BPI e Montepio organizam emissão de 41 milhões da Sonae Capital

A primeira emissão de obrigações associadas a projetos sustentáveis, no valor de 40,8 milhões de euros da Sonae Capital foi organizada pelo Banco BPI e pelo Banco Empresas Montepio, com subscrição particular, tendo uma maturidade de 12 anos. O BPI atuou como co-organizador e agente da operação, refere o banco em comunicado.

O CEO do BPI, João Pedro Oliveira e Costa, fala durante a apresentação dos resultados de 2020 da instituíção bancária, na sede em Lisboa, 04 de fevereiro de 2021. TIAGO PETINGA/LUSA

A primeira emissão de obrigações associadas a projetos sustentáveis, no valor de 40,8 milhões de euros da Sonae Capital foi organizada pelo Banco BPI e pelo Banco Empresas Montepio, com subscrição particular, tendo uma maturidade de 12 anos.

Trata-se de uma emissão de 40,8 milhões de euros certificada por uma entidade externa independente de green bonds (obrigações verdes) e que constituem um instrumento de dívida que permite às empresas financiar investimentos com claros benefícios ambientais.

O BPI atuou como Banco co-organizador e agente da operação, refere a instituição em comunicado.

A emissão destina-se a financiar uma central termoelétrica de cogeração a biomassa florestal, situada no concelho de Mangualde.

O Jornal Económico avançou que a Sonae Capital contratou o Haitong Bank para vender esta central de biomassa.

“A Sonae Capital, através da Sociedade de Iniciativa e Aproveitamentos Florestais – Energia, detida pela sua subsidiária Capwatt, e o BPI, enquanto co-organizador e agente do financiamento, lançaram uma emissão de Project Green Bonds”, lê-se no comunicado.

“A emissão em regime de Project Finance, no montante total de 40,8 milhões de euros, destinar-se-á a refinanciar os investimentos da SIAF na construção de uma central termoelétrica de biomassa florestal, situada no concelho de Mangualde. Este investimento da Sonae Capital na central de biomassa, com 10 MW de potência elétrica, visou substituir uma central de cogeração, que se encontrava em operação no mesmo local”, refere a empresa.

A emissão alinha-se com as condições estabelecidas pelos Princípios de Obrigações Verdes (Green Bond Principles) publicados pela International Capital Market Association, tendo obtido uma Second Party Opinion (SPO) positiva da empresa de ratings ESG e de research independente especializada Sustainalytics.

“Enquanto organizador e subscritor desta emissão, o BPI contribui com uma solução de financiamento estruturado e sustentável, reforçando o seu papel de financiador de referência das empresas portuguesas através da adoção de soluções inovadoras e sustentáveis”, o banco reforça o compromisso com as emissões de Obrigações Verdes.

“O BPI e o Grupo CaixaBank estão muito empenhados no financiamento sustentável, apoiando, através da sua atividade, iniciativas e projetos amigos do ambiente que contribuem para prevenir, mitigar e responder às alterações climáticas e à transição para uma economia com baixo teor de carbono”, refere o banco português.

Recomendadas

Paulo Macedo: “Há uma corrente nacional contra as empresas grandes”

Segundo o líder do banco público, as grandes empresas é que “são maioritariamente exportadoras” e as “que podem fazer mais em termos de investigação”, e quanto às médias o seu objetivo é “ganhar dimensão para poderem competir”.

Sindicatos da banca dizem que proposta de salários é “miserabilista”

No caso do Banco de Portugal, o Montepio, ou a Oitante, estas instituições “fazem depender a atualização salarial das suas convenções do resultado obtido na revisão do ACT [acordo coletivo de trabalho] do sector bancário”.

Bancos centrais devem agir com “prudência, flexibilidade e firmeza”, diz Mário Centeno

“Numa fase de recuperação, mas com incerteza, a atuação e comunicação dos bancos centrais deve pautar-se pela prudência, flexibilidade e firmeza”, disse o governador do Banco de Portugal na intervenção inicial no XXXI Encontro de Lisboa entre os Bancos Centrais dos PALOP.
Comentários