com empresas”, na passada sexta-feira. A iniciativa contou também com a presença de Marta Guerreiro, Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo, de José Manuel Bolieiro, Presidente da Câmara Municipal Ponta Delgada, e de Pedro Santos Rosa, Consulting Senior Manager da Deloitte. O BPI assume-se como  o Banco para o Turismo.

Durante dois anos, o BPI vai percorrer todas as capitais de distrito e as regiões autónomas para reforçar a proximidade às empresas e instituições de cada região, anuncia o banco.

A nota de imprensa dá conta que a abertura do evento esteve a cargo de Pedro Barreto, administrador do BPI responsável pela banca de empresas e institucionais, que apresentou o CaixaBank – acionista maioritário do BPI – como “um Banco com a maior rede comercial em Espanha, com mais de 4.500 Balcões, e que está representado em 20 países, estando o BPI disponível para facilitar contactos e negócios das suas empresas exportadoras ou com potencial de internacionalização”.

O gestor salientou que a entrada do BPI no Grupo CaixaBank “vai permitir acelerar o Banco”.

João Oliveira e Costa, administrador responsável pela Banca de Particulares e Negócios, destacou que “o BPI é um parceiro para os projetos que queiram concretizar”.

Sobre os Açores no rumo da sustentabilidade, a Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo, Marta Guerreiro, salientou que “o desenvolvimento turístico dos Açores tem de passar obrigatoriamente por uma oferta ambiental ímpar aliada à sustentabilidade energética, numa estratégia que concerte a salvaguarda dos nossos recursos naturais e que potencie a atividade turística do arquipélago como um destino de natureza”.

“Ouvir que o BPI é o Banco para as empresas diz muito da sua contribuição para o desenvolvimento regional”, disse por sua vez José Manuel Bolieiro, presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada que enfatizou a “inteligência da sustentabilidade para investir sempre na reabilitação e na regeneração, adaptada à modernidade e aos novos tempos, salvaguardando o conceito de identidade”.

Já Pedro Santos Rosa, Consulting Senior Manager da Deloitte, salientou que “mesmo em períodos de crise económica e financeira, constata-se que o turismo é um dos setores com maior resiliência por via da exportação dos serviços da respetiva cadeia de valor.”

O consultor adiantou ser certo que o número de turistas vai continuar a aumentar pelo que “o peso do turismo para o PIB mundial e na geração e manutenção de postos de trabalho será ainda mais relevante.”

O BPI diz que “coloca à disposição das empresas do setor do turismo soluções competitivas e equipas especializadas na análise de projetos de investimento para os diversos segmentos de negócio: hotéis, alojamento local, animação turística e restauração”, salienta a instituição.

A oferta do BPI inclui linhas de apoio específicas e adaptadas a projetos turísticos, como a “Linha de Apoio à Qualificação da Oferta – Linha protocolada com o Turismo de Portugal, no montante de 120 milhões de euros, para financiar a criação ou requalificação de empreendimentos turísticos ou atividades de animação turística. O BPI lidera o financiamento de projetos enquadrados nesta linha de crédito, correspondendo a 24% do financiamento total e 26% do número de projetos”; ou como a “Linha Capitalizar – Linha de crédito no montante de 1.600 milhões de euros, destinada a apoiar investimento em ativos fixos corpóreos e incorpóreos, reforço de fundo de maneio e financiamento de necessidades de tesouraria”; mas há também a “Linha BPI P2020 – Financiamento de projetos submetidos ao Portugal 2020 em dois momentos: após a submissão da candidatura, ainda sem haver decisão de atribuição de incentivo, ou após a respetiva decisão”; para além da “Linha BPI/FEI Inovação III – Linha de crédito no montante de 200 milhões de euros, destinada a projetos inovadores, lançada no âmbito da assinatura do acordo de garantia entre o BPI e o Fundo Europeu de Investimento (FEI) ao abrigo do InnovFin SME Guarantee – instrumento financeiro do Horizonte 2020 e do Fundo Europeu de Investimentos Estratégicos”; e a “BPI/IFRRU 2020 – Reabilitação Urbana – Linha de crédito no valor global de 400 milhões de euros para apoiar a revitalização dos centros urbanos em todo o território nacional”.

 

Ler mais
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em créditos problemáticos até fim do ano

O Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em crédito malparado até ao final do ano, segundo disse o presidente executivo, António Ramalho, à agência de informação financeira Bloomberg.
Comentários